Ícone do site Campos de Boaz

Cartas de Samuel Rutherford (14)

6 min leitura

Para Earlston (o Jovem) [1]

Aberdeen, 1637

Sofrimentos

Que a graça, a misericórdia e a paz estejam contigo.

Eu desejo muito ter notícias tuas. Eu ainda permaneço um prisioneiro da esperança, e julgo ser um serviço para o Senhor esperar com calma e submissão, até que a aurora do Senhor rompa e Seu amanhecer de verão surja. Pois estou persuadido: é parte da tarefa principal de nossa vida Deus ter-nos enviado por alguns anos a esta terra, entre demônios e homens, às marcas de fogo do diabo e às tentações, para que soframos por um tempo aqui entre os nossos inimigos. De outra forma, Ele faria o céu nos esperar logo que saíssemos do ventre, e teria nos levado para o lar em nosso país, sem nos deixar colocar os pés nesta vida complicada e cheia de espinhos.

Mas, estando conscientes de que o sofrimento é cinzelado em cada um de nós – em uns, mais, em outros, menos –, de acordo com o que a Infinita Sabedoria pensa ser bom, nossa parte é endurecer e habituar essa nossa natureza de pele fina a suportar o fogo e a água, os demônios, os leões, os homens, as perdas, o coração triste, como pessoas que são observadas por Deus, anjos, homens e demônios.

Oh, que loucura é sentar e chorar sobre um decreto divino que é mudo e surdo a nossas lágrimas, e que deve permanecer quieto e inamovível como o Deus que o fez! Pois quem poderia vir após nosso Senhor, a fim de alterar ou melhorar o que Ele decretou e fez? Teria sido melhor fazer janelas em nossa prisão, e olhar para Deus e para o nosso país, o céu, e gritar como homens acorrentados que ardentemente desejam o ar livre de rei: “Senhor, venha o Teu reino; oh, venha o Noivo! E oh, dia! Oh, belo dia, oh, infindável dia de verão, amanheça e brilhe, surja de sob o negro céu e brilhe!”

Esperança do livramento final

Estou persuadido de que, se a cada dia uma pequena pedrinha das paredes da prisão é quebrada, pelo que a certeza é dada ao prisioneiro acorrentado, que está deitado sob vinte pedras de ferro sobre os braços e as pernas, que, por fim, sua cadeia deva se quebrar em dois pedaços, e que um buraco seja, por fim, feito amplo o suficiente para ele sair em segurança para a sua tão desejada liberdade, pela qual esperou pacientemente, até que o tempo abrisse um buraco na parede da prisão e quebrasse suas correntes.

Os prisioneiros esperançosos do Senhor, sob suas provações, estão neste caso: anos e meses tirarão aos poucos as pedras desta casa de barro e, por fim, o tempo abrirá a largura de uma bela porta liberando a alma aprisionada para o ar livre no céu; e o tempo irá retirar, um por um, nossos parafusos de ferro que agora estão nos braços e nas pernas e ultrapassar e desgastar as amarras de nossos problemas, desgastando-as até que se tornem nada; porque o que sofri ontem, eu sei, nunca mais voltará a me perturbar.

Oh, que respiremos nova esperança, e nova submissão, cada dia, no colo de Cristo! Pois certamente, um peso de glória, bem pesado, sim, crescendo para um peso mais excedente e eterno, recompensará tanto o peso como o comprimento de cruzes leves e fugazes. Nossas águas não passam de marés vazantes, que não chegam ao nosso queixo, nem tomam nosso fôlego. Eu posso ver (se tomar emprestado os olhos de Cristo) a terra seca, e de perto; por que, então, não haveríamos de rir da adversidade, e desprezar as tentações que nascem e logo morrem?

O crente em segurança

Eu me regozijo na esperança a ser revelada, pois não é incerta a glória que procuramos.

Nossa esperança não está firmada em fios soltos, tais como: “Eu imagino que”, ou: “É provável que”; mas o cabo, a forte corrente de nossa âncora firme, é o juramento e a promessa Daquele que é a verdade eterna. Nossa salvação está amarrada pelas próprias mãos de Deus, e com a força do próprio Cristo, ao pilar da natureza imutável de Deus. “Eu, o Senhor, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos” (Ml 3.6).

Nós podemos brincar, e dançar e saltar em cima da Rocha digna e inamovível; o solo é bom e firme, e subsistirá aos ataques do inferno e do mundo.

Oh, que nossa fé sobreviva, contra os ventos e as ondas altas e orgulhosas, quando nossos mares parecerem estar todos em chamas! Oh, como eu me deixo levar freqüentemente! Eu sou posto a nadar quase afundando. Eu acho que o diabo tem a vantagem do terreno nessa batalha, pois luta em terreno conhecido: em nossa natureza corrupta. Pobre de mim! Ela é uma amiga parente dele, de sangue próximo, e não deixará de cair sobre nós. E, conseqüentemente, Ele que salva ao extremo, e leva muitos filhos à glória, ainda está defendendo minha salvação.

Dependência em Cristo para a perseverança

Vinte vezes por dia eu embaraço o meu céu, e aí tenho de chegar a Cristo com meu trabalho todo embaraçado para preocupá-Lo (como se pudesse) a fim de que Ele o desembarace; e procurar de novo o final certo da linha, e dobrar novamente minha glória eterna com as mãos Dele e dar uma palmada apropriada de Sua mão santa e graciosa à minha salvação arruinada e estragada.

Certamente é penoso cuidar para que uma criança tola não caia e fira o supercílio, e que chore por esse ou aquele brinquedo, ou que corra descuidada, ou pegue doenças infantis. E, antes que essa criança passe por tudo isso, ela precisa de muito cuidado e preocupação de seus cuidadores por causa de uma multidão de pequenas coisas. E assim é um crente: um trabalho penoso e um novelo embaraçado (como costumávamos dizer) para Cristo. Mas Deus seja louvado, pois a muitas salvações estragadas e a muitos novelos embaraçados Cristo consertou, desde que Ele passou a ser preceptor da humanidade perdida.

Oh, o que nós, crianças, faríamos sem Ele! Logo iríamos arruinar tudo! Mas, quanto menos peso sobre nossas pernas fracas e mais peso sobre Cristo, a Rocha forte, melhor para nós.

É bom para nós que Cristo sempre tenha tomado o estorvo de nós; é nosso céu poder colocar os muitos pesos e cargas sobre Cristo, fazer Dele tudo o que temos, da raiz ao topo, começando e terminando nossa salvação. Senhor, segura-nos aqui.

[1] Earlston, o Ancião e o Jovem (Alexander Gordon), descendentes da casa de Gordon de Lochinvar, que foi influenciado pelos ensinamentos de John Wycliffe. A casa de Earlston ficava perto de Carsphairn nas ilhas de Kirkcudbright. Alexander Gordon foi um presbiteriano convicto que compareceu perante o Tribunal da Alta Comissão em defesa de seus princípios (1635). Ele foi multado pesadamente. Mais tarde, ele representou Galloway no Parlamento Escocês. Seu filho mais velho, que herdou a propriedade da família em 1655, foi morto em 1679 enquanto dava assistência à causa da Aliança.

 

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Sair da versão mobile