“Quanto a mim, contemplarei a Tua face na justiça; eu me satisfarei da Tua semelhança quando acordar” (Sl 17.15).

A porção dos homens enche-lhes o corpo e enriquece seus filhos, mas a porção do crente é de outro tipo. Os homens do mundo têm seus tesouros neste mundo, mas os homens do mundo vindouro olham para além e para mais alto.

Nossa possessão é dupla: temos a presença de Deus aqui e Sua semelhança na vida futura. Aqui contemplamos a face do Senhor em justiça, pois somos justificados em Cristo Jesus. Oh, a alegria de contemplar a face de um Deus reconciliado! A glória de Deus na face de Jesus Cristo faz-nos nos render abaixo do céu, e ela será para nós o céu dos céus acima.


Porém, ver não é tudo: temos de ser transformados naquilo que contemplamos. Devemos dormir por um pouco e, então, acordar para vermos a nós mesmos como espelhos que refletem as belezas de nosso Senhor. A fé vê Deus com um olhar transformador. O coração recebe a imagem de Jesus em sua própria profundeza, até que o caráter de Jesus seja impresso na alma. Isso é santificação. Ver Deus e ser como Ele – o que mais posso desejar? A segura confiança de Davi é aqui, pelo Espírito Santo, tornada a promessa do Senhor. Creio nisso. Espero isso. “Senhor, conceda-o. Amém.”

Aprendemos pela oração a detectar a diferença entre a ordem de Deus e Sua vontade permissiva. A ordem de Deus é: sem dor, sem doença, sem mal, sem guerra, sem pecado. Sua vontade permissiva é todas essas coisas, a confusão em que estamos agora. O que o homem precisa fazer é se agarrar à ordem de Deus no reino interior e, então, começará a ver como lidar com o enigma do universo no exterior.

O fim do homem é a oportunidade de Deus.

(John Flavel)

Devemos considerar quem é Aquele a quem oramos. [Devemos considerar] a infinitamente bendita Majestade de Deus, comparada à qual nada pode ser concebido mais bom, mais santo, mais puro, mais ilustre, mais adorável, mais compassivo, mais incompreensível ou mais indescritível. O próprio pensamento de Deus tira nosso fôlego. Ele é três Pessoas vivas. Vivemos, nos movemos e respiramos Nele. Ele pode fazer o que quiser conosco. Ele não está mais comprometido conosco do que tem graciosa e piedosamente escolhido se comprometer. Ele sabe de todas as coisas sem que Lhe digamos ou peçamos. E ainda assim é a Ele que oramos. Agora, pensemos onde é que oramos. Mais do que ser em um lugar consagrado ou não, é no próprio Deus. Estamos Nele, como os peixes estão no mar. Sua imensidão é nosso templo.

(Frederick William Faber)

Traduzido por Tathyane Faoth. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.