“O que você pensa de Cristo?”

Nenhuma pergunta é mais fundamental, mais crítica ou mais persistente, nenhuma pode ser feita que seja mais carregada com irrevogável destino. O que pensam os homens? O ateu absolutamente não pensa sobre Ele; pois, como não há Deus, não pode haver Filho de Deus. O mundano, entregue ao prazer e ao amor ao dinheiro, é cuidadoso em não pensar sobre Ele, pois pensar sobre Cristo é pensar sobre santidade. O unitariano[1] pensa que Ele é o mais nobre de todos os homens, um revelador – ou o revelador – de Deus, mas somente um homem. O seguidor do swedenborgianismo[2] pensa que Ele é Deus, a única Pessoa na Divindade, e agora de modo nenhum um homem. O ariano [3](tal como os auroristas, membros da Aurora do Milênio, agora chamados Testemunhas de Jeová) pensa que Ele é um deus criado, um arcanjo poderoso e divino, que veio ao mundo. O gnóstico[4] (tal como o Novo Teólogo[5], o cientista cristão[6] e o teosofista[7]) pensa em Jesus como o filho de José, mas peculiar e misticamente habitado pelo Cristo. O maometano pensa que Ele é um profeta real, mas inferior a Maomé. Os judeus pensaram que Ele era o filho de um carpinteiro, e os fariseus pensaram que Ele era um endemoninhado. O cristão – e apenas o cristão – vê Nele o homem Jesus Cristo, nascido de uma mulher, “o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente” (Rm 9.5)

Abraão

Ninguém em toda vida de Cristo duvidou que Ele fosse um homem. Aqueles que O viram e ouviram, e até mesmo tocaram Nele (Lc 24.39; Jo 1.1) nunca duvidaram, e não podiam duvidar de Sua humanidade – isso foi deixado à invenção de uma era posterior. Mas que posição Ele tomou entre os homens? Essa era a pergunta, e ela começou com Abraão. Abraão despontava incomparavelmente como a maior figura no horizonte de Israel: ele era a personificação das promessas, o pai de toda fé, o amigo de Deus. “És Tu maior do que o nosso pai Abraão?”, os judeus perguntaram a Ele. “Quem Te fazes Tu ser?” (Jo 8.53). A franqueza e a intensidade do desafio provocaram uma declaração tão surpreendente como nosso Senhor mesmo nunca havia dado de Si mesmo: “Antes que Abraão existisse” – antes que houvesse um Abraão – “Eu sou”. O maior dos patriarcas era apenas uma estrela no amanhecer, engolida e perdida no dia que ele previu, pois EU SOU é o tremendo título da Deidade. Então, quão maior? Tão maior quanto Jeová é daquele que é amigo de Jeová.

Jacó

“És Tu maior”, novamente Jesus é desafiado, “do que o nosso pai Jacó?” (4.12). Jacó, aquele que lutou com o Anjo de Jeová, foi “um príncipe com Deus” – que título! Jesus respondeu: “Se tu conheceras o dom de Deus, e quem é o que te diz: ‘Dá-me de beber’, tu Lhe pedirias, e Ele te daria água viva” (v. 10). Jacó cavou o poço e deu água terrena; Jesus diz que Ele dá água diretamente da mão de Deus aos lábios da alma. Então, quão maior? Tão maior quanto é a água viva do que a terrena, tão maior quanto é o Doador de uma do que o doador da outra.

Salomão

Salomão, no esplendor exterior, foi incomparavelmente o maior dos reis e dotado com um dom de sabedoria possivelmente nunca superado. “E era ele ainda mais sábio do que todos os homens […] e correu o seu nome por todas as nações em redor” (1Rs 4.31), pois era uma iluminação sobrenatural e abraçou toda natureza (v. 33). “És Tu, ó Senhor, maior que Salomão?” Ouça Jesus: “A rainha do sul se levantará no juízo com os homens desta geração e os condenará, pois até dos confins da terra veio ouvir a sabedoria de Salomão; e eis aqui está quem é maior do que Salomão.” (Lc 11.31). Jesus é o Logos divino (Jo 1.1). Então, quão maior? Tão maior quanto é o Doador da sabedoria maior do que a sabedoria que Ele dá.

Jonas

Passemos aos profetas. Talvez nenhum milagre maior (além do Dilúvio) se sobressai no Antigo Testamento do que a descida de Jonas ao seol (inferno, Jn 2.2), um homem que literalmente voltou do lugar dos mortos. “És Tu, ó Senhor, maior do que Jonas?” Jesus responde: “Os homens de Nínive se levantarão no juízo com esta geração e a condenarão, pois se converteram com a pregação de Jonas; e eis aqui está quem é maior do que Jonas” (Lc 11.32). Jonas ressurgiu da morte, mas ele não estava morto. Jesus esteve morto; contudo, venceu a morte. Então, quão maior? Tão maior quanto a ressurreição é maior do que a vida natural.

O templo

Os sacerdotes permanecem. Um ponto da terra sozinho mantém a manifestação local de Deus, um santo dos santos consagrado à Deidade, um sagrado mantém o único sacerdócio divino em todo o mundo. Jesus era maior do que Salomão, o construtor do templo; Ele era maior do que o templo? Novamente Ele responde: “Eu vos digo que está aqui quem é maior do que o templo” (Mt 12.6); “porque Nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Cl 2.9). Deus estava mais em Cristo do que esteve no templo, o corpo consagrado à Divindade como nenhum templo jamais pode – Ele foi mais santo do que o santo dos santos. Então, quão maior? Tão maior quanto o filho é maior do que a casa em que seu pai habita.

Os anjos

Posição sobre posição elevam-se as hierarquias do Céu: tronos, domínios, principados, potestades. “És Tu, ó Senhor, maior lá?” Ouça o testemunho do Altíssimo. “Feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles” (Hb 1.4). “E” – agora ouça a voz de Deus – “quanto aos anjos, diz: Faz dos Seus anjos” – anjos são feitos – “espíritos, e de Seus ministros, labareda de fogo. Mas, do Filho, diz: Ó Deus” – incriado, da eternidade –, “o Teu trono subsiste pelos séculos dos séculos” (vv. 7,8). Então, quão maior? Tão maior quanto o Criador é maior do que a criatura, tão maior é Cristo do que todos os tronos, domínios, principados e potestades que circundam o trono de Deus. “Do Filho, [Ele] diz: Ó Deus”!


[1] Defensor do unitarismo (ou unitarianismo), corrente teológica que afirma a unidade absoluta de Deus. Os unitários não devem ser confundidos com os unicistas. Os primeiros entendem que Deus é um e único, o Pai de Jesus Cristo, e negam que o Espírito Santo seja uma Pessoa divina, considerando-O apenas como a mente de Deus; os unicistas, por sua vez, entendem que o Pai, o Filho e o Espírito são apenas manifestações diferentes do mesmo Deus. Ambos grupos negam a Trindade divina. (N. do R.)

[2] Doutrina criada por Emanuel Swedenborg (1688–1772) e também chamada de Igreja Nova. Afirmando ter recebido uma nova revelação de Jesus Cristo por meio de contínuas visões celestiais, sustenta que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são três elementos essenciais de um Deus, como frações de um inteiro, nenhum deles sendo totalmente Deus. (N. do R.)

[3] Defensor do arianismo, doutrina de Ário, padre cristão de Alexandria (Egito), que afirmava ser Cristo a essência intermediária entre a divindade e a humanidade, negando-lhe o caráter divino e, portanto, rejeitando a Trindade divina. (N. do R.)

[4] Crê que, do Deus original, que não se pode conhecer, uma série de divindades menores tinham sido geradas, entre elas um Deus mau, criador do Universo e identificado com o Deus do Antigo Testamento, e que Cristo, o espírito divino, habitou o corpo do homem Jesus, mas não morreu na cruz. (N. do R.)

[5] Título dado a Simão (ou Simeão), o último dos três santos da Igreja Ortodoxa que teve o título de Teólogo (os outros dois são João, o Apóstolo, e Gregório de Nazianzo). Escreveu que os seres humanos podem e devem experimentar Deus diretamente (a chamada theoria). (N. do R.)

[6] A Ciência Cristã foi fundada por Mary Baker Eddy (1821–1910). Essa seita ensina que um Deus impessoal é Pai-Mãe de todos e que Jesus é apenas uma idéia espiritual ou verdadeira de Deus. (N. do R.)

[7] A teosofia é “um corpo de ensinamentos misteriosos revelados somente a poucas pessoas mais avançadas”. Declara que já houve cinco cristos, ou seja, cinco encarnações do Supremo Mestre do Mundo: Buda, Hermes, Zoroastro, Orfeu e Jesus. Segundo ela, Cristo usou o corpo de Jesus; assim, Jesus não é o único Filho de Deus, o Deus-homem, mas uma das muitas manifestações ou aparições de Deus. (N. do R.)

(Fonte da imagem)

Traduzido por Jacilara Conceição de The greatness of Jesus. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob direção de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.