8 min leitura

A dor do coração quebrantado: só o Senhor a conhece e pode curar

O coração quebrantado do pecador (Lc 7.36-38)

A cena transcorre na casa de Simão, o fariseu. Um homem que se considerava justo havia convidado Jesus para uma refeição. No entanto, o acontecimento central dessa cena não é o encontro do Senhor Jesus com seu hóspede, mas o que Ele tem com uma mulher que não havia sido convidada, uma pecadora notória. Ela havia ouvido sobre o Senhor Jesus e venho ao lugar onde Ele se encontrava. Sofrendo por sua culpa, aproveitou a ocasião para descarregar o peso que tinha sobre seu coração. Empurrada por sua angústia interior e atraída pela graça do Senhor, veio à casa do fariseu, pôs-se aos pés de Jesus e chorou.

Suas lágrimas davam mostra de sua coração quebrantado. Reconheceu que era pecadora, foi sensível às riquezas da benignidade de Deus e se deixou levar ao arrependimento por essa benignidade que se revelou em Jesus (cf. Rm 2.4). O Salvador não deixou esse coração quebrantado sem resposta. Todo aquele que vem a Ele dessa maneira experimenta ter o coração curado. A mulher escutou as palavras benfazejas: “Os teus pecados te são perdoados. […] A tua fé te salvou; vai-te em paz” (Lc 7.48,50).

Todo pecador tem necessidade disto: do perdão e da paz. E obtém isso pela fé. Ainda hoje, o Senhor deseja curar o coração ferido dos que vivem sem Deus e sem perspectiva. O caminho que essa mulher tomou é ainda hoje o único caminho pelo qual se pode obter o perdão e a paz. Todos os demais são caminhos de erro que não conduzem à salvação. Aquele que vem ao Senhor consciente de sua culpa e de seus pecados, e crê Nele e em Sua obra redentora, recebe Suas palavras: “Vai-te em paz!”

O coração quebrantado dos crentes provados (Lc 7.11-15)

Com o coração oprimido pela tristeza, uma viúva conduzia seu filho único à tumba. Uma angústia indizível, e provavelmente numerosas perguntas sem resposta, enchiam seu coração. Mas diante dos muros da cidade de Naim, a vida veio ao encontro da morte. O cortejo fúnebre teve de se deter quando o Autor da vida se aproximou.

Com um olhar cheio de amor, o Senhor viu o que havia no coração quebrantado dessa mãe, e foi comovido por uma profunda simpatia. “E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela.” A angústia da mulher não O deixou indiferente. “E disse-lhe: Não chores” (v. 13). Foi uma palavra de consolo para o coração ferido dela.

O Senhor Jesus nos compreende quando passamos por dificuldades, quando estamos enfermos, quando estamos abatidos e temos o coração oprimido.

Depois, Jesus se revelou como o Senhor da vida e da morte. Ele tocou o esquife, e todos os que estavam ali puderam ouvir Suas palavras: “Jovem, a ti te digo: levanta-te!” (v. 14). A morte devia soltar sua presa. O coração quebrantado da mãe foi curado, seu filho lhe foi devolvido.

Em um mundo onde tudo passa, a sombra da morte plana sobre cada um e é inevitável. O mundo é o “vale da sombra da morte”. Mas precisamente a esse mundo nosso Senhor e Salvador veio. Ele mesmo experimentou o que é viver aqui; soube o que significa a perda de um ser amado. Diante da tumba de Seu amigo Lázaro também verteu lágrimas.

Por isso, Ele nos compreende quando passamos por dificuldades, quando estamos enfermos, quando estamos abatidos e temos o coração oprimido. É uma grande coisa saber que nosso Senhor tem o poder para ajudar-nos. Mas não é apenas isso: Ele nos faz desfrutar primeiro de Sua simpatia, nos ama, entra em nossas circunstância e nos consola: “Não chores!” Pode secar as lágrimas e curar os corações quebrantados.

O Mestre trabalha de maneira divinamente perfeita. Primeiro, seca as lágrimas; depois, traz a libertação. Nós, talvez, tivéssemos agido de maneira inversa. Mas o Senhor quer que aprendamos primeiro a conhecer a doçura de Suas compaixões e depois Seu poder que dá o socorro. Em Sua sabedoria, Ele mesmo decide quando e como nos ajudará. Deixemo-Lhe trabalhar. O certo é que Ele cura os corações quebrantados e fecha as feridas; Ele quer que Sua paz encha nosso coração e nos sustenha em nossas circunstâncias difíceis.

Ninguém tem o poder de trazer os mortos de volta à vida, mas o Senhor quer usar-nos para ajudar as outras pessoas. Quando encontrarmos pessoas que têm o coração quebrantado, busquemos ajudá-las no mesmo espírito que o Senhor o fez.

O coração quebrantado do crente caído (Lc 22.54-62)

Uma cena totalmente diferente se abre agora diante de nós. Homens maus, inimigos do Senhor Jesus, o conduziram ao pátio do sumo sacerdote. Pedro O seguia à distância. Pouco tempo antes, ele havia declarado, muito seguro de si mesmo, estar disposto a morrer por seu Mestre. Mas agora, uma distância entre ele e o Senhor está estabelecida. Ele entrou no pátio da casa onde se encontrava Jesus, mas se sentou entre os inimigos de seu Mestre e se aquecia ao fogo. O que aconteceu? A tentação não perdeu por esperar. Uma criada lhe dirigiu a palavra, e o medo o invadiu. Com insistência, se desassociou Daquele sobre quem se concentrava o ódio de todos. “Não O conheço” (v. 57).

Somos melhores que Pedro? Com certeza, não. Por acaso, não temos negado o Senhor em situações muito mais insignificantes? Na escola, no trabalho, entre os vizinhos? Um pouco de distância interior em relação ao Senhor basta para que caiamos diante da menor tentação.

O Senhor também não nos abandonará. Seu amor não muda.

E Jesus? Tinha tempo de pensar em Seu discípulo? Aquilo que O fazia sofrer poderia reter toda a Sua atenção, mas… maravilhoso Salvador! Seu coração estava ocupado com Pedro. Ele sabia de antemão o que ia acontecer, e esta negação O afetou profundamente, mas Ele não deixou Seu discípulo de lado. “E, virando-se o Senhor, olhou para Pedro” (v. 61). Essa olhada entristecida e, ao mesmo tempo, cheia de amor foi como uma flecha que alcançou o coração de Pedro e o quebrantou. Esse homem corajoso e enérgico saiu e chorou amargamente sua falha.

O Senhor também não nos abandonará. Com Seu olhar de amor, sempre se dedica a pôr-nos na luz a fim de alcançar nosso coração. Seu amor não muda. Ele não só quer sacudir-nos e fazer-nos compreender onde falhamos, mas quer também curar-nos. Na manhã da ressurreição, Ele encontrou Pedro e falou-lhe ao coração. Pouco depois, reabilitou-o diante dos demais discípulos. Este é sempre o objetivo do Senhor: Ele quer fazer-nos voltar a uma feliz comunhão com Ele e fazer de nós servos úteis para Ele.

O coração quebrantado do Salvador

Não podemos terminar essas breves considerações sobre corações humanos quebrantados sem pensar no coração Daquele que, justamente no Evangelho de Lucas, é-nos apresentado como o “Filho do Homem”.

Seus sentimentos se descrevem profeticamente em Salmos: “Afrontas me quebrantaram o coração, e estou fraquíssimo. Esperei por alguém que tivesse compaixão, mas não houve nenhum; e por consoladores, mas não os achei” (69.20). Havia curado os corações quebrantados, mas no caminho da cruz esteve sozinho com Seus próprios sofrimentos. Sempre esteve presente quando alguém necessitou de ajuda. Manifestou Sua simpatia aos que estavam consumidos de dor. Mas no momento em que Ele mesmo passou pela mais vasta angústia, o coração dos demais se fechou para Ele.

Ele havia semeado apenas amor, e na maioria das vezes colheu uma amarga hostilidade. Até mesmo reprovavam Sua confiança em Seu Deus. E Seus discípulos? O Senhor não esperava o consolo da parte dele? Haviam fugido. Jesus devia seguir esse caminho doloroso inteiramente só.

O salmo 22 expressa Seus sentimentos quando estava na cruz: “Como água Me derramei, e todos os Meus ossos se desconjuntaram; o Meu coração é como cera, derreteu-se no meio das Minhas entranhas” (v. 14).

Quem de nós poderia sondar o que foi, naquele momento, a angústia do Salvador? A Ele sejam eternamente o louvor e as ações de graças!

____

(Traduzido por Francisco Nunes de “Corazones quebrantados”, da revista Creced 3/2015, publicada por Ediciones Bíblicas, da Suíça. Você pode usar esse artigo desde que não o altere, não omita a autoria, a fonte e a tradução e o use exclusivamente de maneira gratuita. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.