5 min leitura

Para o Terratenente de Carleton [1]

Aberdeen, 14 de março de 1637

Eu tenho Alguém lá em cima que não me esquece; Ele cresce em Sua bondade. Aprouve à santa Majestade Dele tirar-me do púlpito e me ensinar muitas coisas, em meu exílio e prisão, que até então eram mistérios para mim, tais como:

Crescente percepção do amor de Deus

1. Eu vejo Seu amor e Sua bondade sem limites, e como meus ciúmes e delírios, quando da minha entrada neste forno, eram tolos e ousados a ponto de dizer a Cristo, que é a própria Verdade, em Seu rosto: “Tu mentiste”. Eu quase perdi o controle; fiquei imaginando se aquilo era de Cristo ou não; pois a bruma e a fumaça de meu coração perturbado me fizeram mal interpretar meu Mestre, Jesus. Minha fé estava fraca, e a esperança, fria e congelada; e meu amor, que causou ciúmes, tinha algum calor e fumaça, mas não tinha nenhuma chama. Estava eu, no entanto, procurando algo de bom no antigo clamor de Cristo a mim, embora eu tivesse perdido todos os meus direitos. Mas o tentador estava demasiadamente sobre minhas opiniões, e ainda estava soprando a brasa. Ai de mim!

Antes eu não sabia bem com que habilidade meu Intercessor e Advogado, Cristo, me defendia e me perdoava de tais tolices. Agora Ele voltou à minha alma “com cura em Suas asas” (Ml 4.2); e em nada estou em falta com Cristo agora, pois Ele me recompensou acima da medida, por Sua presença, a dor que sofri por esperar, e qualquer perda menor que suportei por meu testemunho contra os males feitos a Ele.

Eu suponho que tenha sido doloroso para meu Senhor esconder-se por mais tempo. De certa maneira, Ele estava desafiando Sua própria crueldade e se arrependeu de Suas tristezas. E agora, o que mais posso querer eu na Terra que Cristo dê a um prisioneiro? Oh, como Ele é doce e amável agora! Ai de mim! Porque não tenho ninguém para me ajudar a erguer meu Senhor Jesus a Seu trono, sobre toda a Terra!

Resignação

2. Fui agora trazido a alguma medida de submissão, e resolvi esperar até ver o que meu Senhor Jesus fará comigo. Eu agora não ouso apelidar, ou dizer uma palavra contra a Providência de meu Senhor, que tudo vê e que a tudo assiste. Eu vejo que a Providência não corre com rodas quebradas; mas eu, como tolo, entalhei uma Providência para meu próprio lazer, para morrer em meu ninho, e dormir quieto até meus cabelos se tornarem grisalhos, e ficar no lado ensolarado da montanha, em meu ministério em Anwoth. Mas agora nada tenho a dizer contra uma lareira emprestada e à casa de outro homem, nem às tendas de Quedar, onde vivo, sendo afastado para longe de meus conhecidos, de meus entes queridos e de meus amigos. Vejo que Deus tem o mundo sobre Suas rodas, e o modela na roda como o oleiro faz com o vaso sobre a roda. Eu não ouso dizer que há qualquer movimento desordenado ou irregular na Providência. O Senhor é quem a faz. Eu não irei à lei com Cristo, pois nada ganharia com isso.

Morte para o mundo

3. Tenho aprendido uma mortificação maior, e não me lamento por isso nem procuro sugar os peitos secos do mundo. Não; meu Senhor encheu-me com tantas delícias que eu me sinto como o conviva de um banquete que dele está cheio, cuja alegria não é simples.

Por que deveria eu cair de joelhos e adorar o grande ídolo da humanidade: o mundo? Eu tenho um Deus melhor do que um deus de barro.

Não; agora, no lugar em que estou colocado, eu não me importo muito em dar a este mundo o resgate de minha vida – entregá-la por pão e água. Eu sei que este mundo não é o meu lar, nem a casa de meu Pai; ele não passa de estrado dos pés de Deus, um lugar árido e vazio. Que os bastardos o tomem; espero nunca pensar em me associar a eles para ter honra ou riquezas. Não, agora eu digo rindo: “Tu és loucura”.

Tentações

4. Penso ser a pura verdade que a maior tentação fora do inferno é viver sem tentações. Se minhas águas ficassem paradas, elas apodreceriam. A fé é melhor quando se enfrentam o vento e a fria tempestade de inverno. A graça murcha sem adversidades. O diabo não passa de um mestre-esgrimista de Deus, para nos ensinar a manejar nossas armas.

Enfermidades

5. Eu não sabia o quanto eu era fraco até agora, quando Ele se esconde, e eu preciso procurá-Lo sete vezes ao dia. Eu sou um galho seco e murcho, e um pedaço de carcaça morta, ossos secos, e incapaz de pisar em uma palha. Os pensamentos sobre meus antigos pecados me são como intimações da morte; e o caso de meu falecido irmão me atingiu o coração. Quando minhas feridas estão fechando, qualquer pequena irritação as faz sangrar novamente. De tão fina pele é minha alma que eu penso que ela é como a pele sensível de um homem que nada pode tocar; tu percebes de quão perto eu teria de alvejar o prêmio, se a Sua graça não fosse suficiente para mim.


[1] John Fuflarton, Terratenente de Carleton. Carleton ficava na paróquia de Borgue, não muito distante de Anwoth.

 

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Traduzido por Luiz Alcântara de The letters of Samuel Rutherford (1600–1661), pp. 10,11. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.