2 min leitura


“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, e a paciência, a experiência, e a experiência, a esperança” (Rm 5.3,4).

Todas as aflições dos filhos de Deus são planejadas, sob Seu gracioso gerenciamento, para provar, fazer-lhes manifestas e exercitar essas graças e virtudes que Ele implantou neles. Embora as aflições, em si mesmas, não sejam motivo de regozijo, mas penosas, elas produzem os frutos pacíficos de justiça naqueles que são por elas exercitados.

Aflições servem para avivar o espírito de devoção em nós e despertar-nos daquelas formalidade e indiferença que, freqüentemente, acompanham um longo período de tranqüilidade e prosperidade. Nós somos constrangidos a buscar a Deus com sinceridade e fervor quando Sua mão disciplinadora está sobre nós, desde que percebamos nossa absoluta necessidade da ajuda e da libertação que somente Ele pode nos dar.

Aflições servem, mais efetivamente, para nos convencer da vaidade de tudo que este mundo tem a oferecer, para nos lembrar que este mundo pobre não é nosso descanso e para nos provocar desejos e esperanças por nosso eterno lar.

Aflições produzem em nós um espírito de simpatia pelos companheiros na tribulação.

Aflições dão ocasião para o exercício de paciência, mansidão, submissão e resignação. Não fosse pela saudável e necessária disciplina da aflição, essas virtudes excelentes permaneceriam dormentes.

Aflições servem para nos convencer mais profundamente de nossa própria fraqueza e de nossa insuficiência e para tornar a Pessoa, a graça, as promessas e a salvação de nosso Redentor mais e mais agradáveis ao nosso coração. Portanto, nós somos ensinados a considerar como preciosos os castigos que vêm da mão do Senhor por conta dos benefícios derivados deles.

Aflições não são para punir, mas para purificar a alma do crente.

Elas não são enviadas em ira, mas em misericórdia.

Em meio às angústias e misérias da vida, é uma felicidade pertencer a Cristo, sem a ordem de quem nenhum mal pode recair sobre nós! Ele sempre envia aflições para nosso bem e sabe, por experiência, o que é sofrê-las. Sua mão bondosa prontamente colocará um fim em todas as dores que sentimos, quando delas tivermos derivado todo o bem que Ele pretendia fazer para nós por meio delas.

“Mas este [Pai nos disciplina] para nosso proveito, para sermos participantes da Sua santidade” (Hb 12.10).

Traduzido por Jacilara Conceição. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.