14 min leitura
Nota do tradutor para o português

Desde que esta advertência foi escrita em 1896, e a introdução seguinte foi escrita em 1963, muitas coisas aconteceram, e hoje temos como dizer que o Conselho Mundial de Igrejas (www.oikoumene.org/index.php?id=645&L=5; www.wcc-coe.org/wcc/espanol.html), presidido na época pelo pentecostal David Du Plessis, tornou-se algo ainda mais sério e seus frutos ainda mais suspeitos do que se supunha em 1963… David Du Plessis, amigo de três papas, várias vezes condecorado pelo Vaticano e a quem foi dedicado um memorial no seminário Teológico Fuller, nos Estados Unidos, descendia da mesma família do cardeal Richelieu Du Plessis. Ou seja, um Du Plessis, o cardeal, foi agente de Roma na missão de reunificar a França, influenciou na definição das potências européias e consolidou o que viria a ser o poderio tremendo do reinado de Luis XIV, o Rei Sol, francês; outro Du Plessi pode bem ter sido um agente de Roma infiltrado no meio dos protestantes para brilhantemente articular alianças, aproximações, diálogos que, num futuro não muito distante, serão colhidos numa real e nunca imaginada reunificação de toda a cristandade sob a bênção do Pontifice Máximus.

Realmente vivemos tempos enganadores
Alexandre Rodrigues, tradutor, 08/04/2005

Nota do editor em espanhol


Desde que esta advertência foi escrita em 1896, o clamor pela reunificação da cristandade tem aumentado dentro de círculos cada vez mais amplos, e também tem crescido em volume e intensidade, pela inciativa de líderes religiosos e políticos. A Escritura prediz, efetivamente, que a coalizão será formada e florescerá exteriormente por um tempo, porém está condenada a uma espetacular destruição pelo juízo do Senhor. As solenes advertências de William Kelly de novo brilham com o fervente desejo de que seus leitores evitem todo contato com este esquema ímpio.

A repentina ascensão do chamado “movimento ecumênico”, fomentado pelo modernista e liberal Conselho Mundial de Igrejas, junto com o chamado do papa João XXIII a uma maior tolerância e orações para a reunião conjunta dos corpos católicos e protestantes, fazem com que este artigo seja ainda mais relevante para nossos dias.
Primavera de 1963

O ECUMENISMO: Reunificação ou Juízo contra a Cristandade?

Não há de surpreender a ninguém o fato de que, em uma carta dirigida ao arcebispo de York (em 1896), um experimentado e hábil político da atualidade tenha expressado a esperança daqueles que buscam uma reunificação de toda a cristandade. Alguns não estavam preparados para isso, e estão emocionados e com uma disposição muito respeitosa em relação ao papa, para dizer o mínimo. Sem dúvida, o sr. Gladstone [provavelmente William Ewart Gladstone, três vezes primeiro-ministro da Inglaterra – NR], na realidade, é mais consistente consigo mesmo que com a maioria das questões pendentes das quais ele jamais tratou. A cristandade tem sido sempre um ídolo mimado. Nisto ela ainda não mudou.

Mas se cremos nas Escrituras, a cristandade, se a julgarmos espiritualmente, é uma ruína[1]; e isto é confessado por todos quantos falam segundo a sua consciência. Para início de conversa, o papa reconhece essa ruína em seus multiplos anátemas; e assim também o faz o sr. Gladstone e todos os que aspiram pela “reunificação” ou pretendida restauração da cristandade. Se as coisas fossem segundo Deus, não haveria necessidade de nada disso. Aqueles que sentem a ruína muito mais profundamente confessam os pecados que a causaram e, geralmente, se vestem de pano de saco e cinzas. Por mandamento divino, todos os santos desde o Pentecostes tiveram originalmente uma só comunhão. Podiam ser centenas ou milhares os que creram (Atos 21:20); porém todos eles eram “a igreja de Deus em Jerusalém”, em Antioquia, em Corinto, em Éfeso. Assim era em todas as partes nos tempos apostólicos. Havia, naturalmente, igrejas em distintas províncias ou países (Gálatas 1:2). Porém o Evangelho era então pregado em todas as partes, e o Senhor operava juntamente com aqueles que pregavam (Marcos 16:20; Colossenses 1:6,23). E os crentes por toda a terra eram edificados juntos como “a casa de Deus, a Igreja do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade” (1 Timóteo 2:15).

Segundo um cálculo aproximado da fé cristã, se estima que haja uns 216 milhões de católicos romanos; porém há 137 milhões de anglicanos, luteranos, reformados e outros protestantes, e 97 milhões de gregos ortodoxos ou outros, junto com nestorianos, cóptas, abissínios, etc. [dados da época em que o texto foi escrito – NR]. Há portanto pelo menos um igual número entre os que levam o nome de cristãos tanto dentro quanto fora do catolicismo, ainda que este sozinho contenha um maior número se comparado a qualquer outra denominação sozinha. Porém quanto à unidade, ela não existe. Pode alguém ainda vacilar diante desses fatos? É igualmente certo que a santa unidade na verdade deveria sempre ter sido uma realidade, mas há séculos cessou de existir. A pretensão de unidade, portanto, se demonstra agora que é falsa, e a ausência desta unidade uma prova certa da ruína[1].

A universalidade da Igreja visível é um sonho orgulhoso. E se a sucessão apostólica, no sentido histórico, tivesse de ser levada em conta, é claro que Roma não pode rivalizar com as igrejas orientais, as quais, plantadas por um ou outro apóstolo, foram dirigidas por João [o apóstolo], o último. Roma nunca teve apóstolos, salvo como prisioneiros ou para morrer; a assembléia em Roma não foi plantada nem governada por nenhum deles. A respeito disto a Escritura é decisiva.

Muito se argumenta, de maneira humana, a favor da sucessão apostólica. Porém o que confronta o crente, de um extremo ao outro da Escritura, é a vaidade e a queda do ser humano, sem importar quanto, onde ou como Deus o tenha provado, sem importar quais tenham sido os privilégios conferidos ao homem. Assim ocorreu com Adão, com Noé, com Abraão, com Moisés, com Arão e com Israel; com Saul, com Davi e com Salomão; com Nabucodonosor ou com qualquer outro dos gentios. Em nada Deus fracassou; pelo contrário, Deus sustentou a fé, apesar do fracasso dos Seus. Sem dúvida, o homem, sob cada uma das provas, fracassou. Entretanto, Deus tinha por alvo o Segundo Homem, o qual não só permaneceu em perfeição, como, por fim, manifestará em forma gloriosa os títulos que o primeiro homem e sua descendência puseram a perder: O Último Adão, o Primogênito de toda a Criação, o Governador da terra, a Semente da mulher e da Promessa, Sacerdote em Seu trono, Rei em Sião, Filho do Homem a quem todos os povos, nações e línguas servirão no século e terra habitáveis vindouros.

Porém, não é a igreja uma exceção à lei do fracasso e da miséria do homem? De modo algum! Por isso, está a solene advertência (que o grande apóstolo da incircuncisão faz de forma notável precisamente aos santos de Roma, no capítulo 11) de que não sejam sábios em sua própria opinião: “Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos” (Rm 12:16).

Se o gentio que professa a fé cristã não continuou na bondade de Deus, “tu também serás cortado” – Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas para contigo, benignidade, se permaneceres na sua benignidade; de outra maneira também tu serás cortado (11:22) – da mesma maneira como havia sido cortado o judeu. Haverá alguém tão cego, tão duro e tão soberbo para dizer que a cristandade “tem permanecido na bondade” de Deus? Poderia afirmar isto o papa da metade dos batizados? Isso diriam os protestantes da maioria católica? Dirão isto os piedosos anglicanos de sua própria comunidade? Acaso um dissidente que teme a Deus insistirá que sua sociedade, ou qualquer outra, não é culpável? Mas, se for assim, [os homens não têm permanecido na bondade de Deus], então, a Escritura (sem uma só palavra amenizadora em nenhuma outra passagem, e com muitas e ainda mais solenes advertências em outras passagens) sentencia inexoravelmente: “Tu também serás cortado” (Rm 11:22).

A cristandade, mãe e filhas (Apocalipse 17:5) caem debaixo da sentença universal. Os caminhos de Deus com os fiéis nunca mais fracassarão; o propósito de Deus será estabelecido em Cristo e na Igreja nos céus além de todo poder do inimigo. Porém o gentio não tem nenhuma diferença com respeito ao judeu no que diz respeito a responsabilidade de confessar sua fé na terra. A única exceção é o Senhor Jesus, o qual porá isto em execução, assim como todos os demais desígnios de Deus no dia vindouro. Ele – não o papa – é a Cabeça do Corpo, a Igreja; Ele, que é o Princípio, o Primogênito de entre os mortos (porque nesta condição, e não meramente como encarnado, é que teve início Seu relacionamento [redentor] com a Igreja) para que em tudo tenha a preeminência – E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência (Cl 1:18).

“Que ninguém vos engane de nenhuma maneira.” Como assegura o apóstolo, o dia do Senhor não virá sem antes vir a apostasia (não a “reunificação”, mas sim a apostasia, a menos que ambas as coisas se unam simultaneamente), e tenha sido revelado o homem do pecado, o filho da perdição (2 Tessalonicenses 2). Aqueles que, com Martinho Lutero, João Calvino, John Knox, com Cranmer, Jewel e Parker, com Richard Baxter, Howe e John Owen, crêem que o catolicismo romano é a apostasia, e que o papado é o homem do pecado, deveriam lamentar profundamente que o velho estadista se incline ante o papa Leão XIII, e desaprovar aquelas coisas que o poder por detrás do Vaticano exigirá em seu infalível orgulho e a sempre vigilante sede de domínio universal por intermédio de seu chefe. Porém, se bem que é pura incredulidade duvidar que Roma seja a prostituta do Apocalipse, podemos fazer um ainda mais ousado prognóstico com respeito ao disputado tema dos batizados – que incluirá o papado, o protestantismo bem como os judeus – que resultará em uma mais completa apostasia, e na exaltação do Iníquo, a quem o Senhor destruirá pelo resplendor de Sua vinda, e que assim introduzirá os dias do céu na terra, já que somente Ele é capaz e digno de fazê-lo e foi designado de antemão para isto.

Com isso concordam todas as profecias do Novo Testamento bem como as do Antigo. O joio (Mateus 13) arruinou a plantação. Porém não se assegura nenhuma solução até que o Filho do homem julgue na consumação do século (13:27-43). Como nos dias de Noé e de Ló, assim será quando o Filho do homem for revelado (Lucas 17): não haverá a reunificação, mas sim o juízo dos vivos. A Primeira Epístola a Timóteo 4 e, ainda com mais força, 2 Timóteo 3, provam que a cristandade não continuou na bondade de Deus, e, por isso, se faz necessário cortar fora (Romanos 11). E que querem dizer 2 Pedro 2, 1 João e o Apocalipse? Também 1 Pedro 4:17 declarou que vem o tempo em que o juízo começará pela casa de Deus.

Os indivíduos podem ser livrados pela graça. Porém o mal em seu conjunto, outrora insinuado, seguirá piorando até que chegue o juízo divino, que, seguramente está perto, assim como o Senhor está preparado para julgar os vivos e os mortos. A esperança de uma reunião da cristandade não só carece de total apoio escriturístico, como também é contrária ao testemunho unânime do Senhor e de Seus apóstolos. Esta esperança surge da vontade do homem caído, que primeiro se aparta da vontade de Deus e em seguida passa por alto ou diretamente se opõe a Sua Palavra, não abandonado jamais a vã confiança no homem. Os profetas declaram que Deus em Sua soberana graça restaurará a Israel. O Novo Testamento é igualmente explícito em afirmar que Ele não restaurará, mas destruirá a Babilônia dos gentios.

Como pode um homem sóbrio esperar que aquela que “diz em seu coração: Eu estou sentada como rainha, e não sou viúva, e não verei pranto” (Apocalipse 18:7) abandone seu espúrio trono e se ajoelhe no pó em arrependimento? E mais especialmente nesse tempo quando erigiu uma mulher impecável e um homem infalível como seus novos bezerros de ouro?

Acaso ela “em sua fronte” se ruboriza por adorar, de uma ou outra forma, a virgem e aos anjos, aos ossos e as roupas de defuntos, o crucifixo e a hóstia? Acaso está ela envergonhada de um sacerdócio celibatário com sua confissão auricular e outros horrores diretos e indiretos? Acaso repudia ela sua pretendida transubstanciação e sua real inimizade em relação à leitura das Escrituras? Acaso Roma tem-se livrado desta mentira em sua mão direita: a missa? Por sua própria declaração, a missa “é um sacrifício propiciatório pelos vivos e pelos mortos”. Isso, segundo a Escritura, seria um sacramento, não da remissão de pecados (como a ceia do Senhor anuncia), mas sim de sua “não-remissão”. Não é a missa um sacrifício que admitidamente continua dia a dia, com exatamente a mesma prova de ineficácia que caracterizava os sacrifícios judeus, aos quais a Epístola aos Hebreus põe em contraste com “a oferta do corpo de Jesus Cristo feita de uma vez por todas” (Hebreus 9; 10) e com seus resultados atuais para o crente? “Pois onde há remissão dos pecados não há mais oferta pelo pecado” (10:18). É isso que o evangelho proclama, e o que a missa contradiz. Esta última é “um evangelho diferente”, que também é outro (Gálatas 1:6,7).

Que, pois, pode alguém pensar do fato de que os anglicanos estejam ouvindo Roma, quando seus próprios “Artigos de fé da Religião” declaram que “os sacrifícios das missas (…) são fábulas blasfemas e enganos perigosos” (artigo 31), e que “a igreja de Roma tem errado, não somente quanto à vida e às cerimônias mas também em matérias de fé” (artigo 19)? As alterações profundas e progressivas que se foram levando a cabo no último meio século dentro do corpo anglicano não têm sido um retorno, não “ao que era no princípio”, mas sim aos ritos e doutrinas da cristandade “não reformada” no Oriente e no Ocidente? Não foi isso que levou o sr. Gladstone a redigir essa retrógrada carta?

Se você valoriza as Escrituras, se se ajusta ao Evangelho, se possui a redenção que é em Cristo Jesus, se honra ao Filho assim como honra ao Pai, se sabe que, corporativamente, você é templo de Deus e seu corpo, templo do Espírito Santo, guarde-se de toda reunificação com a “cidade da confusão”, condenada à destruição, tão certamente como “Deus é verdadeiro”. Guarde-se inclusive de olhar para trás, para que não aconteça de se converter em uma estátua de sal. Porque Deus não se deixa escarnecer (Gálatas 6:7) e o Senhor poder se “irritar” (1 Coríntios 10:22).

Traduzido, por Alexandre Rodrigues da versão espanhola do original THE JUDGMENT, NOT REUNION, OF CHRISTENDOM

NOTAS

[1] N. do T.: Para um detalhado estudo sobre “a ruína da cristiandade”, veja o artigo de J. N. Darby, em espanhol A RUÍNA DA IGREJA em relação à sua responsabilidade na terra.

Quem sabe inglês pode baixar os extensos comentários críticos de William Kelly à Carta encíclica do papa Leão XIII sobre a unidade da igreja: ENCYCLICAL LETTER OF POPE LEO XIII. ON THE UNITY OF THE CHURCH, por W. Kelly, Junho 29 de 1896

Como comprovação dos fatos apresentados por Kelly, especialmente sobre a aproximação entre o anglicanismo e o catolicismo, o tradutor recomenda a leitura deste artigo contemporâneo entitulado A Estranha Morte da Inglaterra Protestante.

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.