8 min leitura

A Bíblia é o livro mais vendido de todos os tempos. Impressionantes 100 milhões de exemplares são impressos a cada ano [nos EUA], e estima-se que, no mundo inteiro, quase 8 bilhões sejam impressos. O texto da Bíblia já foi publicado em 450 línguas diferentes, o Novo Testamento, em 1.400 idiomas, e o Evangelho de Marcos, em 2.370 línguas. E esses números não incluem as muitas versões digitais da Bíblia que milhões de pessoas vêem online. Claramente esse é um livro em que as pessoas estão interessadas – e seu fascínio parece continuar crescendo.

A Bíblia é um livro que faz grandes reivindicações e promessas. Ele diz que é uma mensagem de Deus – uma revelação do tipo mencionado anteriormente, que fala Dele mesmo e de Seus propósitos para nós. E ela declara que isso tem valor e relevância duradouros, como explicado em Isaías 40.8: “A erva seca e as flores murcham, mas a palavra de nosso Deus permanece para sempre”.

Ela tem sido chamado de Manual do proprietário para as pessoas – um livro escrito por inspiração de nosso Criador como um guia para nos ajudar a viver de uma forma que O honre e que opera para nosso próprio bem. Segunda Timóteo 3.16 explica: “Toda a Escritura é … útil para nos ensinar o que é verdade e para nos fazer perceber o que está errado em nossas vidas. Ele nos corrige quando estamos errados e nos ensina a fazer o que é certo. ”

O problema é que há uma série de outros livros religiosos que também reivindicam ser inspirados por Deus. O que diferencia a Bíblia, dando-nos a confiança de que ela realmente é o que afirma ser – revelação de Deus – e que só ela “corrige-nos quando estamos errados e nos ensina a fazer o que é certo” da melhor forma?

Muito poderia ser dito em resposta a essa pergunta, mas aqui está um breve resumo de alguns dos atributos únicos da Bíblia:

Consistência

Mesmo que ele tenha sido escrita ao longo de um período de 1.500 anos por mais de quarenta autores, em [três] diferentes línguas, e trate de centenas de temas, ela exibe uma uniformidade misteriosa em sua mensagem. Esse nível de consistência é dificilmente alcançado dentro de um livro de autor único, mas quando você adiciona a complexidade de vários escritores, de vários países, em vários idiomas, ao longo de vários séculos, lidando com vários problemas e situações, as incríveis coesão e mensagem unificada da Bíblia são nada menos do que surpreendentes.

Confiabilidade histórica

O registro do Antigo Testamento sobre a atividade de Deus no mundo e entre Seu povo tem sido confirmada mais e mais pela história secular e por descobertas arqueológicas.

Os relatos na Bíblia, e em particular os do Novo Testamento, são principalmente baseados em testemunho direto, ocular. Como o apóstolo João escreveu: “O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos tocaram-presente proclamamos” (1Jo 1.1). Outras partes foram compiladas por escritores que interagiram com as testemunhas oculares.

Isso inclui historiadores cuidadosos e conscienciosos, como Lucas, que fez questão de explicar sua metodologia de pesquisa no início da biografia de Jesus que escreveu: “Muitas pessoas têm a intenção de escrever relatos sobre os eventos que se cumpriram entre nós. Eles usaram os relatos de testemunhas que circulam entre nós desde os primeiros discípulos. Tendo cuidadosamente investigado tudo desde o começo, eu também decidi escrever um relato cuidadoso. . . assim você pode estar certo da verdade de tudo o que foi ensinado ” (Lc 1.1-4).

Além disso, o Novo Testamento é confirmado em vários pontos por antigos historiadores judeus, gregos e romanos, bem como discípulos de segunda geração que afirmaram a exatidão dele tanto em termos de autoria como de conteúdo.

Superioridade textual

A típica escrita antiga não-bíblica tem um número muito pequeno de cópias manuscritas sobreviventes, e a maioria delas data de centenas de anos depois que o documento original foi escrito.

Um bom exemplo é As guerras gaulesas de César, do qual temos apenas dez cópias manuscritas sobreviventes, a mais antiga delas datando de mil anos após o original ter sido escrito. Outro exemplo são os escritos de Tácito, dos quais temos um total de cerca de vinte cópias integrais ou parciais, com um intervalo de tempo entre os escritos originais e as primeiras cópias de 1.100 anos. No entanto, essas obras históricas ainda são consideradas essencialmente confiáveis.

Sendo esse o caso, quando considera que do Novo Testamento há 5.700 manuscritos ou cópias manuscritas parciais somente em grego (e cerca de 20.000 mais em outros idiomas), e que o mais antigo fragmento dista algumas décadas de escrita original, você começa a entender que simplesmente não há comparação entre ela e outras obras da antiguidade e que a Bíblia que lemos hoje é uma cópia exata dos escritos originais.

Verificabilidade arqueológica

Literalmente milhares de detalhes na Bíblia, incluindo referências a pessoas, lugares e eventos específicos, têm-se mostrado exatos graças a escavações arqueológicas e estudo modernos.

Sir William M. Ramsay, da Universidade de Oxford, um dos grandes arqueólogos do século passado, começou como um cético convicto, duvidando de muitos detalhes registrados no Novo Testamento. Especificamente, ele pensava que Lucas era tolo em sua narrativa, porque ele citou muitos nomes, locais e datas específicos. Essas afirmações seriam fáceis de verificar e de refutar, considerando, como Ramsay fez no início, que não eram realmente verdade. Mas, ao longo de trinta anos de estudo, pesquisa e escavação, Ramsay cada vez mais percebeu que os escritos de Lucas, tanto no Evangelho quanto em Atos, eram registros precisos dos eventos e detalhes que relatavam. Mais tarde, ele resumiu suas descobertas desta maneira: “Lucas é um historiador de primeira categoria […] Esse autor deve ser colocado junto com os maiores historiadores”.

Além disso, o renomado arqueólogo Nelson Glueck, que uma vez foi destaque na capa da revista Time por causa de seu extraordinário trabalho, concluiu: “Nenhuma descoberta arqueológica jamais contradisse uma única referência bíblica.” Nenhum outro “livro sagrado” a não ser a Bíblia tem sempre ganho tal apoio esmagador e afirmação, ou nos deu tantas razões para estarmos confiantes em sua integridade quando o lemos.

Atividade sobrenatural

A Bíblia nos dá uma poderosa evidência de que foi sobrenaturalmente inspirada: por meio de inúmeras profecias detalhadas que foram registradas previamente e, então, cumpridas séculos mais tarde; por meio do registro de milagres feitos por uma série de profetas do Antigo Testamento, bem como por apóstolos do Novo Testamento, especialmente pelo próprio Jesus (incluindo os realizadas na presença de céticos e os oponentes que nunca contestaram sua autenticidade).

Há também a clara “percepção da verdade” que inúmeros leitores têm afirmado ao longo dos séculos. Eles relatam que, ao lerem a Bíblia, ela fala à situação exata que estão passando, fazendo-os sentir como se Deus estivesse falando diretamente a eles.

É uma observação interessante, uma vez que a Bíblia diz, em Hebreus 4.12: “Porque a palavra de Deus é viva e poderosa. É mais preciso que o mais acentuado espada de dois gumes, cortando entre alma e espírito, entre conjunta e medula. Ela expõe nossos pensamentos e desejos mais íntimos”.Além disso, Jesus nos disse, em João 10.27: “Minhas ovelhas ouvem a minha voz.; Eu as conheço, e elas me seguem”.

Autoridade espiritual

As verdades escritas na Bíblia, quando aceitas e vividas por pessoas comuns, têm impactado milhões de vidas ao longo dos milênios – a minha é uma delas .

Além disso, quase todos os grandes avanços na civilização ocidental surgiram porque as pessoas lêem a Bíblia, crêem nela e colocam em prática sua mensagem.

Sua influência positiva é inigualável na história da humanidade. Grandes movimentos sociais, como a abolição da escravatura, direitos civis, direitos das mulheres, santidade de vida, cuidado com os pobres e o Estado de direito em lugar de tirania ditatorial, foram energizados por aqueles que se firmaram em ensinamentos bíblicos.

Estas são apenas algumas das inúmeras razões pelas quais podemos confiar na exatidão da Bíblia como uma fonte fidedigna de sabedoria e de verdade para nós hoje.


(Traduzido por Francisco Nunes de “Is The Bible Really Accurate?” Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria, tradução, revisão e fonte e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.