2 min leitura

Cedo de manhã, o orvalho do céu!

“Há um amigo mais chegado do que um irmão” (Pv 18.24). Tal amigo é o Senhor Jesus! Ele é assim um amigo de cada um em Seu povo – como se Ele não fosse amigo de ninguém mais. Jesus é um amigo onipotente, um amigo onisciente, um amigo onipresente, um amigo todo-suficiente, um amigo soberano, um amigo imutável, um amigo atento, um amigo amoroso, um amigo fiel, um amigo compassivo, um amigo íntimo, um amigo em todos os casos e em todos os lugares, nosso melhor amigo!
“[Jesus], como havia amado os Seus […] amou-os até o fim” (Jo 13.1).

(Thomas Brooks)

Eu faço uma regra do dever cristão nunca ir a um lugar onde não haja espaço para meu Mestre, assim como para mim.

(John Newton)

Confie nisto: à obra de Deus feita do modo de Deus nunca faltarão os suprimentos de Deus.

(J. Hudson Taylor)

Um cristão é um pecador salvo pela graça soberana, admitido à comunhão com o Deus Altíssimo, guardado pela força da Onipotência, guiado com sabedoria infalível, sustentado em meio às cheias do Jordão, transportado por anjos para o paraíso celestial, para ali receber a coroa da imortalidade e a palma da eterna vitória! Oh! Que honras terrenas podem ser comparadas a estas! Honras terrenas! Não as nomeie – elas são colocados na balança, e achadas mais leves que a vaidade! Mas, cristãos, suas honras não são sombrias, mas substanciais. Portanto, não as esqueçam. Aproveitem-nas. Elas são poços de salvação – bebam delas livremente. Elas são o orvalho do céu – deixem-nas refrescarem sua alma! São cachos de frutos vindos da cruz e ribeiros vindos do oceano da felicidade celestial! “Comei, amigos; bebei abundantemente, ó amados!” (Ct 5.1). “Far-me-ás ver a vereda da vida; na Tua presença há fartura de alegrias; à Tua mão direita há delícias perpetuamente” (Sl 16.11).

(William Nicholson)

Deus suaviza a dor exterior com a paz interior.

(Thomas Watson)

Deus toma um curso seguro com Seus filhos, para que eles não sejam condenados com o mundo. Ele permite que o mundo os condene para que eles não amem o mundo. Para que possam ser crucificados, o mundo deve ser crucificado para eles. Portanto, eles se encontram com tais cruzes, abusos e injustiças no mundo. Por não permitir que pereçam com o mundo, Deus lhes envia aflições no e pelo mundo.

(Richard Sibbes)

O contentamento cristão é aquela doce, interior, tranqüila e graciosa disposição de espírito que se submete livremente à disposição sábia e paternal de Deus em todas as condições e nela se deleita.

(Jeremiah Burroughs)

Traduzido por Francisco Nunes. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.