2 min leitura

Cedo de manhã, o orvalho do céu!

Há tantos cristãos mirrados que devoram centenas de sermões e nunca ficam melhores, nunca ficam mais robustos na graça. Eles nunca meditam e refletem sobre o que ouvem, nem consideram o que ouvem – essa é a razão pela qual eles são tão mirrados na graça.

(Edmund Calamy)

Esta é a visão apropriada que devemos adotar sobre nossas aflições:
Elas são o resultado da bondade divina.
Elas são a disciplina de nosso Pai celestial.
Elas são as podas de um Lavrador a fim de garantir melhores frutos.
Elas são a aradura da terra não-cultivada, a fim de prepará-la para a recepção da semente.
Elas são os refinamentos da fornalha, da qual, quando somos provados, podemos sair como ouro!
“Eis que já te purifiquei […] na fornalha da aflição!” (Is 48.10).

(William Jay)

Impressione-nos a solene verdade de que, em breve, “os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra e as obras que nela há se queimarão” (2Pd 3.10)! Que nos movamos nesse mundo com uma aspiração sempre aumentando em nosso coração: “Vem, Senhor Jesus! Vem depressa!”

(William Law)

Para a tua perda, ó Israel, te rebelaste contra Mim, a saber, contra o teu ajudador.

(Oseias 13.9)

Grande parte de nossa dificuldade como cristãos que buscam vem de nossa indisposição de aceitar a Deus como Ele é e de ajustar nossa vida de acordo com isso. Insistimos em tentar modificá-Lo e em trazê-Lo para mais perto de nossa própria imagem.

(A. W. Tozer)

Existe uma conexão entre as estranhas providências de Deus e o que conhecemos Dele, e temos de aprender a interpretar os mistérios da vida à luz de nosso conhecimento de Deus. A menos que possamos encarar o fato mais negro e mais sombrio sem prejudicar o caráter de Deus, ainda não O conhecemos.

(Oswald Chambers)

Todos [os cristãos], embora nascidos de Deus em um instante, ainda assim, sem dúvida, crescem de modo lento.

(John Wesley)

Traduzido por Francisco Nunes. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.