2 min leitura

Para James Hamilton [1]

Aberdeen, 7 de julho de 1637

O sobrecarregado devedor de Cristo

Quanto a qualquer coisa que eu faça em minhas cadeias, quando vez por outra sai de mim uma palavra – pobre de mim! –, é muito pouco. E fico muito entristecido que alguém pense que possa existir algo neste caniço quebrado e vazio. Que ninguém impute a mim que o vento da graça, não comprado (pois nada dei por Ele), sopre neste caniço vazio. Eu sou um sobrecarregado devedor. Eu grito: “Abaixo comigo; abaixo, abaixo com toda a excelência do mundo; e exaltado, exaltado seja Cristo!” Exaltado, exaltado Aquele que é belo, aquele que é Santo, nas alturas! Maldição esteja sobre os que não O amam.

Oh, como eu ficaria feliz se Sua glória crescesse e fluísse de minhas cadeias e de meus sofrimentos!

Certamente, quando me tornei Seu prisioneiro, Ele ganhou a gema e o coração de minha alma. Cristo até se tornou um novo Cristo para mim, e Seu amor ainda mais viçoso do que era. E agora eu não luto mais com Ele; Seu amor levará tudo isso embora. Eu me coloco sob Seu amor. Eu desejo cantar e bradar e proclamar, mesmo debaixo d’água, que estou em débito com Ele e sou eternamente devedor de Sua bondade. Eu nada oferecerei para estar quites com Ele (como costumávamos dizer), porque não será assim. Tudo, tudo para sempre seja de Cristo! Quais outras provações virão a mim, eu não sei, mas eu sei que Cristo fará de mim uma alma salva, lá do outro lado das águas, no lado além das cruzes, e além dos erros dos homens.


[1] James Hamilton, ministro do evangelho no Condado Down, na Irlanda do Norte. Por causa da perseguição, ele partiu para a Nova Inglaterra, porém tempestades o forçaram a retornar. Ele foi ministro em Dumfries e, mais tarde, em Edimburgo. Ele foi um homem “ousado pela verdade”.

 

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Traduzido por Luiz Alcântara de The letters of Samuel Rutherford (1600–1661), p. 17. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.