5 min leitura

Para William Gordon, de Kenmure [1]

Aberdeen, 1637

Testemunho para Cristo

Graça, misericórdia e paz estejam contigo.

Há muito tenho desejado responder a tua carta, que chegou em boa hora. É meu alvo e desejo do coração que meu fogo, aceso pelo Senhor, ateie-se também nos que estão por perto para aquecer-lhes o coração com o amor de Deus. Até a poeira que cai dos pés de Cristo, Seus velhos andrajos, Sua cruz negra e nodosa, são para mim mais doces do que as coroas de ouro dos reis e seus prazeres consumidos pelo tempo. Eu seria um mentiroso e uma falsa testemunha se não desse a meu Senhor Jesus, com toda a minha alma, um testemunho justo.

Minha palavra, eu sei, não O exaltará; Ele não necessita de tais adereços sob Seus pés para elevar ainda mais alto Sua glória. Mas, oh!, como eu gostaria de exaltá-Lo à altura do céu, e da largura e do comprimento de dez céus, na estimativa dos jovens que O amam! Pois todos nós concebemos Cristo estreito e pequeno demais, e concebemos Seu amor, com nossos próprios conceitos, de modo muito indigno dele. Oh, se os homens pudessem compreender a beleza e a formosura Dele! Eles desistiriam de brincar com os ídolos, nos quais não há lugar para o amor de uma alma se expandir. O amor do homem é de coração faminto por roer ossos descarnados e sugar peitos secos.

É bem merecido que os ídolos queiram quem não venha a Ele, Ele que tem um mundo de amor e bondade e recompensas para todos. Nós procuramos descongelar o coração na fumaça fria das criaturas de curta duração, e nossa alma não consegue nem calor, nem vida, nem luz, pois essas criaturas não nos podem dar o que não têm em si mesmas.

Oh, se pudéssemos passar por esses espinhos e por essa multidão de amantes bastardos, e ser tomados de paixão por Cristo! Nós iríamos encontrar firmeza e um lugar, e uma doce calma no Senhor para nossa alma cambaleante e tola. Eu quero que esteja em meu poder, depois deste dia, depreciar todo tipo de amor, exceto o amor de Cristo, e acabar com todos os deuses, exceto Cristo, todos os salvadores, exceto Cristo, todos os bem-amados, exceto Cristo, e todos os pretendentes de almas e mendigos do amor, exceto Cristo.

Marcas da graça na convicção do pecado e no conflito espiritual

Tu reclamas que queres uma marca do trabalho sadio da graça e do amor em tua alma. Como resposta, considera, para tua satisfação (até que Deus te mande mais), 1João 3.14. E, quanto às tuas reclamações de apatia e dúvidas, Cristo irá, espero, tirar tua apatia e a ti, junto. Eles são corpos cheios de buracos, de furúnculos e de ossos quebrados que precisam da cura que Cristo, o Médico, pode assumir; os vasos inteiros não servem para a arte do Mediador. Os publicanos, os pecadores, as prostitutas, mulheres da vida são os artigos de mercado para Cristo.

A única coisa que trará os pecadores a um molde dos braços acolhedores de Cristo é aquilo sobre o que tu escreves: algum sentimento de morte e pecado. Isso traz murmurações, e, sem sentido, murmuram mais, e ficam mais acostumados com câimbras, dores e desfalecimentos da alma que te incomodam. Quanto mais dor, mais noites sem dormir, mais febre, tanto melhor. Uma alma que sangra de verdade, até que Cristo seja solicitado e que clame por Cristo com toda urgência para vir e estancar o sangue e fechar a ferida com Sua própria mão e com Seu bálsamo, tem uma doença muito boa, quando muitos estão morrendo com um coração íntegro. Assim, todos nós temos muito pouco das dores do inferno e de seus terrores. Não, que Deus me envie tal inferno porque Cristo prometeu fazer dele um céu!

Ai de mim, eu ainda não cheguei nesse ponto, como para dizer: “Senhor Jesus, grande e soberano Médico, aqui está um paciente de dores para Ti.”

Mas o que nós mal interpretamos é a falta de vitória. Nós achamos que essa é a marca de quem não tem a graça. Não, digo eu; a falta de luta é que é a marca de quem não tem a graça; mas eu não direi que a falta de vitória seja essa marca. Se meu fogo e a água do diabo crepitam como um trovão no ar, eu sou o que menos teme; porque onde há fogo, essa é a parte de Cristo, que eu entrego a Ele e confio Nele para manter a brasa, e peço ao Pai que minha fé não falhe, se eu, enquanto isso, estiver lutando, e fazendo, e brigando e lamentando. Pois a oração não colocou para fora logo de início o demônio de Paulo (o espinho na carne, mensageiro de Satanás); mas nosso Senhor usa isso para testar a cada um, e deixou Paulo se defender, com a ajuda de Deus, moderando o jogo.

E fazes bem em não duvidar, se o alicerce for firme, mas certifica-te se é, de fato, assim; porque há uma grande diferença entre duvidar que temos a graça e testar se temos a graça. O primeiro pode ser um pecado, mas o último é bom.

Nós ficamos perdidos quando tentamos nos libertar de Cristo e de Sua obra. O temor santo é a procura do campo em que não haja inimigo no nosso íntimo para nos trair, e a visão de que tudo esteja firme e seguro. Porque eu vejo muitos vasos que vazam ante o vento, e crentes professos que tomam confiadamente a conversão daqueles, e aqueles vasos seguem seguros, e não vêem o que está sob as águas, até que uma tempestade os naufrague. Todo homem necessita duas vezes por dia, ou mais, ser examinado completamente, e sondado com velas [2].

 


[1] William Gordon, de Kenmure. Nada se sabe sobre essa pessoa.

[2] No sentido de uma luz próxima, que permita ver detalhes. Nos anos 1600, em que viveu Rutherford, velas eram o máximo que havia de luz para iluminar uma área pequena, específica.

 

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Traduzido por Luiz Alcântara de The letters of Samuel Rutherford (1600–1661), p. 16. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.