7 min leitura


As cartas de Samuel Rutherford são um tesouro sem igual entre os tantos que a fé cristã já produziu, contendo algumas das mais preciosas respigas que esse fiel servo de Deus colheu nos campos do Boaz Celestial. Por isso, decidimos publicá-las. Escolhemos, para esse fim, uma versão menor da coletânea de cartas, publicada pela Chapel Library. Se o Senhor nos der graça e voluntários para cooperar na tarefa, poderemos traduzir a obra completa.

Nosso objetivo é publicar semanalmente cada carta como um artigo único. Após concluirmos a tradução/publicação, vamos lançar como um livro digital gratuito.

Mas quem é Rutherford? O que explica a importância de suas cartas? Por que hoje, quase 400 anos depois, os cristãos ainda deveriam ler essas cartas com muita atenção?

Para tentar responder, usamos um artigo (adaptado) do saudoso irmão Christian Chen, publicado na extinta revista À Maturidade, n. 2, outono de 1978.

Do Palácio de Cristo em Aberdeen

O Palácio de Cristo em Aberdeen? Onde fica Aberdeen? De que tratam essas cartas? Quem as escreveu? Responder a essas perguntas significa contar uma história tocante acontecida há mais de 300 anos.

Aberdeen é um movimentado porto marítimo da Escócia, situado no litoral leste do país (Mar do Norte). Foi do agrado do Senhor torná-la uma cidade histórica por manter nela prisioneiro um de Seus servos fiéis, Samuel Rutherford, como Ele fez com João na Ilha de Patmos, no primeiro século. Durante um período de dezessete meses, Rutherford ficou confinado na cidade de Aberdeen, proibido de todo ministério público. Mas, embora seus lábios estivessem selados, seu coração transbordava de boas palavras (Sl 45.1). Em sua carta de 4 de agosto de 1636, escrita de Irving, quando se dirigia para Aberdeen, ele descreveu sua viagem como “minha jornada para o Palácio de Cristo em Aberdeen”. Ao chegar ao destino, escreveu:

“Não obstante esta cidade ser minha prisão, contudo, Cristo fez dela meu palácio, um jardim de prazeres, um campo e um pomar de delícias.”

Mas erramos se pensarmos que a experiência que Rutherford teve daquele gozo quase extático com seu Senhor tenha sido de curta duração, como geralmente acontece com cristãos carnais. Ele a manteve consigo durante todo o período do confinamento, e chegou mesmo a prolongá-la depois dele. Verificou que uma torrente caudalosa continuou a fluir maravilhosamente de seu palácio-prisão, tendo escrito 219 cartas nesse espaço de tempo. Mais tarde essas cartas, juntamente com outras 143 foram reunidas em um livro por sua secretária, após sua morte, e publicadas sob o título Josué redivivo ou Cartas do sr. Rutherford, Divididas em duas partes, na primeira edição (1664). As Cartas são agora consideradas por muitos como um clássico cristão, comparadas por alguns ao livro O peregrino, de João Bunyan. Desde 1664, elas têm sido publicadas em mais de trinta edições diferentes, algumas das quais reimpressas muitas vezes.

Rutherford escreveu outros livros. Um de seus escritos teológicos trouxe-lhe o oferecimento da Cadeira de Divindade na Universidade de Ultrecht. Mas essa obra e outras foram há muito esquecidas, e nosso Senhor deixou que Rutherford continuasse a viver hoje em um livro que ele não se propôs deliberadamente a escrever, isto é, As cartas de Samuel Rutherford. James Miller Dods, depois de salientar que a maior parte dos livros de Rutherford têm “seu memorial somente no cemitério da história”, comenta: “Do ruído do mercado, passamos para a solidão reclusa e iluminada pelas estrelas daquelas Cartas, as quais sucessivas gerações, de Baxter a Spurgeon, a uma voz têm proclamado serem seráficas e divinas”. Richard Baxter afirmou com respeito às Cartas de Rutherford: “Com exceção da Bíblia, o mundo nunca viu um livro como esse”. Para podermos sentir de fato o peso desse comentário, é preciso lembrar que Baxter concordava com a teologia arminiana, a qual foi exatamente o alvo das críticas de Rutherford, tendo sido essa a causa de seu confinamento em Aberdeen. Richard Cecil, evangélico eminente do século18, fez o seguinte comentário sobre Rutherford:

“Ele é um de meus clássicos favoritos; é realmente autêntico”.

Não podemos fugir à pergunta: “Como a correspondência particular deste servo escocês do Senhor foi conservada ao longo dos anos? Por que motivo sua formidável erudição jamais lhe proporcionou aquilo que suas cartas alcançaram?” A resposta é simples: nosso Senhor quis preservá-las e não permitirá que elas desapareçam. A razão por trás disso tem algo a ver com Seu modo costumeiro de tratar com Seus servos ao longo da história da igreja. Parece ser do agrado do Senhor usá-los a fim de estabelecer uma grande ilustração da verdade de ouro: “E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também em nossa carne mortal. De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida” (2Co 4.11,12).

A obra do Senhor nunca foi feita pela metade; se Ele permitiu que a morte operasse nesses servos, ela é sempre acompanhada pela “vida em nós”! Ele planejou o aprisionamento de Paulo em Roma, assim como aquelas lindas Epístolas da Prisão para nós. Ele deu a João a ilha de Patmos e, ao mesmo tempo, nos deu a revelação de Jesus Cristo mediante o último e grandioso livro da Bíblia. Ele fez com que George Matheson, outro grande pregador escocês, ficasse cego; entretanto, nós somos enriquecidos por seus belos hinos. Ouçamos as palavras de Matheson: “O calabouço de José é o caminho para o trono de José. Tu não podes levantar a carga de ferro de teu irmão se o ferro não penetrou em ti”, e sua oração diante do Senhor:

Faz de mim um cativo, Senhor,
E livre eu serei, então;
Força-me a entregar minha espada,
E conquistador serei.
Sinto-me envolvido pelos temores da vida,
Quando ouso enfrentá-los sozinho;
Segura-me em Teus braços,
E forte será minha mão.

Da mesma forma, se nosso Senhor não poupou Rutherford da “morte” e o enviou a Aberdeen, pode alguém imaginar que o Senhor recusaria a “vida”, negando-a a nós? Durante o aprisionamento de Rutherford, é verdade que a pregação de Cristo a certas congregações foi silenciada por algum tempo, mas apenas para dar lugar a um ministério de Cristo que vem sendo, desde então, uma bênção e um conforto para gerações do povo de Deus. O próprio Rutherford, em uma carta ao sr. Robert Blair, seu companheiro de sofrimento,  graciosamente disse:

“O sofrimento é o outro lado do nosso ministério, sem dúvida o mais difícil!”

Antes que o leitor entre nessa mina de pedras preciosas, lembremo-nos novamente daquele título simbólico da primeira edição de 1664, Josué redivivo — Josué ressuscitado! Como o Josué da antiguidade, que espiou a terra prometida e apresentou um relatório cheio de entusiasmo, Rutherford “puxa as cortinas, e olha para dentro da arca”, contemplando a Canaã celestial e trazendo de volta seu bom relatório, conforme registrado em suas cartas. Ouça o que ele mesmo diz a respeito disso: “Deus quis me enviar como um espia nesse deserto do sofrimento, para ver a terra, e provar a água; e eu não posso fazer da Cruz de Cristo uma mentira. E não relatei nada senão o que é bom DELE e DELA a fim de que não desmaieis”. Qualquer leitor atento não poderá deixar de perceber como este “DELE e DELA” penetraram entre as linhas das cartas, fazendo-nos lembrar daquela grande frase de Paulo: “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado” (1Co 2.2). Relacionado com isso, ouçamos o que Rutherford disse ainda no palácio: “Cristo e Sua cruz são dois bons hóspedes, e dignos do alojamento. Os homens desejariam ter um Cristo bom e barato, mas o preço a ser pago não vai baixar!” Oh, como isso é verdadeiro!

Que nosso leitor aproxime-se de tão raro e espiritual clássico por meio de uma leitura vagarosa, meditativa e com muita oração, de modo a ser tocado e atraído pelo mesmo Amado que se revelou ao pobre prisioneiro de Cristo em Aberdeen, colocando-se em condições de dizer como Rutherfod:

“Oh, se víssemos a beleza de Jesus e pressentíssemos a fragrância de Seu amor, correríamos pelo fogo e pela água para estarmos com Ele.”

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Fonte: revista À Maturidade, n. 2, outono de 1978. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.