3 min leitura

“Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar…” (Colossenses 3.4)

Um dos principais objetivos do Espírito Santo é levar os cristãos serem de fato identificados com Cristo como o Senhor ressurreto e exaltado e fazer Sua vida ressurreta real na experiência deles. Conforme a era avança para sua consumação – a manifestação de Cristo –, duas características vão se tornar cada vez mais evidente. Por um lado, coisas, homens, movimentos, instituições, organizações, etc. predominarão e atrairão multidões após si e as ligarão a si. Por outro lado, com o crescente desapontamento e desilusão com essas coisas, uma minoria irá se voltar para o Senhor a fim de encontrar apenas nele sua vida.

Três elementos serão inseparáveis de tudo isso. Um é o inequívoco desenvolvimento do princípio do anticristo, que irá definitivamente suplantar Cristo ou tentar fazê-lo. O segundo é o cristianismo feito pelo homem como alternativa para Cristo em sua plenitude, uma imitação da vida nascida e sustentada por seu próprio ímpeto. O terceiro, uma profunda e genuína busca por realidade, verdade e conhecimetno interior do próprio Senhor. No primeiro caso, aquilo será uma descarada adoração do homem na força humana: um tremendo transbordar de humanismo, o deslumbramento e a glória do homem. No terceiro, Cristo será a vida completamente.

Se o cristão é ligado a alguma coisa, tal como ensinamento, tradição, instituição, movimento ou pessoa, o fim certamente será uma limitação da vida e, por fim, confusão e desapontamento, talvez algo pior. O Novo Testamento torna inquestionavelmente claro e enfático que o destino de tudo é Cristo ser tudo em todos. Nós temos de aprender que a verdadeira obra do Espírito Santo é ligar tudo a Cristo. Ele, Cristo, tem de ser a vida de nosso espírito, o “homem interior”, para que sejamos fortes no Senhor, não em nós mesmos, não nos outros, não em coisas. Nós deveremos sobreviver à adversidade apenas por Sua força em nós.

Cristo terá de ser a vida de nossa mente. A perplexidade nos encontrará sem o poder para explicar ou entender, mas o Espírito nos ensinará e liderará.

Cristo precisará ser a vida de nosso corpo. Há algo como a vida Divina para o corpo físico. Nem sempre o Senhor escolhe curar o corpo, mas sempre quer ser a vida dele, mesmo no sofrimento, para cumprir Seu propósito.

É o próprio Senhor, e que seja assim, que muitas vezes tem de se colocar contra um pano de fundo de inabilidade natural. O poder de Sua ressurreição é a lei da união com Cristo do início ao fim. Dias de terrível pressão virão sobre o povo do Senhor. Seu inimigo está se aproveitando de cada pequeno ataque. A única suficiência está no próprio Senhor como nossa vida.

Aos novos crentes, Barnabé “exortou a todos a que permanecessem no Senhor, com propósito de coração” (Atos 11.23). Há uma absoluta verdade nisso que será pressionada sobre nós até o tempo “quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar”.

____

(Traduzido por Francisco Nunes de um folheto publicado por Emanuel Chuch, Tulsa, OK, EUA. Para conhecer mais sobre ele, clique aqui.)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.