2 min leitura

“Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também no nosso corpo” (2Co 4.10).

Existem valores no Cristo ressurreto para nosso corpo agora. Sua vida ressurreta pode energizar esse corpo agora; não para, no presente, transformá-lo à semelhança de Seu corpo glorioso, mas para estimulá-lo ao serviço. Há vida ressurreta para os corpos mortais agora, porém ela deve ser possuída, escolhida e evocada deliberadamente. É inútil para mim quando estou doente e fraco sentar e dizer: “Ó Senhor, levanta-me e faça-me sentir-me bem!” O Senhor nunca age assim.

Uma coisa aprendi: que em tempos de desesperada fraqueza e abatimento físico, de completa inabilidade, qualquer tipo de visitação do Senhor sempre é precedida por Ele fazendo-me apegar-me a Ele. O Senhor nunca vem e me faz sentir subitamente pleno, cheio de vida e de disposição. Conheço bem o momento quando o Senhor, não em voz audível, mas, quando muito, com uma sugestão, um lembrete, diz: “Usufrua da Vida; tire partido de Mim como sua Vida!” Não houve palavras faladas, mas uma sugestão que produziu um efeito: chegou o tempo de repudiar o atual estado e lançar mão de Cristo como Vida! É como uma renovação para mais um tempo de serviço. O Senhor não nos toma como um robô; antes nos leva a cooperar com Ele mesmo no princípio de Sua Vida ressurreta. Encontramos todas as riquezas do Cristo ressurreto por meio de nossa deliberada e definitiva possessão de Sua vida sublime. Ou seja, ao repudiar Adão, quer seja no corpo, na alma ou no espírito, e ao permanecer em Cristo em qualquer que seja a necessidade. Ela é espiritual? Mental? Sentimental? Diz respeito à vontade? Ao corpo? O essencial é permanecer continuamente em Cristo nas situações […] Todo reino da experiência de Cristo e sua abrangência dependem dessa Vida ressurreta em nós e de nosso desfrute dela, permanecendo nela. O Senhor nos mostre mais o que isso significa.


(Traduzido por Tathyane Faoth. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria, tradução, revisão e fonte e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.