O Corpo de Cristo não é um só membro!

Todos são diferentes; e todos sabemos disso! Um sinal de amadurecimento é a habilidade de aceitar os outros, e não pensar que todo mundo precisa agir e pensar como você.

Uma ilustração muito clara dessas diferenças é vista nos homens que foram instrumentos no retorno da Babilônia e na edificação de Jerusalém: Esdras e Neemias, Ageu e Zacarias.

Quando Esdras ouviu do fracasso do povo em manter-se separado, ele arrancou os próprios cabelos, rasgou as vestes e se assentou atônito e em arrependimento perante Deus (Ed 9.3). E o que fez Neemias? Quando ouviu do casamento de israelitas com os gentios, ele arrancou os cabelos dos culpados, e não os dele (Ne 13.25; provavelmente admiramos mais essa reação!).

Esses atos tão diferentes refletem duas personalidades totalmente diferentes – no entanto, Deus usou o homem certo no momento certo. Mais importante ainda: eles trabalharam juntos para a bênção da nação.

Quando viajou para Jerusalém, Neemias foi acompanhado dos soldados do rei. A consciência de Esdras, no entanto, depois dele testificar sobre o cuidado soberano de Deus, não lhe permitiu pedir soldados para protegê-lo (Ed 8.21-23). Será que um estava certo e o outro, errado? O que temos aqui não é uma ética que se adapta às circunstâncias, mas sim consciências sensíveis e personalidades diferentes.

Ageu e Zacarias também foram, em muitos aspectos, diferentes. Ageu era o pregador prático, sem restrições, direto, tocando na consciência, despertando o povo de sua letargia. Ele via o presente e seus efeitos futuros. Zacarias era o visionário, o homem que via o futuro e seu impacto no presente. A pregação de Ageu é relativamente fácil de entender, mesmo que seja difícil de aceitar e executar. Zacarias é difícil de entender, mas emociona o coração. Cada um desses homens influenciou o povo de Deus e fez com que os judeus se levantassem e edificassem (Ed 5.1,2). Lemos que eles prosperaram graças ao profetizar de ambos homens (6.14).

O Senhor Jesus tomou um grupo de homens de diversos ambientes e profissões, e os transformou num grupo que “alvoroçou o mundo” (At 17.6). Nenhum especialista em recursos humanos ou recrutador de executivos teria escolhido qualquer um deles para um cargo de liderança. No entanto, o Senhor trabalhou pacientemente com eles e cumpriu Sua promessa: “Vinde após Mim e Eu vos farei […]” (Mt 4.19).

Até mesmo um olhar rápido na sua igreja local revelará muitas personalidades diferentes. Uma aceitação dos outros, uma visão que enxerga, não os problemas, mas o potencial de cada um, e uma disposição para trabalhar em equipe são importantes para o crescimento e prosperidade da igreja local.

Você pode preferir, como a maioria de nós, ter um Esdras, que arrancou o próprio cabelo, a um Neemias, que pode arrancar o seu cabelo. Você pode preferir o tom meigo e emocionante de Zacarias às palavras profundas e diretas de Ageu. Mas lembre-se: Deus é quem deu ambos, e “assim formou o corpo” (1Co 12.24) de acordo com Sua sabedoria.

Fonte: “Sobre a pregação do profetas e o arrancar dos cabelos”, revista O Caminho, n. 65. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob direção de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.