2 min leitura

Pela cruz conhecemos a gravidade do pecado e a grandeza do amor de Deus por nós.

(João Crisóstomo)

A inclinação constante do coração dos crentes é para o bem, para Deus, para a santidade, para a obediência.

(John Owen)

O fim do homem é a oportunidade de Deus.

(John Flavel)

Devemos considerar quem é Aquele a quem oramos. [Devemos considerar] a infinitamente bendita Majestade de Deus, comparada à qual nada pode ser concebido mais bom, mais santo, mais puro, mais ilustre, mais adorável, mais compassivo, mais incompreensível ou mais indescritível. O próprio pensamento de Deus tira nosso fôlego. Ele é três Pessoas vivas. Vivemos, movemo-nos e respiramos Nele. Ele pode fazer o que quiser conosco. Ele não está mais comprometido conosco do que tem graciosa e piedosamente escolhido se comprometer. Ele sabe de todas as coisas sem que Lhe digamos ou peçamos. E ainda assim é a Ele que oramos. Agora, pensemos onde é que oramos. Mais do que ser em um lugar consagrado ou não, é no próprio Deus. Estamos Nele, como os peixes estão no mar. Sua imensidão é nosso templo.

(Frederick William Faber)

Qual é a razão pela qual alguns crentes são muito mais luzentes e santos do que outros? Creio que a diferença, em dezenove casos em vinte, surge de diferentes hábitos sobre a oração privada. Creio que aqueles que não são eminentemente santos oram pouco, e aqueles que são eminentemente santos oram muito.

(J. C. Ryle)

No momento em que percebe que somente Deus pode tornar um homem piedoso, você não tem outra opção a não ser encontrar Deus, conhecer a Deus e deixar Deus ser Deus em você e por meio de você.

(Major Ian Thomas)

O triunfo de Cristo foi na Sua humilhação. Possivelmente, o nosso triunfo também será manifestado naquilo que, aos outros, parece humilhação.

(Margaret Bottome)

Creiamos mais na Palavra e no poder de Deus do que em nossas emoções e experiências. A nossa Rocha é Cristo, e não é a Rocha que oscila nas marés, mas o mar.

(Samuel Rutherford)

Traduzido por Francisco Nunes. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.