A verdade vale muito mais que isso

“Que é a verdade?” (jo 18.38). Pilatos, com a consciência intranqüila, tendo feito essa pergunta a Jesus e sem esperar pela resposta, saiu para tentar desviar o povo de suas intenções homicidas. Todos estavam sob o poder de Satanás, pai da mentira e homicida desde o princípio (8.44). Pouco depois, o povo gritou: “Crucifica-o! Crucifica-o!”

A pergunta permanece. Em todos os tempos, os sábios da terra têm tentado em vão respondê-la apenas com os recursos de sua mente. Essa pergunta deveria atormentar cada vez mais o mundo, se seu chefe não o seduzisse a fim de arrastá-lo para o juízo eterno.

Mas há uma resposta para toda alma que se inclina, pela fé, diante da tríplice declaração de Jesus:

“Eu sou […] a verdade” (14.6).
“Tua Palavra é a verdade” (17.17).
“O Espírito é a verdade” (1Jo 5.6).

Aquele que crê em Jesus Cristo, por quem veio a verdade:

  • é libertado do domínio de Satanás e dos enganos dos homens: “Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente” (Ef 4.14).
  • conhece a verdade, e esta o liberta: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8.32).
  • está no Verdadeiro: “Sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1Jo 5.20).
  • a verdade está nele e ele está na verdade: “Por amor da verdade que está em nós, e para sempre estará conosco” (2Jo 2). “Disse-lhe, pois, Pilatos: ‘Logo, tu és rei?’ Jesus respondeu: ‘Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz’.” (Jo 18.37).
  • anda na verdade: “Muito me alegrei quando os irmãos vieram e testificaram da tua verdade, como tu andas na verdade” (3Jo 3).
  • escuta a voz de Jesus, a voz da verdade: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem” (Jo 10.27).

Que graça, portanto, crer na verdade! Todos os que não crêem na verdade, mas se comprazem com a mentira, serão condenados (2Ts 2.12).

Como comprar a verdade?

Essa compra exclui, é importante dizer, a idéia de um preço que há de ser pago, de uma soma que se há de desembolsar. A prata não é pesada para comprar a verdade (Jó 28.15); nenhum recurso humano permite sua aquisição. Só a fé permite possuí-la, com a salvação que Deus dá em Jesus, seu dom inefável (2Co 9.15).

Então, nenhum sacrifício é necessário para essa bem-aventurada aquisição? Por certo que é! Primeiramente, uma renúncia de todo o ser, que se submete, segundo a obediência da fé (Rm 16.26), à ação do Espírito da verdade. Então, por Sua própria vontade, Deus opera na alma esse nascimento pela palavra da verdade (Tg 1.18). É a conversão.

Pensemos no apóstolo Paulo, interpelado por Cristo no caminho para Damasco. Se conhecemos nosso coração um pouco, compreenderemos o sentido da frase do Senhor: “Dura coisa te é recalcitrar contra os aguilhões” (At 26.14). Paulo deveria abandonar toda a justiça própria, que exalta o homem, na qual se deleitava (Fp 3.4-9).

Esse é o preço que todos devemos aceitar para que nos seja possível comprar a verdade. Quantas pessoas tropeçam diante da necessidade de considerar como escória (v. 8) o que produz orgulho de sua vida, reta aos próprios olhos! Não é nada mais que escória! Que menosprezo por seu esforço por fazer o bem, por sua conduta digna, pela consideração dos demais, em que até agora estavam satisfeitas!

Mas, ao considerarmos como escória, concordamos com o Deus justo e santo, o qual nos mostra nosso estado de morte em nossos delitos e pecados. Essa convicção de pecado é ainda o trabalho de Sua graça em nosso coração. Essa é a primeira condição para a aquisição da verdade. Vamos, sem recursos próprios, despojados de toda pretensão, desprovidos de todo bem segundo Deus, e aceitamos o que Deus declara: “Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; não há ninguém que busque a Deus” (Rm 3.10,11).

Quantas pessoas tropeçam diante da necessidade de considerar como escória o que produz orgulho de sua vida, reta aos próprios olhos!

Então, também se faz ouvir a voz de Jesus: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Nesse momento, Deus pode nos dizer: “Dá-me, filho meu, o teu coração” (Pv 23.26). É como uma segunda condição que Ele estabelece. Essa única coisa que Ele nos pede deixa de lado todo o atrativo que o mundo apresenta a nosso coração, pois acrescenta: “E os teus olhos observem os meus caminhos”.

Dar o coração… Freqüentemente essa expressão de Provérbios é usada para falar da conversão. Mas uma verdadeira conversão não é somente a adesão a um ensinamento bíblico; não pode acontecer de uma simples aproximação do coração produzida pelo evangelho. Não, pois dar o coração a Deus, ao Salvador, implica o que o Senhor disse ao jovem rico: “Falta-te uma coisa: vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a cruz e segue-me” (Mc 10.21). É a renúncia àquilo que até agora dominou o coração; é a obediência à verdade. Assim se compra a verdade. Todo o ser é agarrado por Cristo e, desde então, deseja apegar-se a Ele, aceitando também o peso de Seu opróbrio e do desprezo do mundo.

Dar o coração é mais do que a intenção de nutrir a imaginação ou de progredir no conhecimento religioso. Se não damos verdadeiramente todo o nosso coração a Jesus, para conhecer a verdade Nele e andar na verdade, podemos estar certos de que ficaremos entre os que sempre aprendem sem, contudo, chegar ao conhecimento da verdade (2Tm 3.7). É um estado de alma enganoso e cheio de perigos.

Não vender a verdade!

Mas Provérbios 23.23 também apresenta um dever com respeito à verdade: “Não a vendas”. Essa ordem se refere unicamente ao fato do Senhor ter dito: “De graça recebestes, de graça dai” (Mt 10.8) e: “Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (At 20.35)? O apóstolo apresentava “de graça o evangelho de Cristo” (1Co 9.18). Por acaso, era para fechar a boca dos incrédulos, inclinados a dizer: “O cristianismo é uma religião de dinheiro; sempre nos é pedido para dar, até mesmo para ter um lugar no céu”? Não, pois seria anular o que Deus disse e repetiu: “Vinde […] os que não tendes dinheiro […] vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço” (Is 55.1). A salvação é o dom [presente] de Deus em Jesus, o qual é, Ele mesmo, o dom de Deus.

Portanto, qual é o sentido desta ordem relacionada com a verdade: “Não a vendas”? No campo das coisas terrenas, alguém não se desprende, nem mesmo por um grande preço, daquilo que quer muito; freqüentemente, o coração se apega mesmo aos objetos materiais como se eles tivessem alma. Evocam-se tantas recordações, o querido passado tem tanto valor para o coração… Vender a verdade? Instintivamente, o fiel se nega a fazê-lo. No entanto, tenhamos cuidado, porque há tantas maneiras de manifestar que a verdade, ao final das contas, não nos é tão preciosa como o afirmamos com palavras.

A esse respeito, lembremos dos mais humilhantes exemplos da Palavra.

  1. Esaú vendeu sua primogenitura por um prato de lentilhas. Naquele momento de cansaço produzido pela tarefa de caçar, que lhe importavam as promessas feitas a Abraão e a espera “da cidade que tem fundamentos”? Perdeu todo direito à bênção, pelo que foi rejeitado, ainda que a tenha buscado com lágrimas (Hb 11.10; 12.16,17).
  2. Judas, em quem Satanás ia entrar, já havia concluído com os homens religiosos e os chefes do povo o trato abjeto: por trinta peças de prata vendeu o Justo (Am 2.6) e entregou o sangue inocente. Por trezentos denários teria vendido o perfume de Maria, que era de um valor incalculável para o coração do Salvador.

Esses são os solenes descarrilhamentos do incrédulo ou do coração manchado com a horrível lepra do amor ao dinheiro. Nós, cristãos, estamos igualmente expostos a falhar, ainda que em menor grau; e isso seria um real menosprezo à verdade e às riquezas que ela contém em Jesus.

Podemos estar inclinados a vendê-la muito barato quando, por exemplo, desconhecendo o valor de congregar-nos em torno do Senhor, menosprezamos Seu dia santo ao andar em nossos próprios caminhos (Is 58.13,14), buscando distrações e prazeres mundanos em lugar dos benefícios de Sua presença no meio dos Seus. “Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia”, é a exortação apostólica (Hb 10.25).

Temamos que nosso coração se aparte da verdade que está em Cristo Jesus. Manifestar indiferença a Seu respeito ou abandonar a verdade ainda que em pequena medida seria vendê-la. Mantenhamos nossa alma purificada “pelo Espírito na obediência à verdade” (1Pe 1.22).

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração” (Pv 4.23). Querido irmão, não esqueça dessa exortação. Se você entregou verdadeiramente seu coração ao Senhor, você permitiria que ele se unisse, quer aos incrédulos – o que seria a pior maneira de vender a verdade em lugar de estar a ela submisso –, quer mesmo a cristãos, os quais lhe levariam para fora da senda da fé traçada por Deus, no meio da confusão que reina na cristandade professante, ou seja, sem a vida?

Quantas vidas malogradas existem por falta da comunhão em Deus e com Deus e quantos problemas no lar, dia após dia! Que o Senhor guarde você. Não venda a verdade, à qual você deve estar submisso, quando a Palavra lhe ordena a não se unir em “jugo desigual” (2Co 6.14,15).

Temamos que nosso coração se aparte da verdade que está em Cristo Jesus.

Além disso, para nós, hoje, é grande o perigo de conceder à verdade menos valor do que teve para os que nos precederam no caminho da fé. Aqueles, por sua fidelidade, trabalharam para edificar “um muro” (Ez 13.5) para salvar sua alma e a nossa. Em seu tempo, eles compraram a verdade, pondo o conhecimento da verdade segundo Deus acima dos laços, ainda que muito estreitos, que os uniam a outros. Com verdadeira dor no coração, esses crentes fiéis se afastaram da cristandade professante, por obediência ao Senhor, para encontrar-se com Ele fora do arraial (Hb 13.13).

Agora nos compete fechar as brechas nesse muro que deixamos que fossem abertas no tocante a nossa segurança, com respeito a esse testemunho que devemos dar ao Senhor. Todos temos de velar sobre nossa alma. Não vendamos a verdade que era tão preciosa para aqueles cristãos fiéis no princípio do século 19.
Podemos compreender um pouco que o coração daqueles crentes foi agarrado pela verdade, ao constatar quão pouco havia, em sua época, do verdadeiro ensinamento evangélico. Que pobreza espiritual no que era pregado! Um evangelho privado de toda a sua substância divina, carente da pregação da cruz! Essas almas despertadas tinham fome da Palavra de Deus e sede da verdade!

Então, Deus levantou irmãos piedosos, mentes esclarecidas pelas quais Ele operava, afastando-os de toda organização humana, consagrando-os ao bem do rebanho, apresentando aos irmãos Cristo como alimento. Então, todas as verdades que emanam de Sua obra e dizem respeito a Sua pessoa, na expectativa de Seu regresso, foram recebidas com alegria e diligência por esses corações cujo caminhar na senda da verdade é-nos proposto como exemplo (Hb 13.7). E ainda hoje nos beneficiamos de sua fidelidade.

Não cedamos a um pessimismo que faz esquecer a graça do Deus fiel. Talvez nos oprima o sentimento dos esforços redobrados do adversário para prejudicar-nos. Ele sempre tentará fazer-nos desprezar a Palavra, nosso verdadeiro tesouro. Portanto, ponhamos cada vez mais atenção ao mandamento divino: “Compra a verdade e não a vendas”.

(L. G.)

(Traduzido por Francisco Nunes de Un mensaje bíblico para todos, 07-08/2010, publicado por Ediciones Bíblicas Para Todos (Suíça). Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito.)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.