J. C. Metcalfe

Um lado da verdade de nossa união com Cristo é a necessidade de contar, momento após momento, com o fato da nossa morte com Ele, mas também precisamos examinar o outro lados dessa verdade: nossa união com o Senhor ressurreto em Sua vida.

Você está lembrado de como Romanos 6.11 divide-se naturalmente em duas partes, ambas necessárias uma a outra? “Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado.” Essa é a primeira parte, porém não é tudo: “mas vivos para Deus, em Cristo Jesus”.

Antes de um homem nascer de novo, ele está “em Adão” (1Co 15.22), isto é, ele herdou de Adão uma natureza pecaminosa e vive e se move nos pensamentos e caminhos de um mundo caído. Quando o Senhor Jesus Cristo veio a este mundo, Ele foi “achado na forma de homem” (Fp 2.8-VRC) e como o “segundo Adão” (1 Co 15.45). Ele, antes de tudo, venceu a luta contra o mal e Satanás – luta que Adão perdeu – e viveu uma vida sem pecado. Depois, ele morreu em nosso lugar e, fazendo assim, deu fim a uma velha raça, e quando ressuscitou da morte, Ele foi o primeiro de uma nova raça. Quando, então, um homem nasce de novo e, por ser “plantado na semelhança da Sua morte” (Rm 6.5 –VRC) é ressuscitado pelo pode de Deus “em (…) ressurreição” (VRA). Ele está “em Cristo”. Isso significa que tão logo a nova vida é concebida – e aquela nova vida tem de ser vivida aqui, neste mundo -, ele passa a viver e a se mover nos pensamentos e caminhos dos céus, do qual se tornou um cidadão (Fp 3.20), e herda do segundo Adão a nova natureza, que é a natureza de Deus.

Vamos ver, então, algumas das coisas que são nossas “em Cristo”, palavras que são usadas repetidas vezes nas epístolas [de Paulo]. Enquanto escrevo, tenho a Epístola aos Efésios aberta a minha frente, e penso que não podemos fazer nada melhor do que listar as bênçãos e graças que podemos contar como nossas por estarmos “em Cristo”, alegres na novidade de vida de nosso Senhor ressurreto.

A epístola é escrita “aos santos que vivem em Éfeso e fiéis (significando aqueles que são cheios de fé) em Cristo Jesus” (1.1).

É-nos dito que Deus nos abençoou com “toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo” (v.3) e é-nos dito também que fomos “escolhidos Nele” (v.4), o que significa que os eleitos são aqueles que, por meio do novo nascimento, não estão mais em Adão, mas em Cristo, o Escolhido de Deus.

Fomos adotados como filhos1 de Deus através de Cristo Jesus por causa do nosso ser Nele e unido a Ele (v.5).

Somos aceitos Nele (v.6).

Temos redenção através do Seu sangue Nele (v.7).

Está-se aproximando o dia quando “todas as coisas (…) nos céus e na terra” serão convergidas Nele (v.10).

Temos “uma herança” Nele (v.11).

Temos o selo do “Espírito Santo da promessa” Nele (v.13).

Fomos “unidos com Cristo” (2.5)

Fomos “ressuscitados juntamente com Ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus” (v.6), o que significa que Nele somos possuidores de uma vida que reina, maior e mais poderosa do que qualquer padrão terreno.

Fomos “criados para boas obras em Cristo Jesus” (v.10), o que significa que há algo a ser feito por você e por mim neste mundo, que não pode ser feito por mais ninguém, e pode ser feito somente em união com Ele.

Fomos aproximados de Deus “em Cristo Jesus” (v.13).

Somos edificados juntamente com nossos companheiros cristãos em uma casa na qual Deus é visto neste mundo através do Espírito Nele (vs. 20-22).

Todos os propósitos eternos de Deus para as bênçãos e enriquecimento dos homens estão em Cristo Jesus (3.8-11).

Podemos ter ousadia Nele para ir direto à presença do próprio Deus (v.12).

Glória é trazida ao nosso Deus na igreja “e em Cristo Jesus” (v.21).

Somos fortalecidos Nele para enfrentar e vencer todos os adversários (6.10).

Quantas riquezas já encontramos! Imagine uma mina de diamante. Naquela mina podem ser encontradas riquezas que são absolutamente impossíveis de serem achadas em qualquer outro lugar. Se você deseja diamantes, é lá que você tem que ir. Se você necessita de qualquer coisa em sua vida cristã, há uma mina em que você pode encontrar o que precisa, e somente uma; mas lá você certamente achará: em Cristo Jesus. Nele, você pode contar com todas as coisas que o farão ser verdadeiramente como Ele. “porque quantas são as promessas de Deus, tantas têm Nele o sim; porquanto também por Ele é o amém para glória de Deus” (2 Co 1.20).

Não é difícil ler as epístolas procurando por estas duas palavras – em Cristo ou por meio de Cristo – e depois pegar uma folha de papel e escrever as coisas que são nossas em Cristo, como fiz com a Epístola aos Efésios. não exige considerável grau de instrução, mas somente um coração faminto que anela por Deus e está preparado para receber Sua Palavra, e busca que isso se torne real em [sua própria] vida. Algumas vezes, penso que um dos maiores triunfos que Satanás está tendo nestes dias é impedir os cristãos de olhar para a Bíblia dessa forma.

Deus trabalha na graça como Ele o faz na natureza. Ele pôs no mundo a semente necessária para termos o trigo, que pode se tornar pão, mas se o homem não plantar, colher, moer e assar, ele continuará faminto. Deus colocou em Sua Palavra tudo o que o cristão pode, possivelmente, necessitar para manter sua nova vida, mas o cristão tem de ler, orar e aplicar em sua própria vida a verdade que encontra ou viverá num deserto estéril, nunca crescendo na graça nem sendo regozijo para ele mesmo ou para outros. “Para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido”, clama o escritor do livro de Provérbios, “e para inclinares o teu coração ao entendimento, e, se clamares por inteligência, e por entendimento alçares a voz, se buscares a sabedoria como a prata e como a tesouros escondidos a procurares, então entenderás o temor do Senhor e acharás o conhecimento de Deus” (2.2-5). Pregar é necessário, testemunho é válido, comunhão uns com outros tem seu lugar, mas não há nada que possa edificar a nova vida em Cristo a não ser um conhecimento pessoal da Palavra de Deus e um espírito humilde de aplicação pessoal à vida de tudo o que é encontrado na Palavra.

Agora, olhemos juntos Gálatas 2.19,20: “Estou crucificado com Cristo, (…) logo já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim”. A nova vida, dada a nós quando nascemos de novo, está em Cristo, e se torna nossa quando Ele habita dentro de nós por Seu Espírito.

Agora, vamos à prática exterior desses fatos maravilhosos – e não estamos falando de algo estranho e misterioso, mas de algo que faz de nossa vida neste mundo uma vida rica e alegre para nós mesmos, e também enriquece aqueles em nossa casa, aqueles com quem trabalhamos e nos encontramos diariamente e aqueles da igreja a que pertencemos.

E a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim” (2.20b – VRC). Em outras palavras, nossa vida diária, que vivemos entre os homens, é, agora, uma vida de fé. Alguns estudiosos da Bíblia dizem que a fé pela vivemos é a fé do Filho de Deus, o qual está vivendo em nós pelo Seu Espírito. Outros traduzem estas palavras como “Vivo pela fé no Filho de Deus”. Em ambos os casos, o princípio é o mesmo. Nossa vida neste mundo, por sermos filhos de Deus, não é vivida por nossos próprios esforços e empenho, mas por extrair [o que precisamos], para qualquer necessidade, dos recurso que Deus nos deu em Cristo Jesus.

O que isso Significa? deixe-me ilustrar, usando um versículo da Escritura. Em 1 Coríntios 1.30 lemos: “Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou da parte de Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção”. Suponha que eu me depare com uma situação em que não sei o que fazer e que direção tomar. O que faço? Antes de qualquer coisa, deixo de lado meu próprio entendimento (Pv 3.5). Então confesso a Deus que diante de mim há um problema que me é muito difícil, e O lembro de que fui crucificado com Cristo e agora creio que Ele é minha sabedoria, e que posso enfrentar meu problema sem medo, pois, uma vez que tenho uma necessidade, Ele irá dar a direção quanto ao que dizer e quanto ao que fazer. Em tempos de tentação, devo, da mesma maneira, desviar-me do meu próprio poder para resistir, e tomar Cristo como minha justiça. Quando consciente de que posso estar afastado de Deus e fora de Seu plano e vontade para mim, devo também me lançar sobre Ele como minha santificação e me deixar ser levado, acima de todas as coisas, a amar e desejar o anelo de Deus. No dia em que não puder fazer nada por mim mesmo e for chamado a passar do tempo para eternidade, ou através da sepultura ou em Sua vinda, posso também olhar para Ele e dizer “Ele é a minha redenção; estou salvo agora, na presença de Deus, para sempre”.

Considerai como crescem os lírios do campo”, disse o Senhor Jesus, tendo feito primeiro uma pergunta – “Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida?” – para a qual todos temos de responder: “Eu não posso!” A figura de um homem sentado com ar solene, pensando seriamente para se ver crescendo bastante, sempre me diverte. E isso e a única coisa que muitos cristãos tentam fazer em sua vida espiritual. Depois, Jesus continua: “Eles não trabalham nem fiam. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles” (Mt 6.27-30). A razão é que seu crescimento e sua beleza são dadas pelo poder de Deus. É somente desta maneira que você e eu poderemos viver dia a dia: extraindo do que Deus nos deu em Cristo. devemos considerar-nos “vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor” (Rm 6.11b).

Essa é a simplicidade deste considerar de fé, que é a principal dificuldade de muitos de nós. Nós gostamos de coisas difíceis e complicadas, mas o Senhor Jesus disse: “Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas cousas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos” (Mt 11.25). Depois, quase imediatemente, Ele fez o maior e mais maravilhoso convite jamais dado ao homem: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve” (vs. 28-30). A aceitação habitual deste convite é, com toda certeza, o único caminho para o viver cristão saudável e útil.



1 A palavra grega “huiotesia” significa “em lugar de filho”. apesar de conservarmos a expressão original do autor, entendmos que o mais acurado biblicamente seria dizer que “fomos feitos filhos”. Essa alteração, porém, não tida de modo nenhum o valor espiritual e a revelação de tudo o que o autor escreve em seu artigo.

Extraído da extinta revista O Chamamento Celestial, Ano 2 – Nº 5 – Julho de 2000

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.