Dois homens, duas árvores, dois caminhos

Leitura: Rm 5.12-19; 1Co 15.5-49; Cl 2.11-13; 3.1-3

Essas passagens colocam diante de nós várias coisas bem precisas. Elas nos trazem uma série de dísticos, de duplas.

Dois homens

Em primeiro lugar, elas apresentam dois homens, Adão e Cristo, e os apresentam como dois homens raciais, ou seja, dois homens que são a cabeça e o representante inclusivo de duas raças diferentes. E elas tornam perfeitamente claro que é impossível estar em ambos os homens ao mesmo tempo ou pertencer a ambas raças. Se você está vivo em Adão, está morto para Cristo. Se você está vivo em Cristo, está morto para Adão. Esses dois, portanto, são definidos por nenhum fato menor, menos importante, do que vida e morte, e essas duas coisas são bem separadas, pois é muito diferente, no sentido divino, estar vivo de estar morto no sentido divino.

Dois homens – e a Palavra de Deus diz que estamos em um ou em outro. Por natureza, não podemos mudar isso por nós mesmos, não temos escolha. Nós nascemos em e de Adão. Ele é nossa cabeça natural, o progenitor de nossa raça e de nossa ordem naturais. Estamos nele por natureza, e não podemos deixar de estar. E, ainda assim, Deus fez provisão para que saíssemos de Adão, para que não tivéssemos mais de estar em Adão, mas pudéssemos estar em Cristo. Ele diz: “Todos morrem em Adão” (1Co 15.22) ou: “Todos estão mortos”. A morte reina sobre toda a raça de Adão. Em Cristo, todos estão vivos, pois Cristo está vivo e vive no pleno sentido divino. Mas surge a pergunta: “Como podemos sair de Adão e entrar em Cristo?” E esse é o ponto sobre o qual vamos concentrar nossa meditação hoje, quando passamos pelas outras verdades que se apresentam naquelas passagens.

Há dois homens, para começar, e eles são totalmente separados. Eles não têm nenhuma amizade, nenhum relacionamento, nenhuma comunhão, nada em comum. Adão e Cristo são dois tipos distintos e pertencem a dois mundos e reinos distintamente diferentes, e, fora de Cristo, estamos em Adão. Em Adão, estamos fora de Cristo. Em Cristo, não estamos mais em Adão. É isso que a Escritura torna perfeitamente claro e é assim que temos perfeita clareza sobre isso. Há um grande empenho sendo feito hoje para, de alguma forma, criar uma ponte sobre essa separação, a fim de atravessá-la, para torná-la menos diferente e distinta do que é. Você encontra pessoas trabalhando com o objetivo de tentar levar outras pessoas para Cristo indo à terra delas, considerando onde elas estão e tentando encontrá-las em seu próprio território. Isso é apresentado numa frase muito comum: “É preciso encontrar as pessoas em seu próprio território1”, mas isso é um erro fatal quando você está procurando trazer as pessoas para o terreno de Cristo. Muitas vezes ouvimos de coisas sendo feitas e de métodos sendo adotados a fim de tentar ganhar pessoas para Cristo por considerar cuidadosamente o que preocupa as pessoas ou tendo as pessoas em vista. Por exemplo, considere uma turma de estudantes. Para ganhá-los, você deve ir ao território dos estudantes, assumir uma posição intelectual e lidar com eles segundo uma linha intelectual. Isso é tomar uma base natural, e nunca resulta realmente em uma posição definida e real em Cristo. E em muitas outras áreas esse tipo de coisa é feita.

Eles não têm nenhuma amizade, nenhum relacionamento, nenhuma comunhão, nada em comum.

O Senhor Jesus sabia muito bem, como alguém que sabia de tudo, que esse tipo de coisa não pode funcionar. Aproximou-se Dele aquele que era um bom homem: Nicodemos. Nicodemos era, em primeiro lugar, um homem naturalmente religioso e, sem dúvida, um homem educado, e, por fim, um homem de posição social e de influência, um homem que tinha conquistado muitas coisas em seu próprio lado da natureza, as quais lhe deram uma base e feito dele alguém. Ele veio ao Senhor Jesus e começou a falar sobre seu próprio procedimento, de seu próprio caminho. “Bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus” (Jo 3.2). “Pare, Nicodemos! Você não pode ir mais longe. Se você veio para obter ajuda de Mim, Eu não posso ajudá-lo enquanto você não ver para Meu terreno. Você está em um reino, Eu estou em outro. Você pertence a um homem; Eu sou totalmente outro homem. Eu não posso seguir com você em seus passos. Nicodemos, se quiser ter alguma coisa de Mim, você deve nascer de novo, você deve nascer de cima. Você deve vir para Meu terreno, sair de seu próprio terreno. Eu não posso encontrar você .” Ele parou a coisa toda de uma vez e colocou a questão: “Somos dois homens diferentes. Você pertence a uma raça, Eu pertenço a outra. Você pertence a um mundo, Eu pertenço a outra. Há muitas coisas boas sobre você para seu mundo, mas, no Meu mundo, elas não têm importância. Você tem de sair de um para o outro e reconhecer que nada do que está em Adão tem qualquer valor quando se trata de salvação. Não, há uma grande lacuna entre nós e nada pode preenchê-la. Você tem de sair desse terreno e ir para outro antes que possa haver um real começo em entender as coisas de Cristo.”

Dois nascimentos

Dois homens que representam dois reinos e duas naturezas tão absoluta e completamente diferentes tornam fazer a comunhão entre si completamente impossível. Bem, dois homens: isso é o que está estabelecido, e temos de ser muito francos sobre isso. Vamos reconhecer isso e sempre apresentá-lo para as pessoas e nunca tentar ir para o terreno delas e tomar a posição delas, na esperança de ganhá-las para o nosso ou para o de Cristo. Não vai funcionar. Temos de estar no terreno de Cristo e dizer: “Você precisa nascer de novo antes que possa ter um começo, antes que possa ter o primeiro vislumbre da luz ou da vida no que diz respeito ao céu”. Assim, os dois homens, como essas palavras deixam claro, representam dois nascimentos: “O que é nascido da carne”, como o Senhor Jesus disse a Nicodemos, “é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” (v. 6) – dois nascimentos distintos. O nascimento em Adão é o nascimento segundo a carne. O nascimento em Cristo é o nascimento do Espírito. “Você deve nascer de novo.”

Duas hereditariedades

Depois, por causa dos diferentes nascimentos certamente haverá duas hereditariedades: a que o Novo Testamento chama de “o velho homem” e a que é chamada de “o novo homem”. Sabemos muito bem que temos nosso homem velho por hereditariedade; temos a hereditariedade de Adão. Nós não estamos apenas em Adão pelo nascimento, mas Adão está em nós pelo nascimento. Quando os filhos de Israel estavam no Egito, eles estavam no Egito, e então Deus os tirou do Egito, mas por 40 anos ficou bastante claro que o Egito não havia saído deles. Este era o problema: durante 40 anos no deserto, o Egito que neles estava foi sendo tratado. O coração deles estava sempre ligado com o Egito. A única coisa que se tornou tão manifestamente necessária era que o Egito no coração tinha de ser suplantado pela Terra da Promessa, e aquelas pessoas que não tinham a terra no coração pereceram no deserto porque o Egito ainda estava em seu coração, mas a nova raça, a nova geração, em cujo coração a terra estava, entrou e a possuiu. Estamos em Adão, mas Adão está em nós também. Temos a hereditariedade de Adão e sabemos disso muito bem. Mas há também outro aspecto.

Quando estamos em Cristo, quando nascemos de novo do Espírito, então, temos a nova hereditariedade. Nós herdamos o que há em Cristo. Pedro fala de nos tornarmos “participantes da natureza divina” (2Pe 1.4). É implantada em nós no novo nascimento a hereditariedade do Senhor Jesus Cristo. Nós herdamos algo por nascermos Dele, e isso está em Cristo como está em nós, que é a esperança de tudo. Como Paulo afirmou: “Cristo em vós, a esperança da glória” (Cl 1.27). Agora, não somente em Cristo, mas Cristo em nós pelo novo nascimento, de modo que não é só que viemos para o reino do cristianismo, uma esfera chamado “Cristo”, mas que entraram em nós as poderosas energias da própria vida de Cristo e da própria disposição e natureza de Cristo a crescer. Assim como o que nasce no corpo se manifesta mais cedo ou mais tarde em natureza – e toda nossa vida natural nada mais é do que o desdobramento gradual do que está em nós por natureza, e quanto mais velhos ficamos, mais consciente de que somos como certas pessoas que existiram antes de nós, quantos vestígios de nossos antepassados somos capazes de descobrir –, assim é em Cristo. Conforme avançamos, se de fato seguimos em Cristo, o que herdamos Dele cresce e se torna cada vez mais evidente.

Dois cursos2

Então, há dois cursos. Há o curso de Adão e o curso de Cristo. O curso de Adão é chamado, ou denominado, de “terreno, da terra”. Uma vez que Adão pecou e caiu, seu curso foi inteiramente terreno. Tudo relativo a ele – todos os seus interesses, sua visão toda, todas as suas energias – aponta para baixo e é da terra, é terreno. Paulo fala disso, como você observa na passagem em 1 Coríntios 15: “O primeiro homem, da terra, é terreno […] Assim como trouxemos a imagem do terreno […]” (vv. 47-49). Gosto do modo como isso é colocado. O Espírito Santo sabe o que está fazendo quando usa palavras. Ele poderia facilmente ter usado “terrestre” aqui, mas usou “terreno”. Você pode pensar que há muito pouca diferença. Se você diz “terrestre”, isso significa que você pertence a certo reino e sua associação é com esse reino. Mas se diz “terreno”, isso significa que você é da própria natureza desse reino, e essa é uma grande diferença. Você pode estar no mundo no que diz respeito a seu ser físico, mas não é de todo necessário para você ser um com o mundo em sua natureza e disposição. O Senhor Jesus disse: “Eles estão no mundo, mas não são do mundo” (Jo 17.14), e “terreno” significa que não somos apenas ligados à terra, mas que participamos de algo que é chamado de “terra”, de uma natureza, e nosso curso é este – um curso terreno – e não há céu aberto para nós.

Em Cristo, o que herdamos Dele cresce e se torna cada vez mais evidente.

Mas, então, há o curso de Cristo, e você sabe que, sempre em conexão com Cristo, está a palavra “celestial”. “Vós sois de baixo, Eu sou de cima” (Jo 8.23). “Eu desci do céu” (6.38). O homem celestial, o último Adão, é o Senhor do céu, e o curso em Cristo significa que nosso curso é celestial, nossos interesses são celestiais, nossos recursos são celestiais, nosso objetivo é celestial, nossas obras são celestiais. Nossa vida é celestial em natureza, substância e força. “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está […] A vossa vida está escondida com Cristo em Deus” (Cl 3.1,3). O curso de Cristo é celestial.

Não se esqueça que o único objetivo do grande inimigo, Satanás, é criar uma ligação entre os filhos de Deus e aquilo que é terreno. Ele tem tentado e conseguido com a Igreja quase como um todo ao longo de séculos, tornando-a algo terreno, algo aqui de baixo, pertencente à terra, enquanto ela, em seus primórdios, era inteiramente e só celestial – muito simples. Seus locais de reunião eram muito simples, não considerados pelo mundo; todas as suas formas e seus caminhos eram muito simples, na verdade. Não havia nada aqui nesta terra e no mundo para ganhar o favor dela, sua reputação ou seu reconhecimento, mas sua vida era celestial. A única coisa que ela tinha aqui embaixo era um testemunho, e era um testemunho de um Cristo celestial e reinante. Satanás triunfou tremendamente ao fazer da Igreja algo terreno, e ele está sempre tentando fazer isso com você e comigo, a fim de obter uma ligação entre nós e o que está aqui e roubar-nos de nossa vida essencialmente celestial. Se ele não pode fazê-lo de uma maneira, tentará fazê-lo de outra. Inconscientemente, imperceptivelmente, a coisa opera até que nosso coração seja afastado do Senhor celestial e tenha um interesse no que está aqui.

Dois destinos

Então, finalmente, temos dois destinos. Em Adão: juízo de condenação. Este é o destino para a raça de Adão, para a vida de Adão: condenação, julgamento, morte, morte eterna. O outro destino, em Cristo, é um destino glorioso, a vida eterna, honra e glória eternas.

Estou falando muito brevemente sobre essas coisas, mas esse é o grande divisor de águas em todos os aspectos.

O caminho para fora de Adão e para dentro de Cristo

Agora, como sair de um e entrar no outro? Como sair de Adão e entrar em Cristo? Como sair do velho nascimento para o novo nascimento? Como sair da hereditariedade do velho homem para a do novo homem? Como afastar-se desse velho curso terreno e ir para o novo curso celestial? Como sair do destino de julgamento e morte e ir para o destino de vida e glória? Como? Bem, as Escrituras deixam isso perfeitamente claro. Como sair de Adão? Você nunca poderá lutar para sair de Adão e entrar em Cristo. Você nunca poderá, por qualquer força de vontade, sair de Adão e entrar em Cristo. Se sua vontade é mais forte do que a de Satanás, então, você pode controlá-la, mas todos os que têm tentado descobriram que isso não acontece. Satanás é muito inteligente e muito poderoso, e ele não deixa o que é dele ir facilmente. Como, então?

Caminhando para a sepultura de Adão

Há apenas um caminho. Deus encontrou uma maneira e Deus determinou um caminho. “Como posso sair de Adão?” Bem: morra – isso é tudo. “Se eu morrer…” Bem, isso é o fim de tudo. Para sair de Adão, somente pela morte. E como entrar em Cristo? Pela ressurreição. Por isso, somos apresentados como tendo morrido em Cristo. Como podemos morrer? Não podemos cometer suicídio, não podemos nos matar, não podemos pôr fim a essa relação miserável de vida com Adão por qualquer meio a nosso alcance. Deus providenciou um caminho, e Ele fez Seu Filho nosso representante a morrer uma morte poderosa e inclusiva como nossa morte. Ele morreu como nós aos olhos de Deus, e a morte de Cristo é uma coisa poderosa. Ela é tornada eficaz pelo Espírito Santo. Então, o que temos de fazer é ver, em primeiro lugar, Cristo como nosso representante morrer em nosso lugar como nós. Então, pela fé, aceitara a Ele e a Sua morte como nossos e nos considerar como tendo morrido em Cristo, e, em seguida, pela mesma fé na ressurreição do Senhor Jesus, ver que Ele é ressuscitado por nós e como nós para nossa justificação, e na fé tomá-Lo como o Senhor ressuscitado, como nossa nova vida, para ser em nós a nova vida. Nós morremos Nele, somos ressuscitados Nele, e contamos com o Espírito Santo para tornar isso real.

Então, o Senhor diz3: “Aqui está uma maneira que projetei para que você possa testemunhar a todas as inteligências visíveis e invisíveis sobre a posição que tomou. Eia aqui água, eis aqui um túmulo. Desça a ele e, ao fazê-lo, declare na terra e diante do céu e diante do inferno que, na morte de Cristo, você morreu, e que isso é o fim de Adão e de tudo o que pertence a Adão. Em Cristo, você vive de novo, mas não mais em Adão”. “De agora em diante, Nele” e em tudo o que Ele representa. Essa é a sua maneira de fazer uma declaração, e o Senhor aplica Seu selo sobre esse testemunho. Isso não é o fato, mas provê uma maneira de nosso testemunho dele, e Deus a ordenou.

Tudo isso é muito elementar, mas é muito importante que haja muita clareza sobre as coisas que são claras, e que coloquemos as coisas em seu lugar e vejamos que há reinos e relacionamentos distintamente diferentes separados por Deus, sem qualquer comunhão um com o outro, e estamos em um ou estamos em outro, e nunca podemos estar em ambos ao mesmo tempo. Estamos em Adão ou estamos em Cristo. Se estamos em Adão, não estamos em Cristo. Se estamos em Cristo, não estamos em Adão; Cristo é a nossa vida. Espero que você tenha feito essa distinção e se posicionado no território divino.

(Traduzido por Francisco Nunes de In Adam or In Christ, de T. A. Sparks. A maior parte dos textos de Austin-Sparks é transcrição de suas mensagens orais. Os irmãos que as transcrevem não fazem nenhuma edição ou aprimoramento. Por isso, o texto conserva bastante de sua oralidade, o que, em muitas circunstâncias, não permite uma tradução mais apurada. Se houver qualquer sugestão para aprimoramento deste trabalho, por favor, deixe um comentário. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria, tradução e fonte e seja exclusivamente para uso gratuito.)

 

_____

1Talvez no Brasil se diga algo como: “É preciso ir onde o povo está.” (N. do T.)

2No sentido de fluir, de corrente, como o curso de um rio. (N. do T.)

3Evidentemente, o autor está fazendo uma paráfrase de várias declarações do Senhor Jesus e do significado delas, não citando uma passagem específica. (N. do T.)