4 min leitura

Para Robert Cunningham[1]

De Irvine, Escócia, estando eu a caminho do “Palácio de Cristo” em Aberdeen, 4 de agosto de 1636

Consolo a um irmão em tribulação

Graça, misericórdia e paz estejam contigo. Por causa de nossa familiaridade em Cristo, pensei ser bom tomar a oportunidade de escrever a ti. Vendo que pareceu bem ao Senhor da colheita tomar as rédeas de tuas mãos por um tempo, e colocar sobre nós um serviço mais honorável, isto é, sofrer pelo nome Dele, seria bom nos consolarmos mutuamente em cartas. Tenho tido o desejo de ver-te face a face; contudo, sendo agora prisioneiro de Cristo, isso me foi tirado. Estou grandemente confortado por ouvir a respeito de teu firme espírito  de soldado por teu magnífico e real Capitão Jesus, nosso Senhor, e, pela graça de Deus, dos demais queridos irmãos contigo.

Minha própria privação do ministério

Ouviste de minha aflição, suponho eu. Agradou ao nosso doce Senhor Jesus deixar solta a malícia desses senhores interditados em Sua casa para privar-me de meu ministério em Anwoth, e confinar-me à distância de uns doze quilômetros de lá, em Aberdeen; e também (o que não foi feito a ninguém antes) proibir-me de falar no nome de Jesus dentro deste reino, sob pena de rebelião. O motivo que levantou o ódio deles foi meu livro contra os arminianos, de que me acusaram naqueles três dias em que me apresentei perante eles. Mas que reine nosso coroado Rei em Sião! Por Sua graça, a perda é deles, a vantagem é de Cristo e da verdade.

Cristo é digno de nosso sofrimento

Embora essa honrada cruz tenha ganho terreno sobre mim, e minha aflição e meus desafios interiores de consciência por um tempo tenham sido agudos, agora, para o encorajamento de todos vós, ouso dizer e escrever com minha mão:

“Bem-vinda, bem-vinda, doce, doce cruz de Cristo.”

Eu verdadeiramente penso que as cadeias de meu Senhor Jesus são todas cobertas de ouro puro, e que Sua cruz é perfumada, e que tem o aroma de Cristo, e que a vitória será pelo sangue do Cordeiro e pela Palavra de Sua verdade, e que Cristo, apoiado em Seus servos fracos e na verdade oprimida, cavalgará sobre o ventre de Seus inimigos e “ferirá os reis no dia da Sua ira” (Sl 110.5).

Será tempo de rirmos quando Ele rir; e, vendo que agora Lhe agrada assentar-se com os errados por um tempo, isso nos silencia até que o Senhor faça os inimigos desfrutarem do paraíso árido, seco e imprestável deles. Bem-aventurados são os que ficam contentes por sofrerem golpes com o Cristo que chora. A fé confiará no Senhor, e não é impetuosa nem obstinada. Tampouco a fé é tão tímida que favoreça a tentação, ou que venha a subornar ou a seduzir a cruz. É de pouca significância que o Cordeiro e Seus seguidores não obtenham garantia nem trégua com cruzes; é preciso que assim seja até que estejamos na casa de nosso Pai.

Caro irmão, ajudemo-nos uns aos outros com orações. Nosso Rei derrubará Seus inimigos, e Ele voltará de Bozra com Suas vestes tintas de sangue. E, para nossa consolação, Ele aparecerá e chamará Sua esposa de Hefzibá[2] e Sua terra, de Beulá[3] (Is 62.4); porque Ele se regozijará em nós, e nos desposará, e a Escócia dirá: “O que ainda tenho eu com os ídolos?” Sejamos, então, fiéis a Ele que pode cavalgar através do inferno e da morte com uma palha[4], e Seu cavalo jamais tropeça. E façamos a Ele uma ponte sobre águas, e assim Seu alto e santo nome seja glorificado em mim.

Golpes com a doce mão do Mediador são muito doces.

Ele sempre foi doce à minha alma; mas, desde que sofri por Ele, Seu hálito tem um aroma ainda mais doce que antes. Oh, que cada fio de cabelo de minha cabeça, e cada membro e cada osso de meu corpo fosse um homem a fazer uma verdadeira confissão para Ele! Penso que tudo seria muito pouco para Ele. Quando olho além dos limites e além da morte, para o lado sorridente do mundo, eu triunfo e cavalgo sobre os lugares altos de Jacó; contudo, por outro lado, sou um homem desfalecido, desanimado, covarde, muitas vezes derrubado, e faminto, aguardando a ceia das bodas do Cordeiro. Mesmo assim, penso no sábio amor do Senhor que nos alimenta com a fome e deixa-nos gordos de desejos e deserções.[5]


[1] Robert Cunningham, eminente ministro do evangelho em Holywood, Irlanda do Norte. Em 1636, ele e outros foram expulsos da Irlanda por prelatícios [defensores do prelado, do governo da igreja por bispos; episcopais]. Ele se estabeleceu em St. Irvine, no condado de Ayrshire (sudeste da Escócia). Morreu em março de 1637, quase oito meses depois que Rutherford lhe escreveu.
[2] Heb.: “meu prazer está nela”
[3] Heb.: “desposada”
[4] Metaforicamente, algo banal, insignificante.
[5] Fome e desejos pelas coisas celestiais e deserções quanto às coisas deste mundo.

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Traduzido por Luiz Alcântara de The letters of Samuel Rutherford (1600–1661), pp. 5, 6. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.