3 min leitura

Para Lady Kenmure,1

de Anwoth, 26 de junho de 1630

Os inexplicáveis tratos de Deus com Seu povo são bem ordenados

Eu compreendo tuas circunstâncias neste mundo, saborizadas pela adoração ao Filho de Deus e pela comunhão com Ele em Seus sofrimentos. Tu não podes, não deves ter aqui uma condição mais agradável ou mais fácil do que a que Ele teve, Ele que “por aflições foi aperfeiçoado” (Hb 2.10). Podemos, de fato, pensar: “Deus não pode nos levar ao céu de maneira fácil e próspera?” Quem duvida que Ele pode? Mas Sua infinita sabedoria pensa e decreta o contrário; e, embora não possamos ver uma razão para isso, ainda assim Ele tem uma razão mais justa.

Com os olhos, nunca vimos nossa própria alma; ainda assim, temos uma alma. Vemos muitos rios, mas não conhecemos sua primeira nascente, a fonte original; ainda assim, eles têm um começo.

Senhora, quando chegares ao outro lado do rio, e pousares teus pés nas praias da eternidade gloriosa e olhares para trás, novamente, para as águas e para tua penosa jornada, e vires naquele límpido cristal de glória eterna de mais perto as profundezas da sabedoria de Deus, terás forçosamente que dizer:

“Se Deus houvesse feito de modo diferente comigo o que Ele fez, eu nunca teria chegado ao desfrute dessa coroa de glória”.

Tua parte agora é crer, e sofrer, e confiar e esperar, pois assevero, na presença daquele Olho que tudo discerne, que sabe o que escrevo e o que penso, que não me faltou a doce experiência das consolações de Deus em toda a amargura da aflição. Não; se Deus vem a Seus filhos com uma vara ou com uma coroa, se Ele próprio vem, então, está tudo bem. Bem-vindo, bem-vindo Jesus, vem da maneira que Tu vieres, desde que possamos Te ver. E, estou certo, é melhor estar doente, contanto que Cristo venha para o lado da cama, abra as cortinas e diga: “Coragem, Eu sou tua salvação”, do que gozar de saúde, ser vigoroso e forte, e nunca ser visitado por Deus.

Falta de ordenanças

Digna e cara senhora, na força de Cristo, luta e vence. Tu estás agora sozinha, porém podes ter, se buscares, três sempre em tua companhia: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Sei que estão perto de ti. Tu estás agora privada do conforto de um ministério ativo; foi assim com os israelitas no cativeiro; contudo, ouve a promessa de Deus para eles: “Portanto, dize: Assim diz o Senhor Deus: Ainda que os lancei para longe entre os gentios, e ainda que os espalhei pelas terras, todavia lhes serei como um pequeno santuário, nas terras para onde forem” (Ez 11.16). Vê, um santuário! Um santuário, o próprio Deus, em lugar do templo de Jerusalém. Confio em Deus que, carregando esse templo contigo, tu verás a beleza de Jeová em Sua casa.

 


1 Jane Campbell, Viscondessa de Kemnure, filha do sétimo Conde de Argyle. Em 1628, ela se casou com John Gordon, de Lochinvar, cuja morte prematura ocorreu em 1634. Jane se casou novamente em 1640, mas em pouco tempo uma nova viuvez lhe sobreveio. Ela viveu até os anos 1670 com o que parece ter sido uma vida cristã exemplar. [Nota do editor original.]

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Traduzido por Luiz Alcântara de The letters of Samuel Rutherford (1600–1661), p. 4. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.