4 min leitura

choro

Algo que nos aquieta o coração é considerar que, em todas as aflições, Deus está operando de forma especial: “O Todo-Poderoso me tem feito mal” (Rt 1.21). Instrumentos não podem mais se mexer até que Deus ordene, da mesma forma que um machado não pode cortar sem uma mão. Jó viu Deus em sua aflição, mas, como Agostinho observa, ele não diz: “O Senhor deu e o diabo tirou”, mas: “O Senhor tirou”. Seja quem for que nos traz aflição, é Deus quem a envia.

Outra consideração que nos aquieta o coração é que as aflições cooperam para o bem. “Eu os enviei para o cativeiro para o seu próprio bem” (Jr 24.6). O cativeiro de Judá na Babilônia foi para seu bem. “Foi-me bom ter sido afligido” (Sl 119.71). Que esse texto, como a vara de Moisés lançada nas águas amargas da aflição, as faça doces e salutares para que você as beba.

Aflições são medicinais para o homem piedoso. Da droga mais venenosa, Deus extrai nossa salvação. Aflições são tão necessárias quanto as ordenanças (1Pe 1.6). Nenhum vaso pode ser feito de ouro sem fogo; assim é impossível que sejamos vasos de honra, a não ser que sejamos derretidos e refinados na fornalha da aflição. “Todas as veredas do Senhos são misericórdia e verdade” (Sl 25.10). Assim como o pintor mistura cores claras com sombras escuras, o sábio Deus mistura misericórdia com julgamento. Aquelas providências aflitivas que parecem ser prejudiciais são benéficas.

Vamos ver alguns exemplos das Escrituras:

Os irmãos de José o jogaram em um poço; posteriormente eles o venderam; depois foi jogado numa prisão. No entanto, tudo isso cooperou para seu bem. Sua humilhação causou seu progresso: ele se tornou o segundo homem no reino. “Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem” (Gn 50.20).

Jacó lutou com o anjo, e a junta de sua coxa foi deslocada. Isso foi triste, mas Deus o tornou em bem, pois lá ele viu a face de Deus e lá o Senhor o abençoou. “Aquele lugar chamou Jacó Peniel, pois disse: “Tenho visto a Deus face a face” (Gn 32.30). Quem não estaria disposto a ter um osso deslocado para poder ter uma visão de Deus?

O rei Manassés foi amarrado em cadeias. Foi algo triste de se ver: uma coroa de ouro se transformou em grilhões. Mas isso cooperou para seu bem. “Assim o Senhos trouxe sobre eles os capitães do exército do rei da Assíria, os quais prenderam a Manassés com ganchos e, amarrando-o com cadeias, o levaram para babilônia. E ele, angustiado, orou deveras ao Senhor, seu Deus, e humilhou-se muito perante o Deus de seus pais; e fez-lhe oração, e Deus se aplacou para com ele, e ouviu a sua súplica e tornou a trazê-lo a Jerusalém, ao seu reino. Então conheceu Manassés que o Senhor era Deus” (2Cr 33.11-13). Ele era mais devedor a sua cadeia de ferro do que a sua coroa de ouro. Uma o fez orgulhoso, a outra o fez humilde.

Jó foi um espetáculo de miséria; ele perdeu tudo que sempre teve; ele abundou somente em feridas e úlceras. Foi algo triste, mas isso cooperou para seu bem: sua virtude foi provada e melhorada. Do céu Deus deu testemunho de sua integridade, e compensou sua perda dando-lhe o dobro de tudo o que antes possuíra (Jó 42.10).

Paulo foi atingido por uma cegueira. Foi algo desconfortável; mas isso se tornou em bem para ele. Deus, pela cegueira de Paulo, fez com que a luz da graça brilhasse em sua alma. Isso foi o começo de uma feliz conversão (At 9).

Assim como as duras geadas no inverno trazem as flores na primavera, assim como a noite precede a estrela da manhã, assim os males da aflição produzem muito bem para aqueles que amam a Deus. Mas estamos prontos a questionar a veracidade disso e dizer, como Maria disse ao anjo: “Como pode ser isso?”

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.