Muitos daqueles que suspiram, ansiando pela graça de dar fruto, nunca aprenderam a profunda lição da cruz de Cristo. Não podemos morrer no sentido mais estrito em que Jesus morreu. Jamais poderemos oferecer, por nossa morte, substituição, sacrifício ou expiação. Contudo, há um sentido em que precisamos beber profundamente da morte do Senhor se realmente quisermos dar fruto.

Se quisermos salvar outros, não podemos salvar a nós mesmos. Se quisermos ajudar outros, teremos de nos contentar em ser impotentes. Se quisermos receber enxertos da oliveira selvagem, teremos de aceitar o corte da faca de poda. Se quisermos encher o mundo com a doce fragrância de perfume precioso, teremos de nos tornar vasos quebrados.

Os ramos mais frutíferos são aqueles que sofreram as podas mais severas, tirando folhagens e rebentos, a fim de que a seiva pudesse acumular-se nos cachos em desenvolvimento. “Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna” (Jo 12.25).

Você que anseia pela vida plena e abundante em Jesus, ouse olhar no rosto de Deus e diga-Lhe que não mais escolherá seu próprio caminho, mas que está disposto a segui-Lo até a morte, se esse for o único portal para a vida. Então, espere que Ele lhe ensine cada passo que deve ser tomado no meio das sombras cada vez mais escuras que o separam da vida frutífera, que é sua verdadeira herança.

Cristo, Aquele que já passou pela morte, conhece cada curva no vale e cada lugar de passagem pelo rio. Ele não comete erros nem nos conduzirá por uma trilha mais perigosa do que seria necessário. Veja pelas Suas pegadas, de pés traspassados, como já passou por esse caminho, muitas e muitas vezes, com todos aqueles que trouxe até aqui e conduziu até o final.

Ele não o teria trazido por esse caminho se você não fosse capaz de suportá-lo ou se Ele não fosse capaz de carregá-lo, em situações mais críticas. Como Ele está presente, não deixe de clamar Seu nome, cem vezes por dia, se necessário for, repetindo-o como antídoto à dor: “Jesus! Jesus! Jesus!”

Há momentos em tais experiências quando a voz Dele pode ser ouvida claramente, dando tranqüilidade ao coração ao reafirmar Suas promessas. Em outras ocasiões, parece impossível detectar Sua voz. Nesses casos, Ele infunde força no nosso interior de maneira mais sutil e sensível e, em vez de fortalecer-nos com palavras, torna-se, por Sua própria presença, a força e a porção de nosso coração para sempre.

Assim precisa ser para sempre. O dia nasce da noite, a primavera, do inverno, as flores, da geada, a alegria, da angústia, a frutificação, da poda, o Monte das Oliveiras, do Getsêmani, a ascensão, do Calvário, a vida, da morte e o Cristo formado em nós, das dores de uma criação em processo de parto.

Fonte

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.