John Hyde, o homem que orava

“A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos” (Tg 5.16)

Wilbur Chapman escreveu a um amigo: “Eu aprendi algumas grandes lições com respeito à oração. Em uma de nossas missões na Inglaterra, as audiências eram extremamente pequenas. Mas eu recebi um bilhete dizendo que um missionário americano […] iria orar para que Deus abençoasse nosso trabalho. Ele era conhecido como Hyde, o homem que orava.

“Quase instantaneamente a maré virou. O salão ficou lotado e, em meu primeiro apelo, cinqüenta homens se entregaram a Cristo como Salvador. Quando estávamos indo embora, eu disse: ‘Sr. Hyde, eu quero que você ore por mim’. Ele veio a meu quarto, virou a chave na porta, caiu de joelhos e esperou cinco minutos sem uma única sílaba nos lábios. Eu podia ouvir meu próprio coração batendo e as batidas do dele. Senti as lágrimas quentes correndo por meu rosto. Eu sabia que estava com Deus. Então, ele ergueu o rosto, também molhado de lágrimas, e disse: ‘Ó Deus!’

“Em seguida, por cinco minutos pelo menos, ele ainda esteve em silêncio; depois, quando ele sabia que estava falando com Deus […] vieram das profundezas de seu coração petições pelos homens como eu nunca tinha ouvido antes. Quando me levantei, tinha aprendido o que era orar de fato. Cremos que a oração é poder, e cremos como nunca antes.”

O Espírito que habitava em John Hyde, o homem que orava, é o mesmo Espírito de intercessão que em nós permanece.

“Dá-me almas, ó Deus, ou eu morro!”

(John Hyde)


 

(Traduzido por M. Luca de Wilbur Chapman On “Praying” John Hyde. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria, tradução, revisão e fonte e seja exclusivamente para uso gratuito.)