Você já se reconciliou com Deus? Esta é uma pergunta da máxima importância. Sua salvação ou perdição descansa inteiramente nesta questão. Que grande é sua bênção se já se reconciliou com Deus! Já passou da morte para a vida a fim de gozar da bênção que Deus preparou para você no Senhor Jesus. Mas quão lamentável e precária é sua situação se ainda não se reconciliou com Deus! Quão terrível é ter a ira Dele sempre pairando sobre sua cabeça! É preciso que você responda, com honestidade, a esta pergunta: já se reconciliou com Deus?

Não seja descuidado ou tolo. Ou você já se reconciliou com Deus ou está em inimizade com Ele; não há posição neutra. Se ainda não se achegou a Ele mediante a morte do Senhor Jesus, então, Ele é seu inimigo, pois o mundo é inimigo de Deus. Ser inimigo de Deus não necessariamente significa que você há de levar sua rebeldia até o céu; simplesmente quer dizer que você pratica as coisas segundo a carne por preocupar-se apenas com suas paixões e lascívia e não com o que Deus requer de você. A Bíblia declara que “o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar” (Rm 8.7). Inimigos de Deus não são apenas os que tem o coração e mente voltados contra Deus; são também aqueles que se inclinam para a carne.

Pode ser que você aprove a religião, pode até verdadeiramente admirar a Cristo, pode até ter ajudado, com freqüência, a igreja – todas essas coisas podem ser muitos boas; não obstante, não há provas de que você não seja inimigo de Deus. É preciso que você compreenda que, segundo a Palavra de Deus, todo aquele que pende para as coisas da carne está em inimizade contra Ele. Pender para carne é rebelar-se contra a lei de Deus. Ora, a palavra “pendor” parece, a princípio, tão inocente e casual – pode ser que você não se engaje em um ato externo de rebeldia contra Deus, você pode apenas ter pendor para o mundo nos recessos ocultos e secretos do coração. Contudo, basta isso para se estar em inimizade contra Ele e em rebeldia à Sua lei!

O homem não somente não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar: não possui o poder e a força para tanto. Isso demonstra a insuficiência completa da natureza humana! Você sabe que a natureza humana é corrupta? A lei de Deus, porém, é santa e justa. Você pode guardá-la? As pessoas, de fato, às vezes consideram a lei de Deus boa e Seu mandamento justo e, por isso, a desejam cumprir. Mas qual é o resultado? Não a guardam nem a podem guardar. Conquanto às vezes desejemos cumprir a lei de Deus, descobrimos em nós um poder que nos segura e nos força a pender para a carne em vez de obedecer à lei. A natureza humana é tão corrupta que a esperança de guardar a lei de Deus deve se abandonada por completo. Não é verdade que, muitas vezes, as pessoas não desejam viver desregrada e licenciosamente; no entanto, afundam-se nesse lodaçal? Isso ocorre por causa da natureza humana corrupta. Devemos reconhecer nossa corrupção total antes que nos possa vir a salvação de Deus.

Outra prova de que somos inimigos de Deus jaz no fato de que nosso coração ama muito o mundo. Não é verdade que a glória e o louvor do mundo emocionam nosso coração? Encontramos no Novo Testamento esta afirmativa reveladora: “Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus?” (Tg 4.4a). Esta palavra é de Deus, não minha. Deus chama de infiéis às pessoas que cometeram o ato de adultério na carne, mas também chama outros por esse nome, pois o significado mais inclusivo aqui é abraçar uma amizade que não deve ser abraçada. Ora, visto que o mundo crucificou a Cristo, como pode alguém, amigo desse mundo, não ser considerado inimigo de Deus? Será que o mundo e sua atitude mudarão algum dia? O mundo hoje é melhor do que o foi no dia de Cristo? Se ele não mudou para melhor, como é que você pode ter comunhão com ele?

Ah, quão lindas são as pessoas do mundo, quão interessantes os seus negócios e quão adoráveis as suas coisas! E por causa das pessoas, dos negócios e das coisas deste mundo, você formou um laço inquebrável com ele. E esta é a razão pela qual você se tornou inimigo de Deus. Em verdade, a mente dos que não foram reconciliados com Ele nem regenerados está posta nas pessoas, nos negócios e coisas do mundo dia e noite. Os homens buscam fama, lucro e poder do mundo. Viram o rosto em direção a terra e as costas para o céu. Desprezam as exigências de Deus e estão em inimizade contra Ele. Permita-me perguntar-lhe: você já foi lavado com o precioso sangue do Senhor? Se não o foi, e é amigo do mundo, então, é inimigo de Deus.

A conduta humana é também prova inegável de ser o homem inimigo de Deus. O que Deus deseja que os homens façam, eles não fazem; mas o que deseja que não façam, isso fazem. Quem pode contar o número de pecados que os homens cometem dia e noite? Os atos ímpios do corpo denunciam a inimizade existente no coração: “E a vós outros também que outrora éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas” (Cl 1.21). Obras malignas! Pecados! Impureza! São estas as provas infalíveis da inimizade do homem contra Deus. “Não há justo”, declara a Bíblia, “nem sequer um” (Rm 3.10). Carne alguma ousa apresentar-se justa na presença de Deus, pois ninguém pode ser justificado à vista Dele mediante as próprias obras. Todas as obras dos homens são ímpias aos olhos divinos. Embora muitas obras possam ser aceitáveis pelos homens, são cheias de defeitos à vista de Deus e, portanto, ainda são consideradas como obras malignas.

As suas obras dão testemunho perante Deus de que você está em inimizade contra Ele? Não pense que é melhor do que as outras pessoas; reconheça, antes, que as suas assim chamadas boas obras contêm muitos males, tais como orgulho, fama e auto-satisfação. Portanto, confesse sua situação patética e venha para a confiança no Senhor Jesus Cristo a fim de ser salvo. De outra forma, por causa de sua autojustiça e autocontentamento, morrerá em seus pecados. Que o Espírito Santo convença-o de seus pecados e faça com que veja sua verdadeira condição. Pois a menos que as pessoas assumam a posição de pecadores e confessem que estão em inimizade contra Deus, não poderão receber Sua graça. Como poderá alguém vir à cruz procurando a salvação de Deus se não perceber que não pode agradar-Lhe e que sua própria natureza é contra Ele? A menos que essa pessoa reconheça sua terrível condição de inimizade contra Deus e as conseqüências futuras da ira eterna, sua profissão de fé em Cristo não pode ser real.

O que são as pessoas do mundo? Não são elas como o pó? Como insetos? Quão pequeno é o lugar que ocupam no universo! Há, pois, fundamento para a vanglória? Mas quem é Deus? Ele é o Altíssimo, o Soberano incomparável. O céu é o Seu trono e a terra o apoio de Seus pés. Portanto, quem, neste mundo, pode falar de Sua grandeza? Como é que homens tão pequenos e inimigos de tão grande Deus poderão escapar da perdição? Não declara a Bíblia que “sobre ele permanece a ira de Deus” (Jo 3.36)? Por esse motivo, não engane a si mesmo pensando possuir algumas boas obras. Sua inimizade contra Deus pode ser fatal. Jamais pense que ser inimigo Dele não tenha conseqüências. Nada no mundo é mais sério do que isso.

Precisamos lembrar que Deus amou ao mundo de tal maneira que deseja que todos os homens sejam salvos. Não quer vê-los perecer nem condená-los por seus pecados. Embora o mundo (e isto inclui você e eu) seja hostil para com Ele, Ele pacientemente espera. Deus enviou seu Filho unigênito, o Senhor Jesus, a fim de morrer na cruz para que fosse nossa propiciação (satisfação) para a remoção da justa ira de Deus. A penalidade de nossos pecados recaiu sobre Ele. Rebelamo-nos contra Deus e, segundo nossa própria natureza, pensamentos e desejos, merecemos a conseqüência maligna da perdição; mas Seu Filho Jesus suportou tudo em nosso lugar. Pois, por nós, Ele tomou o lugar de rebeldes e clamou na cruz: “Deus Meu, Deus Meu, por que Me desamparaste?” (Mt 27.46b). Jesus é o amado Filho de Deus, é Seu eleito e está sempre próximo Dele. Entretanto, levou nosso pecados, tomou nosso lugar de hostilidade e sofreu a justa ira do juízo de Deus. Até mesmo Seu Pai amoroso O desamparou, pois se fez pecado por nós e morreu por nós de uma vez por todas. Desamparado por Seu Deus e por amor a nós, Ele, não obstante, alcançou a paz e cumpriu a graça. E que graça espantosa é esta!

Portanto, agora podemos usufruir o bem da obra consumada de Cristo. Podemos ser “reconciliados (…) com Deus por intermédio da cruz” (Ef 2.16a). Contudo, não é que tenhamos mudado para melhor, nem que possamos controlar a nós mesmos ou melhorar a nós mesmos – esforços dessa ordem jamais poderão satisfazer o coração de Deus. Não, “por intermédio da cruz” é o único meio suficiente. A obra já foi consumada e nada precisamos acrescentar a ela: “Havendo feito a paz pelo sangue da Sua cruz” (Cl 1.20a). O sangue que nosso Senhor Jesus verteu, enquanto sofria na cruz, fala muito mais alto do que o sangue do justo Abel (Hb 12.24). E, assim, alcançamos a paz e a salvação consumada por completo em nosso benefício.

Antes que Cristo consumasse a obra da salvação, Deus não podia atrair os homens a Si nem podiam os homens aproximar-se de Deus. Embora Deus amasse ao mundo, os pecados dos homens se interpunham entre Deus e eles. Mas agora o Filho de Deus já morreu. “Deus estava em Cristo, reconciliando Consigo o mundo” (2Co 5.19a). O relacionamento entre Deus e o homem agora está mudado. A morte de Cristo, porém, não mudou o coração de Deus, pois Ele sempre amou ao mundo; nem a morte de Cristo modificou o coração do homem, pois ainda se encontra no pecado e recusa submeter-se a Deus. Mas, graças sejam dadas a Deus, a inimizade entre Ele e os homens foi desfeita pela morte de Cristo. Deus julgou o mundo ao julgar a Seu Filho, o Senhor Jesus, para que agora Ele possa aceitar os homens sem nenhum impedimento.

Podemos ilustrar este ponto da seguinte maneira:

Certo juiz tinha um único filho a quem muito amava. O filho roubou um valor de dinheiro e fugiu. Embora o pai o amasse com ternura, o relacionamento entre ambos havia-se alterado. Como era seu relacionamento agora? Se o filho fosse preso, o pai já não poderia tratá-lo como filho. O pai teria de julgá-lo como um criminoso entre muitos. Por mais que o pai o amasse, nada podia fazer pelo filho a não ser vender a propriedade da família a fim de pagar pelo furto. Somente então poderia o filho ser livre e o pai recebê-lo de volta sem nenhum impedimento.

Nós, seres humanos, pecamos contra Deus; portanto, merecemos ser julgados e condenados à perdição eterna. Mas Deus amou-nos tanto que se fez homem (o Senhor Jesus é Deus) a fim de sofrer na cruz para que pudesse pagar nossa dívida do pecado e restaurar o relacionamento quebrado entre Deus e os homens. O resultado é que agora Deus pode receber-nos a nós, pecadores, visto que a paz já foi alcançada entre as duas partes. A salvação ou a perdição da pessoa agora depende de estar ela disposta ou não a aceitar esta paz.

Volto à minha pergunta inicial: você já se reconciliou com Deus? Você é uma pessoa salva? Já fez as pazes com Deus por intermédio do Senhor Jesus? O caminho da reconciliação divina é que “fomos reconciliados com Deus mediante a morte do Seu Filho” (Rm 5.1, 10a). Você não entra em paz com Deus por meio de suas supostas boas obras. Embora você possa já pertencer a uma igreja, tendo sido batizado e participado da Ceia do Senhor – ou ter ido aos cultos com freqüência e lido com freqüência a Bíblia e orado muitas vezes, ou pode ser até que já tenha convidado outros a crer no Senhor ou ter pregado do púlpito ou dirigido um culto, ainda é pecador perdido e inimigo de Deus se não se reconciliou com Ele por meio da morte do Senhor Jesus, crendo que Cristo morreu, levou seus pecados e realizou a obra da redenção por você. Não pense que suas boas obras ou zelo no trabalho o reconciliem com Deus. Não. O preço da reconciliação não é pequeno. Se Deus acha que a morte do Senhor Jesus é absolutamente necessária, então, tudo o que ficar aquém de Sua morte é totalmente inaceitável. Os homens ou se reconciliarão com Deus mediante Jesus Cristo ou continuarão sendo inimigos Dele, confiando em suas próprias obras.

Deus já pagou todo o preço da reconciliação. Já realizou a obra da redenção perfeita. O Senhor Jesus alcançou salvação eterna. Agora, salvação ou a perdição são apresentadas a você. Você não pode ser salvo por sua própria justiça e também não precisa perecer por causa de seus pecados. A salvação ou perdição depende de sua disposição em aceitar a salvação que o Senhor Jesus consumou para você.

Durante a Guerra Civil norte-americana, um general vitorioso proclamou uma ordem aos seus inimigos derrotados mais ou menos como a seguinte: “Agora, separo vários quilômetros de terra como refúgio de paz. Todos os que depuserem as armas e passarem para essa faixa de terra serão salvos; os que não o fizerem serão mortos sem misericórdia.”

Muitos acreditaram na ordem. Depuseram as armas e entraram na área designada. Estes foram salvos. Mas alguns duvidaram e recusaram-se a entrar na terra de refúgio, e foram mortos.

Deus colocou a cruz do Calvário como a terra de paz para todos os homens. Você, como muitos neste mundo, tem estado em inimizade com Ele; entretanto, se neste instante você estiver disposto a desistir de seus pecados e postrar-se ao pé da cruz, confiando na paz que Cristo alcançou para você, será salvo. Mas se ainda duvidar e não crer, morrerá em seus pecados. No caso da Guerra Civil a diferença entre os que viveram e os que morreram estava em entrar ou não na área designada de refúgio. Alguns podem ter chegado a poucos metros da terra, e poderiam facilmente ter entrado se tão-somente dessem um passo. Contudo, foram mortos porque permaneceram fora da terra. Portanto, não demore mais. Confie no Senhor e será salvo. “Quem quiser recebe de graça a água da vida” (Ap 22.17). Por que não o fazer hoje?

Agora, se estiver verdadeiramente disposto a aceitar a paz que o Senhor alcançou, será liberto tanto do pecado como da sua penalidade. Pois a Bíblia declara: “Deus estava em Cristo, reconciliando Consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões” (2Co 5.19). Além disso, que alegria experimentamos quando não mais estamos debaixo da acusação! “Mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de Quem acabamos agora de receber a reconciliação” (Rm 5.11).

Gostaria de perguntar mais uma vez: você já se reconciliou com Deus? Deve responder sem hesitar. Seu futuro depende de sua resposta hoje. “Somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilies com Deus” (2Co 5.20). “E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe [os gentios], e a paz também aos que estavam perto [os judeus]” (Ef 2.17). Que o Espírito Santo toque o coração de todo aquele que receber esta mensagem, levando-o a aceitar a Jesus como Senhor e Salvador de sua alma.

Se decidiu aceitar a Jesus como Salvador, ore comigo: “Ó Senhor, eu era Teu inimigo, mas agora estou disposto a crer em Ti por causa do amor que manifestaste na cruz e por causa da paz que alcançaste. Ó Senhor, salva-me, pois sou pecador!”

(Cheio de Graça e de Verdade, Editora Vida, 1982)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob direção de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.