10 min leitura

Para os Paroquianos de Anwoth [1]

Aberdeen, 13 de julho de 1637

Palavras aos apóstatas

Ouvi dizer, e minha alma está entristecida por isso, que desde que me ausentei de vosso meio, muitos dentre vós voltaram-se do bom e velho caminho, novamente para o vômito dos cães. Vou falar a esses homens. Não foi sem a direção especial de Deus que a primeira sentença que minha boca vos proferiu foi esta, “E disse-lhe Jesus, Eu vim a este mundo para juízo, a fim de que os que não veem vejam, e os que veem sejam cegos” (Jo 9.39). É possível que meu primeiro encontro convosco seja quando vós e eu comparecermos perante o terrível Juiz do mundo; e no nome e na autoridade do Filho de Deus, meu grande Rei e Mestre, eu escrevo, perante estes presentes, intimações a esses homens. Prendo-lhes a alma e o corpo para o dia de nosso comparecimento na corte. Sua eterna condenação permanece subscrita e selada no céu pela escrita do grande Juiz dos vivos e dos mortos; e eu estou pronto a me levantar como um pregador testemunhando contra os tais, diante deles naquele dia, e a dizer “Amém” à sua condenação, exceto no caso de se arrependerem. A vingança do Evangelho é mais pesada do que a vingança da Lei. A maldição e a vingança do Mediador é duas vezes vingança, e essa vingança é a porção devida a tais homens. E ali eu os deixo como homens presos, sim, e até que eles se arrependam e se corrijam.

Vós fostes testemunhas de como passávamos o Dia do Senhor enquanto estive entre vós. Oh, sacrílego ladrão do dia de Deus, o que responderás ao Todo-Poderoso quando Ele procurar os muitos Sábados em ti? O que fará o amaldiçoador, o xingador, o blasfemador quando sua língua for torrada naquele grande e ardente lago de fogo e enxofre? E o que fará o bêbado quando sua língua, seus pulmões, fígado, ossos e tudo mais ferver e fritar no fogo torturante? Ele estará, então, longe de seus barris de bebida forte; e não haverá um poço de água fresca para ele no inferno. E o que será do desgraçado, do cobiçoso, do opressor, do enganador, do verme, cujo ventre nunca se enche de barro (Sl 17.4), quando, no dia de Cristo, o ouro e a prata devem se tornar em cinzas, e ele deve comparecer à corte, e responder ao seu Juiz, e deixar seu céu de barro que não tem valor?

Ai, ai, para sempre seja para o ateu que muda conforme o tempo, que tem um deus e uma religião para o verão, e outro deus e outra religião para o inverno, e o dia da limpeza, quando Cristo irá varrer tudo que está no chão de Seu celeiro; que tem a consciência de toda feira e mercado, e cuja alma corre sobre estas rodas oleadas: o tempo, os hábitos, o mundo e o comando de homens. Oh, se o ateu descuidado, e o homem que dorme, que se protege com “Deus perdoe nossos pastores, se eles estiverem nos conduzindo erradamente, mas precisamos fazer como eles nos mandam”, e deitam a cabeça sobre o seio do tempo e dá sua consciência a um representante, e dorme até a fumaça do fogo do inferno subir-lhe à garganta e o fazer sair de sua triste cama! Oh, se tal homem acordasse! Muitos ais são para os hipócritas excessivamente dourados, cobertos de ouro. Uma condenação pesada é para o mentiroso e para o bajulador; e o livro voador da temível vingança de Deus, de vinte côvados de comprimento por dez côvados de largura, que sai da face de Deus, entrará na casa e na alma daquele que rouba ou dá falso testemunho no nome de Deus (Zc 5.2,3).

Eu anuncio fogo eterno mais quente do que as chamas de Sodoma sobre os homens que fervem em concupiscências imundas de fornicação, adultério, incesto e iniqüidades semelhantes. Nenhum espaço, não, nem a largura de um pé, para tais cães vis dentro da imaculada Jerusalém. Muitos de vós suportam isso dizendo: “Deus nos perdoe, nós não conhecemos nada melhor”.

Eu renovo minha antiga resposta: o Juiz está vindo em labaredas de fogo com todos os Seus poderosos anjos para vingar todos os que não conhecem a Deus e Nele não crêem (2Ts 1.8). Muitas vezes já vos disse que a segurança irá vos destruir.

Todos os homens dizem que têm fé: tantos são os homens e mulheres agora quantos os santos no céu. E todos crêem (vós dizeis) que todo cão imundo é suficientemente limpo e suficientemente bom para a imaculada e nova Jerusalém no céu. Todo homem teve conversão e novo nascimento, mas isso não é genuíno. Eles nunca passaram uma noite de aflição por causa de pecado. A conversão é para eles como um sonho na noite. Com uma palavra, o inferno se esvaziará no Dia do Juízo, e o céu ficará lotado! Ai de mim!

Crer e ser salvo não é nem fácil nem comum. Muitos ficarão, no final, às portas do céu (Lc 13.25). Quando forem verificar sua fé, verificarão que têm um grande nada ou (como costumáveis dizer) um logro. Que frustração lamentável! E vos peço, eu vos rogo em nome de Cristo: apressai-vos na obra de Cristo e na salvação.

Intensa admiração por Cristo

Eu fico pensando se os homens podem viver apartados de Cristo. Eu me consideraria bem-aventurado se pudesse fazer uma proclamação aberta, e juntar todo os que vivem sobre a terra, judeus e gentios, e todos os que nascerão até o soar da última trombeta a fim de se reunirem em torno de Cristo com o propósito de contemplá-Lo, maravilhando-se e admirando-O e adorando Sua beleza e Sua doçura.

Porque Seu fogo é mais quente que qualquer outro fogo, Seu amor mais doce do que o amor comum, Sua beleza supera qualquer outra beleza. Quando estou sobrecarregado e triste, um de Seus olhares de amor me seria o mais vasto bem do mundo. Oh, se vós vos apaixonásseis por Ele, quão bem-aventurado eu seria! Quão satisfeita minha alma ficaria se eu vos ajudasse a amá-Lo.

Porém, entre nós todos, nenhum de nós poderia amá-Lo o suficiente. Ele é o Filho do amor do Pai e o deleite de Deus. O amor do Pai repousa todo sobre Ele. Oh, se a humanidade pudesse apanhar todo o amor que tem e depositá-lo sobre Ele! Convidai-O, e levai-O para vossa casa no exercício da oração matinal e da vespertina, como muitas vezes desejei que fizésseis; especialmente agora, não Lhe deixeis faltar morada em vossa casa, nem ficar nos campos quando Ele é retirado dos púlpitos e das igrejas. Se vós quiserdes conquistar o Céu ao sofrerdes violência, ou sentir o vento em vossa face por causa de Cristo e de Sua cruz, eu aqui sou um que provo da cruz de Cristo, e eu vos posso dizer que Cristo sempre foi bondoso comigo, mas Ele se supera (se é que posso dizer assim) em bondade enquanto sofro por Ele. Eu vos dou minha palavra quanto a isto: que a cruz de Cristo não é tão pesada quanto eles dizem; ela é doce, leve e confortável. A visitação de amor e o sorriso de deleite e os abraços de amor de meu Senhor por causa de meus sofrimentos por Ele, eu não os trocaria por uma montanha de ouro, ou por todas as honras, todos os cortejos e a grandeza de clérigos vestidos de veludo. Cristo tem a gema e o coração do meu amor. “Eu sou do meu Amado, e o meu Bem-Amado é meu.”

Oh, se vós segurásseis firme a mão de Cristo! Oh, meus mui amados no Senhor, que eu mudasse a voz, e tivesse eu uma língua afinada pelas mãos de meu Senhor e tivesse a arte de falar de Cristo, para que eu vos pudesse mostrar o valor e a magnitude e a grandeza e a excelência daquele lindo e renomado Noivo! Eu vos rogo pelas misericórdias do Senhor, pelos suspiros, pelas lágrimas e pelo sangue do coração de nosso Senhor Jesus, pela salvação de vossa pobre, mas preciosa alma: apresentai o monte no qual vós e eu possamos nos encontrar perante o trono do Cordeiro, entre os da congregação dos primogênitos. Que o Senhor permita que aquele seja o lugar do encontro! Que vós e eu venhamos a unir as mãos e colher e comer os frutos da árvore da vida, e que venhamos a festejar juntos e beber juntos daquele puro rio da água da vida que vem do trono de Deus e do Cordeiro!

Oh, quão pequena é vossa mão e curtos os vossos dias aqui! Vossa contagem de tempo é menor do que quando vós e eu começamos. A eternidade, a eternidade está chegando, voando com asas; e então, todos os homens, pretos e brancos, serão trazidos à luz. Oh, quão baixos serão vossos pensamentos sobre esse fruto de pele bonita, mas de coração podre, o mundo vão, vão e fútil, quando os vermes fizerem casa nos buracos de vossos olhos, e comerem as carnes de vossa face e fizerem de vosso corpo um monte de ossos secos!

Não pensem que a maneira comum de servir a Deus, como fazem os vizinhos e outros, vos levarão ao céu. Poucos, poucos são salvos. O cortejo do diabo é denso e numeroso. Ele tem a maior parte da humanidade como seus vassalos.

Eu sei que este mundo é uma floresta de espinhos no vosso caminho para o céu; mas vós tendes que passar por ela. Achegai-vos ao Senhor; firmai-vos em Cristo, ouvi tão-somente Sua voz. Bendizei Seu nome; santificai e guardai santo o Seu dia; guardai o novo mandamento: “Amai-vos uns aos outros”; deixai o Espírito Santo fazer morada em vosso corpo; e sede limpos e santos.

Não ameis o mundo; não mintais; amai e segui a verdade. Aprendei a conhecer a Deus. Tenhais em mente aquilo que eu vos ensinei, porque Deus vos pedirá conta disso quando eu estiver longe de vós. Abstende-vos de todo o mal e de toda aparência do mal. Segui o bem com esmero, e buscai a paz e segui-lhe os passos. Honrai vosso rei e orai por ele.

Um sonoro chamamento a todos

Muitas vezes vos disse, enquanto estava convosco, e agora novamente vos escrevo: pesado, triste e dolorido é o golpe da ira do Senhor que está vindo sobre a Escócia. Ai, ai, ai desta terra prostituída! Pois ela tomará do cálice da ira de Deus de Suas mãos e beberá e vomitará e cairá e não se levantará novamente. Entrem, entrem, entrem depressa para vossa fortaleza, vós, prisioneiros da esperança, e escondei-vos lá até que a ira do Senhor passe (Zc 9.12)! Não sigais os pastores desta terra, pois o Sol já se pôs sobre eles. Como vive o Senhor, eles vos afastam de Cristo, e do bom e velho caminho. Mesmo assim, o Senhor guardará a Cidade Santa, e fará esta Igreja murcha brotar outra vez, como uma rosa e um campo abençoado do Senhor.


[1] Paroquianos de Anwoth: Rutherford foi seu ministro de 1627 a 1638.

 

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Traduzido por Luiz Alcântara de The letters of Samuel Rutherford (1600–1661), pp. 18,19. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.