2 min leitura

Onde houver muita oração, haverá muito do Espírito; onde houver muito do Espírito, haverá uma oração sempre crescente.

(Andrew Murray)

Confie nisto: se andar bem perto de Deus por quarenta anos, ao final desse tempo, você terá uma opinião muito mais baixa de si mesmo do que agora! Você entenderá algo do sentimento de Abraão quando disse: “Sou pó e cinza!” (Gn 18.27), do sentimento de Jacó quando disse: “Menor sou que todas as [Tuas] beneficências!” (32.10), do sentimento de Jó quando disse: “Eis que sou vil!” (Jó 40.4), do sentimento de Paulo quando disse: “Eu sou o principal dos pecadores!” (1Tm 1.15).

(John Newton)

Que privilégio temos em poder prosseguir em nossa peregrinação por um mundo hostil na feliz segurança da fé! Temos conosco Aquele que disse: “Não te deixarei nem te desampararei” (Hb 13.5), e estamos sob os providenciais cuidados desses exércitos angélicos “enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação” (1.14).

(H. Smith)

A expressão mais violenta da ira e da justiça de Deus é vista na cruz. Se alguma vez uma pessoa teve motivo para reclamar de injustiça, foi Jesus. Ele foi o único homem inocente a ser punido por Deus!

(R. C. Sproul)

A cruz não apenas mostra o amor de Deus mais gloriosamente do que qualquer outra coisa, mas também mostra Sua retidão, Sua justiça, Sua santidade e toda a glória de Seus atributos eternos. Todas elas podem ser vistas brilhando juntas lá.

(Martin Lloyd-Jones)

Os que confiam no Senhor
serão como o monte de Sião
que não se abala,
mas permanece para sempre.
Assim como estão os montes
à roda de Jerusalém,
assim o Senhor está
em volta do Seu povo
desde agora e para sempre. […]

Grandes coisas feitas fez o Senhor por nós,
pelas quais estamos alegres. […]

Bem-aventurado aquele que
teme ao Senhor e
anda nos Seus caminhos.

(Sl 125.1,2; 126,3; 128,1)

Nós, cristãos, freqüentemente substituímos a oração por fazer coisas. A oração é boa, mas, quando usada como substituto da obediência, nada mais é do que uma hipocrisia ostensiva, um desprezível farisaísmo […] De joelhos, homem! E de volta a sua Bíblia! Decida de uma vez! Não se proteja! O tempo voa! Cesse seus insultos a Deus, pare de consultar carne e sangue. Pare com suas desculpas esfarrapadas, mentirosas e covardes. Aliste-se!

(C. T. Studd)

Traduzido por Francisco Nunes. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.