Não são as orações de outras pessoas que fazem o homem de oração. Toda a verdadeira oração, a oração que prevalece, é pessoal, íntima e original. Ana protestou, dizendo que ela havia derramado sua alma a Deus (1Sm 1.15). Essa é a oração, e, no entanto, não é o todo da oração. A receptividade é tão real como parte da oração tanto quanto a expressão. Saulo de Tarso foi um homem de oração desde a juventude, mas ele nunca havia orado de fato até que encontrou o Senhor ressuscitado no caminho de Damasco. Do lado celestial, toda a mudança que se operou foi resumida nas palavras: “Eis que ele está orando” (At 9.11).

O segredo do poder de Elias em oração era que ele “orou com oração” (Darby e Reina-Valera). Em português temos “orou com fervor” (ARA) ou apenas “orou” (ACF). Mas o grego traz, literalmente, “com oração”. Ele orou com oração; ele orou na oração dele. Ou seja, ele realmente orou as orações dele. Ele não disse orações; ele orou em oração. Toda a personalidade dele estava em sua súplica. Ele realmente queria o que pediu, e fervorosamente quis dizer o que disse. Esse tipo de oração pode ser ensinada?

Essa é a oração que prevalece. Rotina formal do culto no templo e a leitura regular de palavras inspiradas de segunda mão e nenhum entendimento não são nem aceitáveis por Deus nem úteis para o homem. Eles são vãs repetições. Há muita oração que para nada aproveita, até onde podemos julgar. Orações não são medidas nem pelo tempo nem pelo número, mas pela intensidade. Há orações que são apaixonadas e não há resposta, e há coisas pelas quais sabemos que devemos orar em agonia de oração, e não há poder para orar. Nós [ainda] não sabemos como orar.

Traduzido por M. Luca de He Prayed In His Prayer, de Samuel Chadwick. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob direção de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.