Eu leio. Na verdade, eu leio muito.

Eu leio por prazer, principalmente, mas também leio para meu trabalho, o meu ministério. Depois de todos estes anos, minhas estantes estão cedendo sob o peso dos livros, e por isso eu tive de abater o rebanho – um processo doloroso.

Foi em uma introdução à turma de pregação no seminário que pela primeira vez percebi que eu teria de ser capaz de pregar semana após semana durante toda a vida no ministério. Eu precisaria de uma vida espiritual e devocional ativa, é claro, mas eu também teria de ser um leitor.

O professor de pregação incentivou – na verdade, ele cobrou severamente – meus colegas e a mim a lermos. E ele foi muito específico sobre o que um pregador deveria ler.

Eu respeitosamente escrevo o que ele disse: [o pregador deve ler] um jornal diário nacional (que, na mente dele, só podia significar o New York Times), uma revista semanal (naqueles dias, Time e Newsweek eram indispensáveis e poderiam ser úteis para fornecer citações importantes), uma grande obra de teologia a cada ano, um livro sobre pregação a cada ano (ou uma coleção de sermões ou um livro sobre a teologia da pregação), romances, histórias, livros de poesia e biografias. Eu posso ter esquecido alguma coisa.

A tarefa proposta foi assustadora. Mas, para mim, não poderia ter sido mais emocionante. Era um convite para uma vida plena e rica. Eu sempre gostei de ler, e agora… bem, seria algo que se esperaria de minha vida. Eu poderia deitar no sofá com um livro na mão e dizer a minha esposa: “Desculpe, querida, eu estou trabalhando agora”.

Eu tenho seguido essa orientação a maior parte do tempo. E tenho amado isso a maior parte do tempo. Mas a coisa mais importante é isto: agora percebo a verdade do que me foi dito – ou seja, que a leitura me faria um pregador melhor. Eu acredito que tem feito.

A leitura melhorou meu vocabulário (não se trata de parecer mais culto, que nunca foi meu objetivo na pregação, mas fez minha pregação mais viva e mais interessante de ouvir), me ensinou como ser um contador de histórias melhor e me mostrou como levar um leitor (ou ouvinte) de um ponto a outro, o que eu gosto de pensar como sendo o arco narrativo do sermão.

Eu não sei onde estaria como pregador se não lesse. Eu tenho escutado alguns pregadores ao longo dos anos que não conseguem sair do lugar, totalmente inaptos, incapazes de dar conta da tarefa, e eu me pergunto se eles já leram um livro ou mesmo um jornal.

Por isso, nos últimos dias eu estava empolgado para ler o novo livro do meu amigo Neal Plantinga, Reading for Preaching (Ler para pregar), no qual ele apresenta essencialmente o mesmo argumento. E não só ele apresenta um argumento convincente para a importância da leitura, como demonstra aquilo em que acredita.

Seu estilo é rico e atraente. Ele faz com que conceitos teológicos rígidos ganhem vida por meio de referências à cultura popular, à literatura e às notícias. Ele escreve de uma maneira que atrai o leitor. Em outras palavras, ele não dá trabalho ao leitor para entender seu ponto de vista.

Provavelmente, vou continuar a ler muito depois de ter desistido de pregação. A leitura se tornou uma amiga antiga e confiável.

Mas, por enquanto, eu estou lendo, porque minha pregação depende disso.

 

(Traduzido por Francisco Nunes de Reading for preaching)