5 min leitura

Para Robert Blair [1]

Aberdeen, 7 de fevereiro de 1637

Os por vezes misteriosos arranjos de Deus

Não é de se espantar, meu caro irmão, que tu andes ansioso por algum tempo, e que a vontade de Deus (cruzando teu plano e teus desejos de morar entre um povo para quem Deus é o Senhor) deverá fazer com que mudes. Eu não nego isso, porém tu tens razões em procurar saber o que a Sua providência fala a ti quanto a isso; mas a vontade de Deus que te direciona e comanda pode, não mediante a boa lógica, ser compreendida mediante os eventos da providência. O Senhor enviou Paulo a muitas viagens com o propósito específico de espalhar Seu Evangelho, nas quais ele encontrou leões em seu caminho. Uma promessa havia sido feita ao Seu povo na Terra Santa, porém os israelitas encontraram muitas nações que lutaram contra eles e estavam prontas a matar os que tinham a promessa, ou a impedi-los de possuir a boa terra que o Senhor, seu Deus, lhes havia dado.

Sei que tu és muito submisso ao Espírito; porém, convenço-me que aprendeste, em cada situação em que és colocado, a estares contente e a dizeres:

“Boa é a vontade do Senhor; que ela seja feita.”

Eu creio que o Senhor muitas vezes lança um barco na água para encontrar-se com o vento, e Ele tem como propósito trazer misericórdia por meio de teu sofrimento e pelo silêncio, o qual (sei disso por minha própria experiência) é muito doloroso para ti. Vendo que Ele conhece nossa mente disposta a servi-Lo, nossa paga, nossa recompensa está mais à frente com nosso Deus, mesmo que alguns soldados doentes sejam pagos quando estão acamados e não podem ir a campo com os outros. “Israel não se deixará ajuntar; contudo aos olhos do Senhor serei glorificado, e o meu Deus será a minha força” (Is 49.5). E nós devemos crer que assim será antes que tudo termine. “‘A violência que se fez a mim e à minha carne venha sobre Babilônia’, dirá a moradora de Sião; e ‘o meu sangue caia sobre os moradores da Caldéia’, dirá Jerusalém” (Jr 51.35).

“Eis que eu farei de Jerusalém um copo de tremor para todos os povos em redor, e também para Judá, durante o cerco contra Jerusalém. E acontecerá naquele dia que farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a carregarem certamente serão despedaçados; e ajuntar-se-á contra ela todo o povo da terra” (Zc 12.2,3). Quando nos tiverem comido e engolido, eles terão náusea e nos vomitarão vivos novamente; o estômago do diabo não pode digerir a Igreja de Deus.

O sofrimento é a outra metade de nosso ministério; contudo, a mais difícil. Pois ficaríamos satisfeitos se nosso Rei Jesus fizesse uma proclamação aberta, e derrubasse as cruzes, e exaltasse o gozo, a alegria, a tranqüilidade, a honra e a paz. Mas não pode ser assim. Por meio de muitas aflições é que entraremos no reino de Deus (At 14.22b). Não somente por meio delas, mas passando através delas deveremos ir, e as artimanhas não nos pouparão a cruz. É loucura pensar que entraremos furtivamente no céu, com a pele íntegra.

Ofereceram-me objeções a meu Senhor, e fui sacudido por desafios sobre se Ele me amava ou não, e por frequentes debates sobre tudo o que Ele fez por mim, porque Sua Palavra era um fogo preso em minhas entranhas, e eu estava cansado de controlar-me porque eu disse que tinha sido lançado fora da herança do Senhor. Mas agora vejo que fui um tolo. O Senhor não levou em conta nada disso e suportou meus tolos ciúmes, e não levou em conta que ofendi Seu amor.

E agora Ele voltou com misericórdia sob Suas asas. Eu fui além de minha (Oh, insensatez!) convocação. Ele é Deus, eu sei, e eu sou homem. Agora agradou-Lhe renovar Seu amor à minha alma e favorecer Seu pobre prisioneiro. Portanto, meu irmão, ajuda-me a louvar, e mostra ao povo do Senhor perto de ti o que Ele fez à minha alma para que eles possam orar e louvar. E eu te encarrego, em nome de Cristo, não omitir isso.

Por esta causa escrevo a ti: que meus sofrimentos glorifiquem meu nobre Rei e edifiquem Sua Igreja na Irlanda. Ele sabe o quanto uma brasa viva de Cristo tem queimado minha alma com o desejo de que minhas cadeias preguem Sua glória, cuja cruz agora eu suporto. Que Deus te perdoe, se tu não o fizeres. Mas espero que o Senhor mova teu coração a proclamar em meu favor a doçura, a excelência e a glória do meu nobre Rei. Foi nossa carne fraca que levantou uma calúnia contra a Cruz de Cristo; agora vejo o lado bom disso; as cadeias do meu Senhor são todas disfarçadas. Oh, se a Escócia e a Irlanda fizessem parte da minha festa! Mas eu só consigo meu quinhão com muito sacrifício. Não há ninguém aqui com quem eu possa conversar; eu habito nas tendas de Quedar (Ct 1.5). Refrigera-me com uma carta tua. Poucos sabem o que há entre mim e Cristo.

Caro irmão, por minha salvação, é por Sua verdade que sofremos agora. Cristo não daria carta branca às almas.

Coragem, coragem! Alegria, alegria para sempre! Oh, que gozo inefável e glorioso (1Pd 1.8)! Oh, ajuda a exaltar meu coroado Rei! Oh, ama Aquele que é todo amor! – aquele amor que as muitas águas não podem apagar, nem podem os rios afogá-lo (Ct 8.7)!

[1] Robert Blair nasceu em Irvine em 1593, tornou-se ministro presbiteriano em Bangor, Irlanda do Norte, em 1623. Os arcebispos anglicanos se opuseram a ele e asseguraram sua demissão em 1634. Embarcou com outros ministros para a Nova Inglaterra (EUA), porém tempestades os fizeram retornar. Em 1638 tornou-se ministro em Ayr, porém logo se mudou para St. Andrews, onde ele e Rutherford se tornaram amigos chegados. Ele morreu em 1666.

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Traduzido por Luiz Alcântara de The letters of Samuel Rutherford (1600–1661), pp. 7, 8. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.