10 min leitura

Assistimos todos os dias o nascimento de inúmeras teologias, das mais bizarras como gente “no espírito” imitando animais, como outras que são simplesmente mais um fruto do pós-liberalismo teológico. Dentro dessa última categoria, existe um pensamento que considero muito, senão o mais nefasto e devastador deles, chamado de teologia relacional.

Essa teologia, de caráter profundamente humanista e reducionista. Tem como sua principal característica a imagem de um deus exclusivamente amoroso. O amor, que sem dúvida, constitui parte essencial do ser divino, tornou-se sua única prefiguração. Deus é amor, ponto e nada mais. Qualquer outro aparente atributo só será aceito se for “compatível” com aquele. O Senhor está preso e sujeito ao seu “sentimento” amoroso pelos homens, que por sua vez tornam-se “arquitetos” de seus próprios destinos.

Numa primeira olhada é um movimento muito atraente, especialmente porque é profundamente inclusivo, ainda que, como veremos adiante, não se defina bem o que é inclusão. Além disso, se propõe a refletir a fé de maneira bastante livre, o que é um prato cheio para os modernos ativismos sociais.

Eu mesmo fui seduzido por esse movimento e o defendi em alguns textos do meu antigo (e desativado) blog pessoal. No entanto, não precisei de muito tempo e reflexão, para que vários pontos negativos desse ensino saltassem aos meus olhos, e sua fragilidade tornar-se patente diante de uma leitura sincera das Escrituras.

Pois bem, preocupado com o avanço desse pensamento “aberto” sobre Deus, resolvi expor alguns desses pontos para tentar ajudar alguns irmãos que, assim como eu, foram seduzidos por essa teologia.

Ponto 1 – De que Deus estamos falando mesmo?

Essa é a primeira pergunta que vem a mente quando ouço ou leio os argumentos de um teólogo relacional.

Isso porque, quando se trata de cristianismo, a imagem que se busca de Deus só é encontrada em uma fonte, a Bíblia. Qualquer referencia sobre Jesus, por exemplo, tem que passar pelo crivo da Escritura, ou seja, só podemos dizer que Deus é isso ou aquilo, se a Bíblia disser que Ele é isso ou aquilo. Não apenas em um ou outro versículo, mas no conjunto dos textos sagrados. A imagem que se tem se tem de Deus em Juízes deve ser a mesma que encontramos nas cartas de Paulo.

Fora isso, ocorre também uma confusão entre as características de certas divindades de outras religiões e as do Deus revelado na Bíblia. Que me perdoem os favoráveis do diálogo inter-religioso, mas o Deus cristão não é de maneira nenhuma o deus espírita, nem o deus islâmico, muito menos as “energias” ou “forças” que outras formas de fé definem como divinas, ainda que tais religiosos queiram que seja. O que Jerusalém haver com Atenas?

É verdade que para nós cristãos só existe um Deus, criador e sustentador do universo, mas também é verdade que para o cristianismo autêntico ele só é revelado em dois lugares, de maneira insuficiente na própria criação (Romanos 1:20), e plenamente na revelação bíblica. Portanto, qualquer afirmação sobre Deus só terá valor para nós, se for baseada nas Escrituras, sendo qualquer outra fonte, no mínimo questionada.

Sendo assim, quando alguém quiser debater sobre o que Deus é ou não é, primeiro se faz mister que lhe faça a pergunta: De que Deus você esta falando?

Ponto 2 – Uma redução de quem é Deus

Se existe alguém no universo que possui muitos atributos que o definam é Deus. A Bíblia está repleta desses atributos. Uns patentes outros latentes, mas todos inegáveis.

No entanto, mesmo com tantas evidências opostas, a tal teologia tem reduzido Deus a apenas um atributo, o amor; deixando em segundo plano, ou simplesmente eliminando, outros atributos, como a santidade, o justo juízo, a soberania e, mais recentemente, a onisciência. Isso porque para eles o livre arbítrio, sua menina dos olhos, só será uma realidade se o homem for definitivamente livre de qualquer intervenção divina, e isso inclui saber o futuro.

Agora, é verdade que a vida e os ensinos de Jesus trazem a força amorosa de Deus pela humanidade, e o Abba à tona, seu próprio sacrifício nos conta isso, mas jamais Ele deixou de lado os outros atributos que formam Seu caráter. Aliás, é o próprio amor que traz a tona outros atributos. Por AMAR a verdade, Ele ODEIA mentira. Por AMAR o oprimido, Ele trará JUÍZO sobre o opressor, e assim por diante.

Além disso, me parece bastante claro que Jesus, ao longo de sua vida, continua odiando o pecado, prometendo juízo aos ímpios, ensinando sobre o inferno (até mais que sobre o céu) e sobre o juízo final, aborrecendo a hipocrisia dos religiosos, afugentando a chicotadas os cambistas do templo, e no seu famoso sermão da montanha, proclamou abertamente que a santidade, a retidão e a integridade devem ser a regra de vida para todos os servos de Deus.

Em suma, o mesmo Deus que anunciou o amor com tamanha vivacidade, também estabeleceu um alto padrão de justiça e santidade para os que amou. Não se engane, o mesmo Jesus que amou os homens, também os lançará no inferno (Mateus 10:28, João 15:6).

Devemos lembrar ainda, que o mesmo apóstolo João que elaborou a famosa definição “Deus é amor”, também disse que “Deus é luz, e nele não há trevas alguma” (João 1:5), o autor de Hebreus afirma sem pudor que “nosso Deus é um fogo consumidor” (Hebreus 12:29), e ainda, Ele mesmo fala de si como Santo , cabendo a nós imita-lo (Levíticos 11:44).

Portanto meu amigo me perdoe, mas crer nesse “deus” reduzido da teologia relacional é como ter um pai adulador e impotente. Seu amor não pode ser verdadeiro, pois que pai vendo seu filho caminhar em direção à morte não fará tudo para impedir tal tragédia (Lucas 11: 5-13). Um Deus “molenga”, que chora a morte do amigo, mas nunca poderá dizer “sai para fora!” (João 11:35-45). Esse não pode ser o mesmo Deus que livrou Israel das garras do Egito, que levantou poderosos profetas para trazerem a justiça aos povos e que escolheu antes da fundação do mundo pecadores para remi-los, regenera-los, santifica-los e formar com eles um povo Seu, que faz a Sua vontade. Um Deus digno de que todo joelho se dobre perante sua Majestade. Esse deus relacional, não pode ser de fato Deus, e não é.

Ponto 3 – Má compreensão do que a Bíblia entende por inclusão

Vou ser objetivo. O evangelho é realmente inclusivo, uma autentica “pescaria de almas”. O convite está aberto a todos quantos desejarem, prova disso é que Jesus sentou com todo tipo de gente, mas isso não significa que ao incluir pessoas o evangelho inclua os pecados delas. A salvação de Jesus inclui gente, não pecado. Com esse, Ele é totalmente exclusivo e agressivo.

Além disso, o fato Dele amar a humanidade não fechou seus olhos para a rebelião dos povos. Na verdade, ao contrário do que muitos dizem, Deus abomina não só o pecado, mas também aqueles que o praticam. “O perverso é abominável ao Senhor (..) na casa do ímpio habitará a maldição de Deus” (Provérbios 3: 32,33)

Devemos, ainda, saber que a inclusão no amor divino sempre carregará responsabilidades ao incluso. Porque se assim não fora, como se costuma dizer, o Reino de Deus seria a casa da sogra.

Para entender melhor o que digo, não precisamos ir muito longe, basta trazer a memória o famoso texto de Mateus 11 de 28 a 30:

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo e leve.”

Leia com atenção o texto! Mostre-me onde o consolo e alivio oferecidos por Jesus, de forma profundamente inclusiva, diga-se de passagem, (vinde a mim TODOS) está desligada do aprender a humildade e a mansidão, ou onde o amor de Deus nos impede de levar o fardo de Jesus, que, apesar de ser leve, continua sendo um fardo. Com uma grande salvação, vem grandes responsabilidades (Lucas 12:47-48; Efésios 2:10)

Portanto, engana-se a pessoa que acha que a inclusividade do Evangelho é inconsequente. Deus é paternal, não paternalista.

Ponto 4 – Falácia sobre a existência do livre arbítrio.

Arbítrio existe, o pecado é prova disso, mas livre arbítrio é uma das maiores mentiras que já foram inventadas. Mesmo se tirássemos a noção de Deus da história, que é o que a teologia relacional parece estar tentando fazer, essa liberdade plena do ser humano jamais teria existido. Todos, de alguma forma, estão amarrados a algo que os impede de agir com plena vontade.

Leis civis, carta de direitos humanos, supremacia do interesse público, casamento, contratos, a “polis” grega, a “pax” romana, o código de Hamurabi, sempre estivemos sujeitos a alguma autoridade que nos impõe conduta.

Alguém poderia dizer que nosso livre arbítrio está em cumprir tais normas ou não, mas isso é outra falácia, pois se o arbítrio fosse realmente livre, nesse caso, não haveria punição para o descumprimento. Não cumpra a lei e você verá seu precioso livre arbítrio encerrado dentro das grades de uma prisão.

Amigo você precisa despertar para a realidade de que sempre haverá um “senhor” sobre ti. Sua liberdade nunca será plena. Sua vontade nunca prevalecerá. Seja pelo pecado, seja pelo diabo, seja pelo mundo, ou, se você for um eleito de Deus, pela vontade graciosa do Senhor, você será vencido. É da sua natureza.

Sua escolha é: A QUEM SERVIREI? Essa é a pergunta que você deve fazer para sua natureza, ela vai se inclinar para alguém

Ponto 5 – Rejeição da Bíblia como Palavra de Deus.

Esse é um ponto inevitável para a sobrevivência de teologias como essa. Existe literatura vasta sobre isso sendo publicada no Brasil. Munidos das ferramentas da alta crítica, papas dessa teologia, como Andres Torres Queiruga e Jean Delumeau, dedicaram muitas páginas de suas obras, pondo em cheque qualquer possibilidade, não só da inspiração bíblica, como da literalidade das Escrituras. Obviamente, muitos dos conceitos bíblicos, tirando sua literalidade, caem em descrédito e desconfiança. Histórias clássicas do Antigo Testamento e noções como o de soberania, providência, juízo final, inferno e céu, são apagados do pensamento cristão. Centenas de anos de formação de pensamento cristão são descartados como inapropriados e obsoletos diante desses “inventores da roda”. O que pensar? Ou Deus de fato não deve intervir em nossa história, já que deixou sua igreja em total ignorância por quase dois mil anos sobre esse pensamento, ou os homens “pré-modernos”, eram na verdade “pré-históricos”, neandertais munidos de suas claves, que foram esmagadoramente superados pelos “sapiens” da teologia moderna.

O engraçado é que um Neandertal como eu perguntaria como um Deus, que ama tanto o homem, poderia deixar suas amadas criaturas por tanto tempo sem essas informações tão decisivas. Mas sei lá, de repente é só um delírio “das cavernas”.

Conclusão

Há outros pontos com certeza, mas acho que com esses já dei uma noção dos males que essa teologia tem trago para dentro das igrejas e seminários. É evidente que muito que já não tem a Bíblia como Palavra de Deus não concordarão comigo, e nem podem, mas oro para que os tais, assim como eu, sejam libertados desse engano.

Naquele que ama infinitamente e faz juízo de geração em geração.

(Fonte)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.