Promessas aos vencedores

“Ao que vencer, Eu lhe concederei que se assente Comigo no Meu trono” (Ap 3.21).

Como tudo depende do significado das palavras “Ao que vencer”, pode ajudar os que não têm conhecimento dessa verdade ou até agora duvidaram dela, ouvir alguns estudiosos competentes no assunto dos vencedores1.

David Morrieson Panton

“Assim como a glória eterna de Cristo, a glória que Ele tinha com o Pai antes que o mundo existisse, Ele a herda como o Filho de Deus, Sua glória milenar descansa em Sua perfeita obediência como homem; por isso, nossa glória eterna repousa unicamente em sermos filhos de Deus, enquanto nossa glória milenar só pode ser alcançada por nossa obediência como servos.”

“A vitória de nosso Senhor, sendo perfeita, alcança uma recompensa que é única; ninguém, homem ou anjo, compartilha com Ele do trono de Deus. ‘Ao que vencer, Eu lhe concederei que se assente Comigo no Meu trono; assim como Eu venci e Me assentei com Meu Pai no Seu trono’ (v. 21). Nosso Senhor venceu para ter o reino milenar, Ele não o herdou. Assim, o prêmio do reino milenar também foi um dos incentivos que inspiraram a vitória de nosso Senhor: “Pelo gozo que Lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus” (Hb 12.2). Os laodicenses, os apóstatas, que se despertarem do sono, que deixarem o ouro terrestre pelo celestial, que se erguerem para o santo, feliz e inabalável serviço – até mesmo os laodicenses podem alcançar a incomparável dignidade, a impressionante maravilha da glória vindoura: na verdade, partilhar do trono de Cristo.”

G. H. Lang

“A exortação ao final de todas as sete epístolas [de Apocalipse] para vencer denota a vitória de uma vida de fé inabalável sobre as tentações e provações e sobre todas as coisas adversas em geral.”

Professor Henry Barclay Swete

“O Filho Unigênito confere a Seus irmãos, na medida em que a filiação deles é já confirmada pela vitória, Seu próprio poder sobre as nações.”

Horatius Bonar

“Ele fala aos vencedores. Embora os dons não sejam salários, eles dependem de vencermos uma batalha. Eles são algo além da mera salvação.”

Professor Moses Stuart

“Esta entronização será concedida a todos os que provarem ser vencedores na luta contra o mundo, a carne e o diabo.”

Steir

“Seguramente é para o reino milenar que, em certo sentido, todas essas promessas apontam: que o poder sobre as nações está aqui estendido, como galardão, àqueles que venceram está muito claro.”

“A colheita é composta por aqueles por quem Cristo venceu, as primícias são aqueles em quem e por meio de quem Ele venceu, bem como venceu por eles.”

A. Champion

“O apóstolo Paulo não tinha nenhuma dúvida sobre seu lugar no corpo principal, pois seu testemunho é claro: ‘Eu sei em quem tenho crido e estou certo de que [Ele] é poderoso para guardar o meu depósito até aquele dia” (2Tm 1.12). Quando, porém, escreveu aos filipenses, disse-lhes que havia uma coisa que ele estava buscando acima de tudo, “o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (3.13), para que ele pudesse, de alguma maneira alcançar a ressurreição extraordinária2 dentre os mortos (v. 11). Ele tinha certeza de ter um lugar na colheita geral, mas não tinha certeza, ainda, de ser uma das primícias como vencedor.”

“Se Pedro, Tiago, João e André precisavam das advertências dadas por nosso Senhor para acautelarem-se, para vigiar e orar (Mc 13.3,5,9,23,33) e para estarem apercebidos (Mt 24.44), é claro que algo mais se requer de nós, além da fé em Cristo para a [eterna] salvação, se quisermos estar maduros o suficiente para as primícias. O ensinamento de que todo aquele que crê está pronto para a vinda do Senhor é um narcótico mortal. Não é de admirar que a Igreja esteja dormindo!”

“Se, por outro lado, vemos que, sendo salvos, há ainda um prêmio a ser ganho pelo qual vale a pena considerar tudo como lixo, então encontramos nele um poderoso estimulante para uma vida santa e vitoriosa em união com nosso Senhor que virá.”

Governantes no milênio, vencedores e tronos

Governantes no milênio

James Black, em suas críticas drásticas à verdade sobre o milênio (Edingburgh Record, jan. de 1925), aponta o dedo – como outros críticos hostis fizeram antes dele – em um ponto fraco do ensino atual sobre o reino de Deus. “Esses mártires (são somente os mártires, lembre-se!)”, diz ele, comentando sobre Apocalipse 20.4, “ressuscitam e juntam-se a Ele [Cristo], reinando com Ele mil anos. As únicas pessoas mencionadas como ‘reinando com Cristo’ são os mártires. Se você interpretar isso literalmente, não há base alguma nessa passagem para toda a elaborada doutrina dos pré-milenaristas, que dizem que eles representam Cristo e todo Seu povo cristão governando este mundo por mil anos.”

Vencedores

É fato que muitos da Igreja sub-apostólica assim entendiam o apóstolo João. Além disso, é verdade que a ênfase extraordinária colocada sobre os mártires deveria ter alertado a Igreja de que a co-realeza com Cristo na era vindoura – distinta do reino eterno após ela – não abrangia, de forma alguma, todos os redimidos como tem sido suposto. Mas também é verdade que esses críticos têm negligenciado a primeira divisão dos tronos quádruplos: (1) vencedores: “E vi tronos; e assentaram-se sobre eles” (Ap 20.4); (2) mártires cristãos; (3) mártires do Antigo Testamento e (4) mártires sob o anticristo. O primeiro grupo, vencedores não necessariamente martirizados, é assim definido por nosso Senhor: “Ao que vencer e guardar até o fim as Minhas obras, Eu lhe darei poder sobre as nações e com vara de ferra as regerá” (2.26,27).

Tronos

“Que objetivo refulgente! ‘E vi tronos.’ Tronos! Não um, mas muitos; não o grande trono branco, erguido em solidão, sem nenhum outro trono perto dele, mas uma grande multidão de tronos, tronos co-iguais. Não um cetro, mas milhões de cetros. Não o exercício independente de autoridade, mas, sim, em dominação associada: há união entre essa confederação de reis celestiais.” (Arthur Augustus Rees).

 

Notas

1 “Nós fazemos bem em lembrar que a consciência do que está em jogo, uma condicional participação no trono, fornece um incentivo de poder extraordinário, enquanto o ensino comum – de que o pior apóstata irá partilhar o trono de Cristo – rouba cada crente deste tremendo impulso.” (D. M. Panton) (N. do E.)

2 No v. 10, Paulo usa a palavra grega anastasis, que significa “ressurreição”, mas no v. 11 a palavra usada é exanastasis, indicando uma ressurreição superior, extraordinária, adicional. (N. do T.)


(Traduzido por Francisco Nunes de “Overcomers”, sem indicação de autor. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob direção de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.