Gotas de orvalho que alimentam a fé!

O amor não é apenas cheio de benevolência, mas de beneficência. O amor que dilata o coração nunca fecha as mãos. Aquele que ama a Cristo será liberal em favor de Seus membros. Ele será olhos para o cego e pés para o aleijado. As costas e o ventre dos pobres devem ser os sulcos onde ele semeia as preciosas sementes da liberalidade. Alguns dizem amar a Deus, mas seu amor é aleijado de uma mão: eles nada dão para boas aplicações. Com efeito, a fé lida com coisas invisíveis, mas Deus odeia aquele amor que é invisível. O amor é como vinho novo, que precisa ser arejado; e ele areja a si mesmo por meio de boas obras. O apóstolo fala, em honra aos macedônios, que eles haviam dado aos santos pobres não apenas na medida de suas posses, mas mesmo acima delas (2Co 8.3). O amor é uma nobre dádiva de liberalidade.

(Thomas Watson)

A aflição nos ensina a conhecermos a nós mesmos. Na prosperidade, nós somos na maioria das vezes estranhos a nós mesmos. Deus nos aflige para que possamos nos conhecer melhor. É em tempo de aflições que vemos aquela corrupção em nosso coração que não acreditaríamos que estava lá.  A água parece limpa num copo, mas ponha-a no fogo e sua impureza vai fervilhar. Na prosperidade, um homem parece ser humilde e grato, a água parece limpa; mas, ponha esse homem um pouco no fogo da aflição, e suas impurezas começam a fervilhar; muita impaciência e incredulidade começam a aparecer. “Oh”, diz um cristão, “eu nunca pensei que tivesse um coração tão mau! Agora eu vejo que tenho! Eu nunca pensei que minhas corrupções fossem tão fortes e minhas virtudes tão fracas!”

(Thomas Watson)

O alvo da tentação é desonrar a Deus e abater a alma.

(John Owen)

A igreja [visível] tem mais membros professos do que regenerados, e terá até o fim do mundo: ninguém espere que eles sejam proporcionais.

(Richard Baxter)

Nenhuma lisonja pode curar uma má consciência, como nenhuma difamação pode ferir uma consciência sã.

(Thomas Watson)

Valeu a pena ter ficado um pouco no fogo, por causa da oportunidade de experimentar e demonstrar o poder e a fidelidade das promessas de Deus.

(John Newton)

Deus não espera que lhe submetamos nossa fé sem o uso da razão, mas os próprios limites de nossa razão fazem da fé uma necessidade.

(Agostinho)

A marca registrada de um hipócrita é ser cristão em todo lugar, menos em casa.

(Robert Murray M´Cheyne)

Aquele que exige misericórdia, mas não a demonstra, destrói a ponte sobre a qual ele mesmo deve passar.

(Thomas Adams)

Se você de alguma forma demolir a doutrina do inferno, ela demolirá seu zelo.

(R. A. Torrey)

Nossa preguiça para com Deus é nosso pecado alarmante… Nenhum homem encontra a Deus se não O procurar diligentemente.

(E. M. Bounds)

A Bíblia caindo aos pedaços geralmente pertence a alguém que não está nas mesmas condições.

(Vance Havner)

Cristo não é doce enquanto o pecado não se faz amargo para nós.

(John Flavel)

Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.