Orvalho do céu para os que buscam o Senhor!

A adoração é a jóia perdida da igreja evangélica.

Quem quiser verificar sua verdadeira condição espiritual pode fazê-lo notando quais foram os seus pensamentos nas últimas horas ou nos últimos dias. Em que você pensou quando estava livre para pensar no que lhe agradasse?

O homem humilde aceita que se lhe diga a verdade. Ele crê que em sua natureza caída não habita bem nenhum. Reconhece que, separado de Deus, não é nada, não tem nada, não sabe nada, nem pode fazer nada. Mas esse conhecimento não o desanima, porque também sabe que, em Cristo, ele é alguém. Sabe que para Deus ele é mais precioso que a menina de seus olhos e que pode todas as coisas por meio de Cristo, que o fortalece; ou seja, pode fazer tudo o que está dentro da vontade de Deus que ele faça.

A vida em que o Espírito habita não é uma edição de luxo do cristianismo que deve ser desfrutada por determinados cristãos extraordinários e privilegiados que, por acaso, são melhores e mais sensíveis do que o restante. Ao contrário, é o estado normal para todo homem e mulher remido em todo o mundo.

O pecado tem sido disfarçado nestes dias, aparecendo com novos nomes e caras. Você pode estar sendo exposto a esse fenômeno na escola. O pecado é chamado por diversos nomes enfeitados ― qualquer nome, menos pelo que ele realmente é. Por exemplo: os homens já não ficam mais sob convicção de pecados; eles têm complexo de culpa. Em lugar de confessar suas culpas a Deus, para se livrarem delas, deitam-se num divã e tentam relatar o que sentem a um homem.

Toda a fraqueza dos fariseus jazia na qualidade de seus motivos.

Uma vida cristã estagnada e infrutífera é resultado da ausência de uma sede maior de comunhão com Deus.

O impulso de buscar a Deus origina-se em Deus, mas a realização do impulso depende de O seguirmos de todo o coração.

A prova pela qual toda conduta será finalmente julgada é o motivo.

Não queira saber coisas que são inúteis. Aprenda a orar interiormente a todo momento. Depois de algum tempo fará isso em qualquer lugar, inclusive no trabalho.

O contentamento religioso sempre é inimigo da vida espiritual. A biografia dos santos ensina que o caminho para a grandeza espiritual sempre foi por meio de muito sofrimento e dor no íntimo.

Por causa do que tenho pregado não sou recebido na maioria da igrejas da América do Norte.


Aiden Wilson Tozer nasceu no dia 21 de abril de 1897, em Newburg, Pensilvânia (EUA). A. W. Tozer foi alcançado por Cristo em 1915, aos 18 anos. Aos 22 anos, ingressou no ministério pastoral da Igreja Aliança Cristã e Missionária, denominação cristã fundada por Albert Benjamin Simpson. Tozer foi muito influenciado pelos ensinos de A. B. Simpson acerca do Espírito Santo, proporcionando sua aproximação com os ensinos da Convenção de Keswick organizada pelo Movimento da Vida Superior, que prezava os ensinamentos da linha da vida interior, representado por Madame Guyon, Andrew Murray, Jessie Penn-Lewis, T. Austin-Sparks, Watchman Nee, dentre outros.
Além da devoção coletiva realizada no culto, Tozer valorizava as orações individuais, pois eram cruciais no seu dia-a-dia. Seus escritos e suas pregações eram conseqüência de sua vida de oração. Seus livros e seu legado espiritual atraem muitos cristãos sinceros e interessados no conhecimento e na vida profunda em Deus.
Christian Chen declarou: “A. W. Tozer e T. Austin-Sparks sãos os maiores profetas do século 20”. Aiden Wilson Tozer trilhou o caminho espiritual que poucos concluíram, caracterizado pelo conhecimento profundo de Deus, buscando desesperadamente a sabedoria do Salvador para servi-Lo e adorá-Lo plenamente. Convocou os crentes sinceros para voltarem às Escrituras e à prática que definiu o princípio da Igreja: fé e santidade.
A.W. Tozer cultivou estreita amizade com Leonard Ravenhill que utilizava muitos de seus livros para elaborar os sermões.
No dia 12 de maio de 1963, Tozer sofreu um ataque cardíaco e dormiu no Senhor, deixando um legado precioso para os cristãos sequiosos; no entanto, suas pregações trouxeram desconforto para as massas acomodadas do cristianismo.

Fonte: Biografia. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.