A união de Assuero e Ester realizou-se na privacidade do palácio real; a festa das bodas aconteceu depois (Et 2.16-18). Aqui também (Ap 19.9) há somente um anúncio da honra de ser um dos convidados do rei. Não é dito que as bodas se realizam naquele momento, pois parece que os convidados incluirão pessoas na terra quando o Noivo retornar (Mt 22.1-14; 25.1-13), e parece que “a festa” se realizará na terra, na abertura da era do reino (Lc 22.18,30).

Aqui, portanto, temos três idéias distintas:

  1. Os convidados não são a noiva;
  2. deve haver um intervalo entre o “casamento” e a “festa”;
  3. a festa deve ser na terra.

Conforme tem sido mostrado, estas características fornecem indícios para o significado exato de algumas das parábolas proféticas de Cristo.

A ausência da noiva e de sua união naquelas parábolas é significativa, mas o significado foi grandemente perdido pelo ensino posterior do Novo Testamento quanto à noiva, conforme tem sido lido nas parábolas. A omissão harmoniza-se com a característica atribuída à noiva noutra parte, de que ela deve ser composta, não de todos os salvos, mesmo desta era, mas daqueles entre os salvos que são, pela graça, sempre vigilantes, devotos, separados do mundo, imaculados e andando de roupas brancas tecidas por eles mesmos. Dentro da vasta companhia do restante dos salvos está a esfera em que as parábolas do Senhor, e muitas outras passagens, têm sua aplicação. Bem-aventurados os que são convidados, e infelizes os que perdem tal privilégio, tal como o convidado sem a veste nupcial, as virgens imprudentes e o servo infiel. E além dessa região, jaz uma esfera ainda mais ampla daqueles do tempo do fim, que nem mesmo ouviram da fama do Noivo ou viram Sua glória (Is 66.19), mas que receberão a chamada de Isaías 55.1: “Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas”.

Tais distinções foram sugeridas no Antigo Testamento. Nas bodas de Ester havia somente uma multidão geral de convidados, mas eles foram diferenciados entre “príncipes e servos” (Et 2.18). Todos destas duas classes foram honrados com o convite real; todavia, é óbvio que eles não eram Ester, a rainha, tampouco incluíam todos os súditos do rei. E se alguns dos convidados à ceia das bodas do Cordeiro forem aqueles anjos príncipes, que serviram fielmente nos conflitos espirituais contra o príncipe rebelde destas eras anteriores? E se os servos incluírem aqueles espíritos ministradores, que mesmo agora prestam serviço diaconal aos santos, com vistas a prepará-los para a herança vindoura (Hb 1.14)? De qualquer forma, estes não seriam a noiva. Um deles se denominou “conservo” de João e de seus irmãos (Ap 19.10). O programa do Altíssimo é bem mais amplo e majestoso do que muitos pensam, e inclui todas as Suas criaturas, celestiais e terrenas.

Salmo 45

O salmo 45 é o cântico do Noivo Real. Observe a pessoa apresentada. O Noivo é simultaneamente o Guerreiro Poderoso com uma espada (vv. 3-5), como no contexto de nossa passagem (Ap 19.11-16), e também Deus (v. 6). Todavia, Seu Deus O abençoou e ungiu (vv. 2,7), de modo que Ele é Deus exaltado por Deus, um ministério do Novo Testamento manifestado pela revelação mais clara do Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.

Depois, o Noivo tem uma rainha cujo lugar de honra é à Sua mão direita. Em seguida, Ele tem “companheiros” (Hb 3.14 – participantes, deveria ser “companheiros de”; veja Ap 3.4,5; 14.4; 17.14; 1Rs 12.8). Assim também a rainha tem “as virgens, suas companheiras que a seguem” (v. 14), como em Mt 25.1-13, e estas participarão da “alegria e regozijo”, isto é, da festa dentro do palácio (v. 15). Os outros mencionados são certamente princesas (v. 9), o povo e a família da rainha (v. 10), e além destes círculos mais íntimos estão os povos de fora, como os de Tiro, isto é, gentios que são vistos se aproximando e honrando o Rei (v. 12), em cuja nobre ocupação a rainha é chamada a liderar: “Ele é o teu Senhor, presta-Lhe, pois, homenagem” (v. 11).

Tudo isso é altamente sugestivo da realidade e da variedade que caracterizará aqueles dias futuros, quando o céu e a terra serão unidos, um Reino, em relação com Aquele que é o Senhor de todos. Uma vasta variedade é introduzida, que eleva a mente muito além da fundamental, mas apenas inicial, distinção entre salvo e não salvo, que é o máximo que muitos penetraram nos maravilhosos conselhos do Altíssimo.

“Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade correm, mas um só é que recebe o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis”, isto é, o prêmio (1Co 9.24; Fp 3.12-16).

Fonte: extinta revista: A Palavra Profética Nº 4 – A Noiva de Cristo – 1989. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob direção de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.