2 min leitura

barco

“E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar. E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede. E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede. E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar. E foram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique. E vendo isto Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor, ausenta-te de mim, que sou um homem pecador” (Lucas 5.4-8).

O Salvador, depois de pregar à multidão, convida Pedro para se fazer ao mar alto e lançar as redes para uma pesca. Pedro responde: “Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas sobre a Tua palavra lançarei a rede”.

Observe a mistura de bom humor e incredulidade de Pedro! O Mestre havia ordenado que eles lançassem todas as suas redes. Pedro vai lançar apenas uma delas. Jesus lhe ordena lançá-las para apanhar peixes. Pedro nem pensa em tal coisa. “Ora! Depois de labutar durante todo o tempo propício para pescar, e não apanhando nada, deveremos tentar sob o sol quente e próximo da praia? O que dirão os outros pescadores de um procedimento tão tolo? Este homem pode ser excelente Mestre, mas o que Ele sabe sobre pesca? Nós conhecemos bem estas águas; fomos criados perto dela desde meninos. Não obstante, lançarei uma das redes, somente para agradá-Lo, e então Ele aprenderá pelos resultados práticos quão tola foi Sua idéia!” Assim fez.

E o resultado o surpreende. Se as outras redes tivessem sido lançadas, elas teriam recebido parte do peso dessa; agora o esforço é tão grande, que a rede ia-se rompendo toda. Querem agora a ajuda de todos os companheiros para segurar os peixes. Eles estão tão carregados que quase vão a pique. Veja, então, como os pensamentos de Pedro foram transtornados! Naquele intelectual, que nada sabe sobre pesca, ele encontrou Alguém muito mais sábio do que ele e cujas realizações são também mais amplas do que as suas.

Ele se culpa extremamente, então, por sua incredulidade. Quem é este que faz tais coisas? “Senhor, ausenta-Te de mim, que sou um homem pecador”.

Quão rapidamente pode o Senhor mudar o desânimo em alegria! Nós olhamos para o andamento habitual das coisas, e imaginamos que tudo deve seguir seu curso normal e manter o padrão médio. Mas o olho do cristão deve estar Naquele que pode, num momento, alterar tudo para o bem, e assim reavivar Sua obra, de maneira tal que não haverá capacidade suficiente para colher todos os resultados do beneficio.

Traduzido por null de livro Exposition of the Gospel of John (Interpretação do Evangelho de João). Tradução de D.O.M. Extraído da extinta revista À Maturidade, nº 2 –  Outono de 1978.. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.