33 min leitura

Você sabe qual é a causa de sua doença?

Qual o propósito da enfermidade?

Há algumas questões com respeito à doença que gostaríamos de considerar juntos diante de Deus.

1. A relação entre doença e pecado

Antes da queda da humanidade, não existia nenhuma espécie de enfermidade; a doença surgiu somente depois que o homem pecou. Alguém pode dizer que, de forma geral, tanto a doença como a morte resultaram do pecado, pois pela transgressão de um homem o pecado e a morte entraram no mundo (Rm 5.12). A doença se espalhou a todos os homens assim como a morte.

Embora nem todos tenham pecado da mesma maneira que Adão, todavia, por causa da transgressão dele todos morrem. Onde há pecado há morte também. Entre esses dois está aquilo que comumente chamamos de doença. Esse é, então, o fator comum a todas as doenças. Porém, há realmente mais de uma causa a ser explicada sobre os males que atacam as pessoas. Algumas doenças brotam de pecado, enquanto outras não. No tocante à humanidade, a doença não vem de pecado; mas, com relação ao indivíduo, isso pode ser ou não a causa. Precisamos distinguir entre essas duas aplicações da doença. É absolutamente verdadeiro que se não houvesse pecado não haveria nem morte nem doença; pois, se não houvesse morte no mundo, como poderia haver doença? A morte brota do pecado, e a enfermidade vem pelo princípio da morte. Mesmo assim, isso não pode ser aplicado especifica e indiscriminadamente a todo indivíduo, pois, embora muitos fiquem doentes por causa do pecado, há outros que adoecem por razões outras que não o pecado. Nessa questão do relacionamento entre pecado e doença, devemos fazer uma distinção cuidadosa entre sua aplicação à humanidade como um todo e sua aplicação aos homens individualmente.

Devemos lembrar que, em livros do Antigo Testamento como Levítico e Números, a promessa de Deus era que, se o povo de Israel Lhe obedecesse, andasse em Seus caminhos, não se rebelasse com Seus caminhos, não se rebelasse contra Suas leis e não pecasse contra Ele, então, o Ele os protegeria de muitas enfermidades. Essas palavras claramente nos ensinam que muitas doenças têm origem no pecado ou na rebelião contra Deus. Todavia, no Novo Testamento, vemos que algumas doenças não foram causadas por qualquer transgressão cometida pela pessoa.

Paulo escreveu certa vez que entregava a Satanás para a destruição de sua carne o homem que tinha pecado, vivendo com a mulher do pai (1Co 5.4,5). Isso indica definitivamente que algumas doenças procedem do pecado. A conseqüência do pecado é doença, se o pecado for leve, ou morte, se for grave. A julgar pelas palavras de 2Coríntios 7, esse homem não ficou doente ao ponto de morte porque seu pesar produziu arrependimento que o levou à salvação e não trouxe desgosto (vv. 9,10). Paulo pediu à igreja em Corinto para perdoar esse homem (2.6,7). Em 1Coríntios 5 é dito para entregar a carne desse homem (não sua vida) a Satanás; ele devia ficar doente, mas não ser morto.

Paulo, além disso, escreveu que os membros da igreja em Corinto, que comiam e bebiam do pão e do cálice do Senhor sem discernir o corpo do Senhor, haviam ficado fracos e doentes e alguns haviam até morrido (11.29,30). Isso revela que a desobediência ao Senhor foi a causa da doença deles.

As Escrituras fornecem informação suficiente no sentido de que muitos (mas não todos) ficam doentes por causa do pecado. Desse modo, a primeira atitude que devemos tomar quando ficarmos doentes é nos examinar a fim de determinar se pecamos ou não contra Deus. Pelo exame, muitos descobrirão que seus males são, na verdade, devidos ao pecado; em algum ponto de sua vida rebelaram-se contra Deus ou desobedeceram a Sua Palavra. Eles se desviaram. Tão logo esse pecado particular seja encontrado e confessado, a doença desaparecerá. Incontáveis irmãos e irmãs no Senhor têm passado por experiências assim. Logo depois da causa ser descoberta diante de Deus, a doença se vai. Esse é um fenômeno que ultrapassa o conhecimento da medicina.

A doença não surge necessariamente do pecado, porém, grande parte dela tem essa origem. Reconhecemos que muitas moléstias têm causas naturais, mas declaramos igualmente que não podemos atribuir toda doença a causas naturais.

Lembro-me de um irmão, professor numa escola de medicina, que ensinou a seus alunos: “Temos encontrado muitas explicações naturais para as doenças. Por exemplo: certo tipo de microrganismo causa um tipo particular de doença. Como médicos, podemos determinar que tipo de agente produz tal tipo de enfermidade, mas não temos como explicar porque, entre certas pessoas igualmente expostas, algumas são contaminadas enquanto outras permanecem imunes. Suponhamos, por exemplo, que dez pessoas entrem no mesmo cômodo simultaneamente e sejam expostas ao mesmo tipo de vírus. Deveríamos esperar que as mais fracas fossem contaminadas; todavia, pode perfeitamente acontecer de as fracas serem poupadas e as fortes, atacadas. Temos de reconhecer”, ele concluiu, “que além das causas naturais existe o controle da Providência”. Pessoalmente concordo com as palavras desse irmão. Quão frequentemente as pessoas adoecem a despeito de toda medida preventiva.

Também me lembro do que me foi relatado por um de meus colegas sobre sua experiência na Faculdade Médica de Pequim. Havia um professor na faculdade que tinha muito conhecimento, mas pouca paciência. Por isso, frequentemente fazia perguntas simples nos exames. Uma vez ele perguntou por que as pessoas contraíam a tuberculose. Era uma pergunta bastante simples; porém, muitos falharam em dar a resposta certa. Eles responderam que certo tipo de pessoa tinha o bacilo da tuberculose. Todas as provas que continham essa resposta foram consideradas erradas. O professor explicou que a terra estava cheia de bacilos da tuberculose, mas que nem todos eram abatidos pela tuberculose. É somente sob certas condições favoráveis, ele lembrou, que esses bacilos causam a doença chamada tuberculose. Os bacilos por si só não podem causar a doença. Muitos estudantes esqueceram a importância dessas condições favoráveis. Estejamos cientes, portanto, que, a despeito da presença de muitos fatores naturais, os cristãos só adoecem com a permissão de Deus, dada sob condições apropriadas.

A doença não surge necessariamente do pecado, porém, grande parte dela tem essa origem.

Cremos francamente que existem explicações naturais para a doença; isso tem sido provado cientificamente. Confessamos, todavia, que muitas moléstias entre os filhos de Deus são conseqüência do pecado contra Deus, como o caso citado em 1Coríntios 11. É, portanto, essencial pedir primeiro perdão e depois cura. Freqüentemente podemos detectar, logo depois de termos sido abatidos com doença, onde transgredimos contra o Senhor ou como temos sido desobedientes a Sua Palavra. Quando o pecado é confessado e o problema, resolvido, a doença se vai. Isso é realmente um acontecimento maravilhosíssimo. De forma que o ponto inicial que precisamos conhecer é a relação entre pecado e doença. De forma geral, a doença resulta do pecado, e, também individualmente, ela pode resultar do pecado.

2. A obra do Senhor e a doença

“Verdadeiramente Ele tomou sobre Si as nossas enfermidades e nossas dores levou sobre Si; e nós O reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas Ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades” (Is 53.4,5). De todos os escritos do Antigo Testamento, o capítulo 53 de Isaías é o mais citado no Novo Testamento. Ele faz referências ao Senhor Jesus Cristo principalmente como nosso Salvador. O verso 4 afirma que “Ele tomou sobre Si as nossas enfermidades e nossas dores levou sobre Si”, enquanto Mateus 8.17 declara que isso [o ministério de cura do Senhor] aconteceu “para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta Isaías, que diz: ‘Ele tomou sobre Si as nossas enfermidades e levou as nossas doenças”. O Espírito Santo indica aqui que o Senhor Jesus veio ao mundo para tomar nossas enfermidades e carregar nossas doenças. Antes de Sua crucificação Ele já tinha tomado nossas enfermidades e carregado nossas doenças; isso quer dizer que durante Seu ministério terreno o Senhor Jesus fez da cura Seu encargo e tarefa. Ele não somente pregou, mas também curou.

Ele, por um lado, pregou as boas-novas, mas por outro fortaleceu o fraco, restaurou a mão mirrada, purificou o leproso e levantou o paralítico. Enquanto estava sobre a terra, o Senhor Jesus devotou-se à realização de milagres como também ao ministério da Palavra. Ele saiu fazendo o bem: curou os doentes e expulsou os demônios. O propósito de Sua obra foi destruir a doença, o resultado do pecado. Ele veio para tratar com a morte e a doença, como também com o pecado.

O salmo 103 é familiar a muitos filhos de Deus; eu mesmo gosto muito de lê-lo. Davi proclama: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor; e tudo o que há em mim bendiga o Seu santo nome.” Por que bendizer ao Senhor? “Bendize, ó minha alma, ao Senhor e não te esqueças de nenhum de Seus benefícios.” Quais são os Seus benefícios? “Ele é o que perdoa todas as tuas iniqüidades, que sara todas as tuas enfermidades” (vv. 1-3). Desejo que os irmãos vejam que a doença está associada com dois elementos: morte por um lado, e pecado do outro. Mencionamos anteriormente como a morte é o resultado do pecado, com a doença incluída nela. Tanto a doença como a morte brotam do pecado. Aqui no salmo 103 vemos que a doença está associada com o pecado. Por causa do pecado na alma existe doença no corpo. Junto com o perdão de nossa iniqüidade vem a cura de nossa doença. O problema no corpo é o pecado por dentro e a doença por fora. Mas o Senhor Jesus tira ambos.

Todavia, existe uma diferença básica entre o tratamento de Deus para com nossa iniqüidade e Seu tratamento de nossa doença. Por que essa diferença? Nosso Senhor carregou nossos pecados em Seu corpo sobre a cruz. Algum pecado permanece sem perdão? Nenhum absolutamente, pois a obra de Deus é tão completa que o pecado é totalmente destruído. Mas, quanto ao tomar nossas enfermidades e carregar nossas doenças enquanto vivia na terra, o Senhor Jesus não erradicou todas as doenças e todas as enfermidades. Pois observe que Paulo nunca diz: “Quando peco, então, estou santificado”, mas declara: “Quando estou fraco, então, sou forte” (2Co 12.10). Portanto, o pecado é tratado completa e ilimitadamente, enquanto a doença o é em parte.

Na redenção de Deus, o tratamento da doença é diferente do tratamento do pecado. Com o último, sua destruição é totalmente ilimitada; com o anterior não é assim. Timóteo, por exemplo, continuou tendo um estômago fraco. O Senhor permitiu que essa doença permanecesse em Seu servo. Assim, na salvação de Deus a doença não foi erradicada tão completamente como o pecado. Alguns afirmam que o Senhor Jesus trata somente com o pecado e não com a doença também; outros imaginam que a esfera do Seu tratamento da doença é tão ampla e inclusiva quanto Seu tratamento do pecado. Todavia, as Escrituras manifestamente indicam que o Senhor Jesus trata tanto com o pecado como com a doença; só que Seu tratamento com o pecado é ilimitado, enquanto com a doença é limitado. Devemos contemplar o Cordeiro de Deus tirando todo o pecado do mundo. Ele carregou o pecado de cada uma e de todas as pessoas1. O problema do pecado, portanto, já está resolvido. Entretanto, a doença ainda tem acesso aos filhos de Deus.

Porém, nós asseveramos que, visto o Senhor Jesus ter realmente levado nossas doenças, não deveria haver tanta enfermidade como há entre os filhos de Deus. Enquanto Jesus esteve na terra, Ele indubitavelmente dedicou-se à cura dos doentes. Ele incluiu a cura em Sua obra. Isaías 53.4 cumpriu-se em Mateus 8, não em Mateus 27. Ela foi realizada antes do Calvário. Tivesse sido realizada na cruz, a cura seria ilimitada. Mas não: o Senhor Jesus levou nossas enfermidades antes de Sua crucificação, com o resultado de que esse aspecto de Sua obra não é ilimitado como foi o carregar de nossos pecados por Ele.

Mesmo assim, inúmeros santos permanecem doentes porque perderam a oportunidade de serem curados. Deixem-me acrescentar mais algumas palavras sobre esse ponto. A menos que tenhamos a segurança que Paulo teve após orar três vezes, de que sua fraqueza permaneceria porque seria útil para ele, nós devemos pedir a cura. Paulo só aceitou sua fraqueza depois de orar pela terceira vez e de lhe ter sido mostrado distintamente pelo Senhor que Sua graça era suficiente para ele e que Sua força seria aperfeiçoada na fraqueza dele. A menos que tenhamos certeza de que Deus quer que levemos nossa fraqueza, nós devemos pedir ousadamente que Ele mesmo a leve e tire nossa doença. Os filhos de Deus vivem sobre a terra não para ficar doentes, mas para glorificar a Deus. Se ficarem doentes e trouxerem glória a Deus, isso é ótimo; mas muitas doenças não O glorificam necessariamente. Conseqüentemente, devemos aprender a confiar no Senhor enquanto estamos doentes e devemos reconhecer que Ele carrega nossa doença também. Ele curou um grande número de pessoas enquanto estava na terra. E Ele é o mesmo ontem, hoje e para sempre. Entreguemos nossa enfermidade a Ele e peçamos a Ele pela cura.

3. A atitude do crente com respeito à doença

Toda vez que o cristão ficar doente, a primeira coisa a fazer é investigar a causa do mal diante do Senhor, não devendo ficar ansioso demais pela cura. Paulo estabelece um bom exemplo nos mostrando como ele conhecia bem sua fraqueza. Devemos examinar se temos desobedecido ao Senhor, se pecamos em algum lugar, se devemos algo a alguém, se violamos alguma lei natural ou se negligenciamos alguma obrigação especial. Devemos saber que nossa quebra da lei natural freqüentemente pode constituir pecado contra Deus, pois foi Ele quem estabeleceu essas leis naturais pelas quais governa o universo. Muitos têm medo de morrer; quando adoecem buscam apressadamente os médicos, porque estão ansiosos para serem curados. Essa não deve ser a atitude do cristão. Ele deve primeiro procurar isolar a causa de sua doença. Infelizmente, quantos irmãos e irmãs não têm qualquer paciência. No momento em que adoecem, procuram pelo remédio. Você está tão temeroso de perder sua preciosa vida que, por meio da oração, você se apega a Deus para a cura, mas simultaneamente se apega ao médico para os remédios e injeção? Isso revela quão cheio do ego você está. Mas como poderia estar menos cheio do ego na doença se nos dias comuns você está cheio do ego? Aqueles que geralmente estão cheios do ego serão aqueles que buscarão ansiosamente pela cura tão logo fiquem doentes.

Aprenda a aceitar qualquer lição que a doença possa lhe trazer.

Posso lhes dizer que a ansiedade de nada vale? Visto que você pertence a Deus, sua cura não é tão simples. Mesmo que você seja curado dessa vez, ficará doente de novo. É preciso que se resolva o problema diante de Deus primeiro, e depois poderá ser resolvido o problema no corpo.

Aprenda a aceitar qualquer lição que a doença possa lhe trazer. Porque se você tiver tratos com Deus, muitos dos seus problemas serão resolvidos rapidamente. Você descobrirá que frequentemente sua doença é devida a algum pecado ou falta. Após confessar seu pecado e pedir perdão, você pode esperar a cura de Deus. Ou, se você tiver avançado um pouco mais com seu Senhor, talvez possa discernir que o ataque do inimigo está envolvido nisso. Ou a questão da disciplina de Deus pode estar associada com sua falta de saúde. Deus corrige você com doença para torná-lo mais santo, mais maleável ou submisso. Quando você trata destes problemas diante de Deus, poderá ver a razão exata de sua enfermidade. Algumas vezes Deus poderá permitir que você receba alguma ajuda médica, mas em outras Ele poderá curá-lo instantaneamente sem tal assistência.

Devemos ver que a cura está nas mãos de Deus. Aprenda a confiar Naquele que cura. No Antigo Testamento Deus tem um nome especial que é: “Eu sou o Senhor que te sara” (Êx 15.26). Busque-O, e Ele será gracioso para com os Seus nesta questão particular.

O passo inicial que o crente deve, portanto, dar quando fica doente é descobrir a causa; depois, ele pode recorrer a vários e diferentes modos de cura, um dos quais é chamar os presbíteros da igreja para orar e ungi-lo com óleo. Essa é a única ordem na Bíblia com respeito à doença. “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados” (Tg 5.14,15).

Não se apresse em buscar a cura, mas antes tenha tratos com Deus, logo no início da doença. Uma das coisas a ser feita, então, é chamar os anciãos da igreja para ungir você com óleo. Isso fala do fluir do óleo do Cabeça a você, como um dos membros do Corpo. O óleo que o Cabeça recebe corre pelo Corpo inteiro. Como membro do Corpo de Cristo, alguém pode esperar que o óleo no Cabeça flua até ele. Onde a vida flui, a doença é levada. O propósito da unção é, portanto, trazer o óleo do Cabeça. Por causa da desobediência, do pecado ou talvez por alguma outra razão, o crente colocou-se fora da circulação do Corpo e separou-se da vida do Corpo. Por conseguinte, ele precisa chamar os anciãos da igreja para reinstalá-lo na circulação e no fluxo da vida do Corpo de Cristo2. Acontece exatamente como no corpo físico, pois, quando algum de seus membros está prejudicado, a vida do corpo não pode fluir livremente para ele. Portanto, a unção é para restaurar esse fluxo. Os anciãos representam a igreja local; eles ungem o crente em nome do Corpo de Cristo a fim de que o óleo do Cabeça possa fluir para ele novamente. Que venha o óleo do Cabeça sobre aquele membro para o qual a vida tem sido obstruída! Nossa experiência nos diz que essa unção pode levantar de modo instantâneo o que está seriamente doente.

Aprenda a confiar Naquele que cura.

Algumas vezes, alguém identifica a explicação para sua doença como sendo individualismo. Essa pode ser a causa principal da doença. Alguns cristãos são altamente individualistas. Eles fazem tudo conforme sua própria vontade. Fazem tudo por si mesmos. Se a mão de Deus vem sobre eles, eles adoecem, porque o suprimento do Corpo não atinge esses membros. Eu não ouso simplificar demais esse assunto. As causas para a doença podem ser muitas e variadas. Uma doença pode ser por desobediência ao mandamento do Senhor, recusa em realizar Sua vontade; outra pode ser por algum pecado particular cometido; mas outra ainda pode ser conseqüência de individualismo. No caso de certos indivíduos, Deus ignora o assunto e não disciplina; mas, especialmente no caso daqueles que conhecem a igreja, Ele os corrige com doenças caso comecem a agir independentemente. O Senhor não deixará que esses sigam sem alguma disciplina.

É possível também que a enfermidade seja a conseqüência de um corpo maculado. Se alguém profanar seu corpo, Deus destruirá esse templo. Muitos estão enfermos porque corrompem seu corpo.

Em resumo, portanto, dizemos que nenhuma doença acontece sem uma causa. Se um cristão contrai uma doença, ele deve tentar localizar a causa ou causas. Depois de confessá-las uma a uma diante de Deus, ele deve chamar os anciãos da igreja para que possam confessar uns aos outros e orar uns pelos outros. Os anciãos ungirão o doente com óleo para que a vida do Corpo de Cristo lhe possa ser restaurada. O influxo da vida fará desaparecer a doença. Cremos nas causas naturais, mas adicionalmente devemos afirmar que as causas espirituais têm prioridade sobre as naturais. Se as espirituais forem cuidadas, a doença será curada completamente.

4. A correção de Deus e a doença

Um fato maravilhoso é encontrado na Bíblia: é relativamente fácil que um “pagão” seja curado, mas a cura do cristão não é tão fácil. O Novo Testamento nos mostra claramente que, sempre que um incrédulo busca o Senhor, ele é curado imediatamente. O dom da cura é dado tanto aos irmãos quanto aos não-crentes. Todavia, a Bíblia fala de alguns crentes que não foram curados; entre eles estão Trófimo, Timóteo e Paulo. E esses são os melhores entre os irmãos. Paulo deixou Trófimo doente em Mileto (2Tm 4.20). Ele exortou Timóteo para que usasse um pouco de vinho por causa do seu estômago e de suas freqüentes enfermidades (1Tm 5.23). O próprio Paulo experimentou um espinho na carne, que o fez sofrer muito, sendo reduzido a grande fraqueza (2Co 12.7). Seja qual for a natureza do espinho – problema nos olhos ou alguma outra doença –, ele maltratava a carne de Paulo. Há pessoas que sentem grande incômodo quando o dedo é ferido por um espinho. O de Paulo, todavia, era um espinho enorme. Ele o incomodou tanto que Paulo só podia descrever sua condição física como fraqueza. Os três que foram citados são irmãos por excelência; porém, nenhum foi curado. Eles tiveram de suportar a doença.

É evidente que a doença difere bastante do pecado em suas conseqüências. O pecado não produz nenhum fruto de santidade, mas a doença, sim. Quanto mais uma pessoa peca, mais corrupta se torna; a doença, porém, produz o fruto da santidade, porque a mão disciplinar de Deus está sobre o doente. Sob tais circunstâncias, convém que o filho de Deus aprenda a como submeter-se à poderosa mão de Deus.

A doença por si só não torna um homem santo, mas o fato de aceitar sua lição produz santidade.

Se alguém está doente, deve tratar de toda causa de sua doença diante do Senhor. Se depois de tratar de tudo, a mão de Deus ainda permanecer sobre ele, ele deve então entender que essa enfermidade tem o propósito de refreá-lo para que não seja orgulhoso, libertino ou por alguma outra razão. Ele deve aceitá-la e aprender sua lição. Ficar doente não terá valor se a lição não for aprendida. A doença por si só não torna um homem santo, mas o fato de aceitar sua lição produz santidade. Alguns pioram espiritualmente durante a doença; tornam-se mais egocêntricos. É por isso que o indivíduo deve descobrir a lição nessas ocasiões. “Que proveito ou fruto pode ser extraído dela? A mão de Deus está sobre mim para me manter mais humilde como Ele fez com Paulo, para que eu não me exalte pela excelência das revelações (2Co 12:7)? Ou é porque Deus deseja enfraquecer meu individualismo obstinado?” Qual a utilidade da doença se ela não induz a aprender a lição da fraqueza? Muitos estão doentes em vão, porque jamais aceitam o tratamento do Senhor para seus problemas particulares.

Não olhe para a doença como sendo algo terrível. Na mão de quem está essa faca? Lembre-se de que ela está na mão de Deus. Por que devemos ficar ansiosos por nossa enfermidade como se ela estivesse na mão do inimigo? Saiba que Deus mediu todas as nossas doenças. Para ser correto, Satanás é o originador delas; é ele quem torna as pessoas doentes. Todavia, todos os que leram o livro de Jó reconhecem que isso ocorre apenas mediante a permissão de Deus e está completamente sob a restrição de Deus. Sem a permissão de Deus, Satanás não pode tornar ninguém doente. Deus permitiu que Jó fosse atacado por uma doença, mas observe que Ele não permitiu que o inimigo tocasse em sua vida. Por que, então, ficamos tão agitados, tão cheios de desespero, tão ansiosos para sermos curados, tão temerosos de morrer quando somos abatidos pela doença?

Sempre é bom ter em mente a lembrança de que a doença está na mão de Deus. Ela foi medida e limitada por Ele. Depois que Jó cumpriu o curso de sua prova, sua doença terminou, pois tinha realizado seu propósito nele: “Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu, porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso” (Tg 5.11).

Que vergonha tantos doentes sem reconhecerem o propósito da doença e sem aprender sua lição! Todas as enfermidades estão na mão do Senhor e são medidas para nós, para que possamos aprender nossas lições. Quanto mais cedo aprendemos, mais rápido essas enfermidades passarão.

Falando francamente, muitos estão doentes porque amam demais a si mesmos. A menos que o Senhor lhes remova esse amor próprio do coração, Ele não pode usá-los. Portanto, devemos aprender a ser aqueles que não amam a si mesmos. Algumas pessoas não pensam em mais nada senão em si mesmas. O universo inteiro parece girar ao redor delas. Elas são o centro da terra e do universo. Dia e noite estão ocupadas consigo mesmas. Toda criatura existe para elas e tudo roda a seu redor. Até mesmo Deus, nos céus, é para elas, Cristo é para elas, a igreja também. Como Deus pode destruir esse egocentrismo? Por que algumas doenças são difíceis de serem curadas? Quão propositalmente solicitam a condolência dos homens! Se rejeitassem a condolência humana, suas doenças logo seriam curadas.

Falando francamente, muitos estão doentes porque amam demais a si mesmos.

Um fato notável é que muitos estão doentes porque gostam de ficar doentes. Na doença recebem a atenção e o amor que comumente não desfrutam na saúde. Eles se tornam doentes com freqüência para que possam habitualmente ser amados. Tais pessoas precisam ser repreendidas com severidade; se estivessem dispostas a receber o tratamento de Deus nessa questão particular logo ficariam boas.

Conheço um irmão que sempre esperava amor e bondade dos outros. Sempre que lhe perguntavam sobre seu bem-estar, ele habitualmente respondia com queixas sobre sua fraqueza física. Ele dava um relatório detalhado de quantos minutos sofreu com febre, quanto tempo durou a dor de cabeça, quantas vezes por minuto respirou e quão irregular era a batida do coração. Ele vivia em constante desconforto. Gostava de contar às pessoas sua angústia para que pudessem se compadecer dele. Nada tinha para relatar senão sua história de doença interminável. E às vezes queria saber por que não era nunca curado.

É difícil falar a verdade [a pessoas assim] e algumas vezes pode custar caro. Um dia, me senti fortalecido interiormente para lhe dizer de maneira cândida que sua longa doença era devida a seu amor pela enfermidade. Ele naturalmente negou-o. Todavia, eu continuei apontando a ele: “Você tem medo que sua doença o deixe. Você se apega à condolência, ao amor e ao cuidado. Como não pode conseguir essas coisas de outra forma, você as obtém ficando doente. Você deve se livrar desse desejo egoísta antes que Deus possa curá-lo. Quando as pessoas perguntarem como está, deve aprender a dizer que ‘tudo está bem’. Seria isso mentir quando não passou bem a noite? Lembre-se da história da mulher em Sunem. Ela deitou o filho morto na cama do homem de Deus e foi ver Eliseu. Quando lhe foi perguntado: ‘Vais bem? Vai bem teu marido? Vai bem teu filho? Ela respondeu: Vai bem’ (2Rs 4.26). Como podia ela dizer isso, sabendo que a criança já havia morrido e estava deitada sobre a cama de Eliseu? Porque ela tinha fé. Ela cria que Deus ia ressuscitar seu filho. Você deve crer assim hoje também.”

Seja qual for a causa, intrínseca ou extrínseca, a doença terminará quando Deus tiver alcançado Seu propósito. Pessoas como Paulo, Timóteo e Trófimo são exceções. Embora suas doenças fossem prolongadas, eles reconheciam que isso era útil para sua obra. Eles aprenderam como cuidar de si para a glória de Deus. Paulo persuadiu Timóteo a tomar um pouco de vinho e a tomar cuidado com o que comia e bebia. A despeito da fragilidade deles, a obra de Deus não foi negligenciada. O Senhor lhes deu graça suficiente para vencer suas dificuldades. Paulo trabalhou em fraqueza. Lendo seus escritos, podemos facilmente concluir que ele realizou tanto quando dez pessoas poderiam fazer. Deus usou esse homem fraco para exceder a dez pessoas fortes. Embora seu corpo fosse frágil, Deus lhe deu força e vida. Esses homens, porém, são exceções na Bíblia. Alguns dos vasos especiais de Deus podem receber o mesmo tratamento. Mas os soldados rasos, principalmente os iniciantes, devem examinar se pecaram e, após confessar seus pecados, verão as doenças imediatamente curadas.

Finalmente, desejo que vocês vejam diante do Senhor que algumas vezes Satanás pode desfechar ataques repentinos ou vocês quebram involuntariamente alguma lei natural. Ainda assim, podem levar isso diante do Senhor. Se for ataque do inimigo, repreenda em nome do Senhor. Certa vez, uma irmã ficou prostrada com febre. Depois de descobrir que era um ataque satânico, ela a repreendeu3 em nome do Senhor e a febre a deixou. Se você violar uma lei natural colocando a mão no fogo, certamente ficará queimado. Cuide bem de você. Não espere até ficar doente para confessar sua negligência. É importante cuidar do seu corpo4 durantes os dias comuns.

5. O modo de buscar a cura

Como devem os homens buscar a cura diante de Deus? Três sentenças no Evangelho de Marcos são dignas de serem aprendidas. Eu as considero muitíssimo úteis – pelo menos o são para mim. A primeira menciona o poder do Senhor; a segunda, a vontade do Senhor, e a terceira, a ação do Senhor.

a) O poder do Senhor: “Deus pode”.

“E [Jesus] perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse: Desde a infância. E muitas vezes o tem lançado no fogo e na água para o destruir; mas, se Tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos. E Jesus lhe disse: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê” (9.21-23). O Senhor simplesmente repetiu as três palavras que o pai da criança havia pronunciado. O pai clamou: “Se Tu podes […] ajuda-nos.” O Senhor respondeu: “Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê”. O problema aqui não é “se Tu podes”, mas “se tu podes crer”.

Não é verdade que o primeiro problema que surge com a doença é uma dúvida quanto ao poder de Deus? Sob um microscópio, o poder da bactéria parece ser maior do que o poder de Deus. Raramente o Senhor interrompe as pessoas quando elas ainda estão falando, mas aqui Ele parece como que irado. (Que o Senhor me perdoe por falar assim!) Quando Ele ouviu o pai da criança dizer: “Se Tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão e ajuda-nos”, bruscamente reagiu dizendo: “Por que dizes: ‘Se Tu podes’? Todas as coisas são possíveis ao que crê. Na doença, a questão não é se Eu posso ou não, mas se tu crês ou não”.

O passo inicial que o filho de Deus deve dar na doença, portanto, é levantar a cabeça e dizer: “Senhor, Tu podes!”. Você, com certeza, se lembra do primeiro estágio da cura do paralítico pelo Senhor? Ele perguntou aos fariseus: “Qual é mais fácil? Dizer ao paralítico: ‘Estão perdoados os teus pecados ’ ou dizer-lhe: ‘Levanta-te, e toma o teu leito e anda’?” (Mc 2.9). Os fariseus naturalmente pensaram que era mais fácil dizer que os pecados estão perdoados, pois quem poderia provar se estavam ou não? Mas as palavras do Senhor e seus resultados mostraram a eles que Ele podia curar as doenças e perdoar pecados. Ele não perguntou qual era mais difícil, mas qual era mais fácil. Para Ele, ambos eram igualmente fáceis. Para o Senhor, era tão fácil ordenar ao paralítico que se levantasse e andasse, quanto perdoar seus pecados. Para os fariseus, ambos eram difíceis.

b) A vontade do Senhor: “Deus quer”

Sim, Ele realmente pode, mas como posso saber se Ele quer? Não conheço Sua vontade; talvez Ele não queira me curar. Esta é outra história que lemos em Marcos. “E aproximou-se Dele um leproso que, rogando-Lhe e pondo-se de joelhos diante Dele, Lhe dizia: ‘Se queres, bem podes limpar-me’. E Jesus, movido de grande compaixão, estendeu a mão, e tocou-o e disse-lhe: ‘Quero, sê limpo’” (1.40,41).

Não importa quão grande seja o poder de Deus. Se Ele não tiver o desejo de curar, Seu poder não me ajudará. O problema a ser resolvido inicialmente é: Deus pode? O segundo é: Deus quer? Não existe doença tão impura quanto a lepra. É tão impura que, segundo a lei, qualquer pessoa que tocasse num leproso tornava-se impura. Todavia, o Senhor tocou o leproso e lhe disse: “Eu quero”. Se Ele quis curar o leproso, quanto mais quer curar nossas doenças. Podemos proclamar com intrepidez: “Deus pode” e “Deus quer”!

c) A ação do Senhor: “Deus fez”

Deus deve fazer mais uma coisa. “Em verdade vos digo que qualquer que disser a esse monte: ‘Ergue-te e lança-te ao mar’ e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhe será feito. Por isso vos digo que todas as coisas pedirdes, orando, crede receber, e tê-las-eis” (11.23,24). O que é fé? A fé crê que Deus pode, Deus quer e Deus fez. Se você crer que recebeu, você o receberá. Se Deus lhe der Sua Palavra, você pode agradecer a Ele dizendo: “Deus me curou; Ele já o fez!”

Muitos crentes esperam ser curados. A esperança considera as coisas do futuro, mas a fé trata com o passado. Se crermos realmente, não esperaremos por vinte ou cem anos, mas nos levantaremos imediatamente e diremos: “Graças a Deus, Ele me curou. Graças a Deus, eu recebi. Graças a Deus, estou limpo! Graças a Deus, estou bem”. Uma fé perfeita pode proclamar que Deus pode, Deus quer e que Deus fez.

A fé trabalha com o que “é” e não com o “desejo”. Permita-me usar uma ilustração simples. Suponhamos que você pregue o evangelho e alguém professe que creu. Pergunte a ele se está salvo, e se ele responder que espera ser salvo, então, você sabe que a resposta é inadequada. Se ele disser: “Serei salvo”, a resposta ainda está incorreta. Mesmo que ele responda dizendo: “Acho que serei definitivamente salvo”, ainda está faltando algo. Mas quando ele responde: “Eu estou salvo”, você sabe que ele está certo. Se alguém crê, então, está salvo. Toda fé trata com o passado. Dizer: “Eu creio que serei curado” não é a verdadeira fé. Se a pessoa crê, agradecerá a Deus e dirá: “Eu recebi a cura”.

Retenha estes três passos: Deus pode, Deus quer, Deus fez. Quando a fé que o homem tem chega ao terceiro estágio, a doença se vai.

 

Notas

1 O autor não abraça o entendimento da expiação limitada. Para uma breve apresentação do tema, leia o artigo Por quem Cristo morreu?, de John Owen, (N. do E.)

2 Por exigir a presença dos presbíteros e o uso do azeite, essa unção para a cura não se aplica a qualquer caso, pois se trata de uma circunstância bastante específica. O doente nesse caso está sofrendo em conseqüência de algum pecado em relação ao Corpo, algo que tenha cometido e o tenha isolado da plena comunhão com o Corpo. Assim, a passagem de Tiago não serve de base para o uso da unção com óleo para a cura de qualquer doença em qualquer circunstância. (N. do E.)

3 Segundo os exemplos encontrados na Escritura, não se deve repreender as doenças, a menos que elas sejam efetivamente resultado de uma ação maligna exterior à pessoa ou interior nela. (N. do E.)

4 Isso implica todos os cuidados com alimentação adequada, períodos de descanso, qualidade de sono, etc. Não fornecer ao corpo os nutrientes e os cuidados necessários, e, ao mesmo tempo, intoxicá-lo com certeza resultará em doenças por ferir as leis naturais estabelecidas por Deus para o adequado funcionamento do organismo. (N. do E.)


(Extraído da revista À Maturidade, primavera de 1985. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.