2 min leitura

Somos honrados em seguir o Homem que foi coroado com espinhos

A crucificação de Jesus foi a cena final de toda uma vida de crucificação!

Ele carregava uma cruz desde a hora em que foi colocado na manjedoura. Todos os dias Ele carregou a cruz. Sua vida era apenas uma peregrinação ao Calvário com a cruz sobre os ombros. Todo o Seu curso sobre a terra foi uma jornada de sofrimento. Foi tudo opróbrio e tristeza, de Seu berço até o túmulo. Sua vida foi de aflição; Sua morte foi a suma de Suas muitas dores, a reunião de todas elas, espremendo-se para dentro de Seu cálice de uma vez, até que o vaso rompesse, porque ele não podia suportar mais.

Ao longo da vida Ele foi o “homem de dores”. Ele estava familiarizado, “experimentado nos sofrimentos” (Is 53.3).

Seu calcanhar ferido (cf. Gn 3.15) é apenas outra maneira de expressar Seu caráter como o Sofredor, o Filho do homem crucificado. É o Homem com o calcanhar ferido que ganhou nosso coração!

É a Ele que seguimos, e Seu calcanhar ferido nós o gravaremos em nossa bandeira como nosso emblema mais honroso. Somos seguidores do Homem com as mãos e os pés perfurados, o Homem que é todo coberto com as marcas das bofetadas, do flagelo e das cuspidas, o Homem com a coroa de espinhos!

 


(Traduzido por M. Luca, revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.