Você quer que Ele venha logo?

Este é o primeiro artigo da série Indicações de sexta de 2016. Ou, se você preferir, é o último de 2015, pois foi preparado dia 31 de dezembro.

Iniciamos essa série em 2015; às vezes, por motivos alheios a nossa vontade, não conseguimos publicá-la, mas sempre procuramos apresentar aqui alimento substancial para os sequiosos filhos de Deus.

O artigo de hoje é um pouco diferente de todos os outros. É um resumo de tudo o que pretendemos (falo em nome de todos os que têm trabalhado para produzir o Campos de Boaz, pessoas que serão formalmente apresentadas em breve) neste blogue. Tudo o que publicamos, todas as ênfases que desejamos dar com os artigos, todo o anelo por trás de nosso trabalho voluntário é despertar os filhos de Deus para amarem mais e conhecerem mais o Senhor Jesus, e para desejarem Sua volta.

Esses três itens estão intimamente ligados. Quanto mais O conhecemos mais O amamos, pois mais conhecemos quão digno de nosso amor Ele é. E, quanto mais O amarmos, mais desejaremos que Ele volte. Isso também implicará permitir que Seu morrer opere em nós. E, quanto mais morrermos para esse mundo, mais desejaremos que Ele volte.

Muitos cristãos, infelizmente, estão presos a este mundo, cegados para as verdades mais profundas e necessárias do Evangelho, enganados por falsos ensinos, seguindo lobos mal disfarçados de ovelhas. Por isso, oramos a fim de que, se ao aprouver ao Senhor, nosso trabalho sirva para despertar pelo menos um de Seus filhos. Se isso ocorrer, já nos sentiremos gratos e honrados por termos sido usados por Aquele que é o único merecedor de toda honra, glória e consagração.

Nosso desejo, expresso neste hino, é que Ele volte. Logo.

Hino que honra a Deus

Desde Betânia

Letra de Watchman Nee; música: Danny Boy (melodia tradicional irlandesa)

Letra em português

Desde Betânia

Desde Betânia, quando nos deixaste,
Saudade imensa inundou meu ser.
Não tenho mais tocado a minha harpa –
Como tocar, se a Ti não posso ver?
Na solidão da noite tão profunda,
Fico em silêncio e calmo a meditar
Nessa distância, pois de mim tão longe estás
E há quanto tempo prometeste regressar!

Sem lar, recordo Tua manjedoura,
Olhando a cruz não posso me alegrar.
E Tu me lembras o meu lar futuro,
Mas é a Ti quem mais quero encontrar.
Sem Ti não tem sabor minha alegria;
Doçura, encanto, aos hinos vêm faltar,
Vazios são meus dias, pois aqui não estás.
Senhor, Te peço, não demores a voltar.

Embora aqui Tua presença eu goze,
De Ti saudade estou sempre a sentir.
Mesmo gozando o Teu amor imenso,
Anseio pelo dia em que hás de vir.
Mesmo na paz me sinto tão sozinho;
Por Ti suspiro em meio do prazer.
Jamais minha alma tem satisfação total,
Pois o Teu rosto amado não consigo ver.

Com sua terra sonha o peregrino,
Com sua pátria, o exilado, além.
Distante, o noivo pensa em sua amada.
De amados pais, saudade os filhos têm.
Assim também anelo ver Teu rosto,
Ó meu querido e amado Salvador.
Ah! se eu pudesse, agora, a Tua face ver!
Té quando esperarei por Ti, ó meu Senhor?

Tu lembras que buscar-me prometeste,
E junto a Ti em breve me levar?
Mas tantos dias e anos já passaram,
Cansado estou e peço-Te lembrar.
Tuas pegadas vejo tão distantes,
E quanto tempo ainda vai passar?
Ansioso clamo a Ti, e peço, ó Salvador:
Oh, não demores! Vem, Senhor, me arrebatar.

O dia nasce e morre, e assim as noites.
E quantos santos já não estão aqui
Tanto esperaram pela Tua volta,
E há muito tempo estão dormindo em Ti.
Ó meu Senhor, por que não Te manifestas?
Espesso véu está a Te ocultar –
Quantos remidos Teus estão a Te esperar!
Será que a nossa espera não vai mais findar?

Sei que também anseias por voltares
E arrebatar os redimidos Teus.
Por isso peço não mais demorares;
Depressa vem levar-nos para Deus.
Ó vem, Senhor, a Tua Igreja clama;
Não ouves Tua Noiva a Te chamar?
Olhando o céu, saudosa, diz a suspirar:
“Amado Noivo, não demores a voltar!”

História

Esta letra foi escrita por Watchman Nee depois da invasão comunista na China, a qual resultaria em sua prisão em 1952 e da qual nunca foi libertado, ali morrendo vinte anos depois. O hino expressa o mais sublime, profundo, doce, saudoso, real, desesperado anelo pela volta do Senhor. Impossível não ler sem sentir o coração apertar, tanto de saudade do Senhor quanto de vergonha por não termos o mesmo sentimento.

Há variações da letra em diferentes fontes e, em muitas delas, o autor é dado como desconhecido. Há um doce galardão em não ser conhecido por ninguém a não ser pelo Senhor.