3 min leitura

Ai de nós! Como esquecemos que somos apenas estrangeiros e peregrinos na Terra, que estamos viajando para nosso lar eterno, e que em breve estaremos lá!

(Otávio Winslow)

Deus diz ao homem quem o homem é.

(Francis Schaeffer)

“Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda a boa obra” (2Tm 3.16,17).
Sem meditação, as verdades que conhecemos nunca afetarão nosso coração. A meditação leva uma verdade ao coração! A leitura das Escrituras é o óleo que alimenta a lâmpada da meditação. Certifique-se de que suas meditações se baseiam nas Escrituras. Ler sem meditação é inútil. Meditar sem ler é perigoso. A razão pela qual ficamos tão frios ao ler a Palavra é porque não nos aquecemos no fogo da meditação.
“Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na Sua lei medita de dia e de noite” (Sl 1.1,2).

(Thomas Watson)

O Senhor te ouça
no dia da angústia,
o nome de Deus de Jacó
te proteja.

(Sl 20.1)

Sou Dele [de Cristo] por eleição e sou Dele por regeneração.
Sou Dele por compra e sou Dele por conquista.
Sou Dele por aliança e sou Dele por casamento.
Eu sou totalmente Dele.
Eu sou supremamente Dele.
Eu sou particularmente Dele.
Eu sou eternamente Dele!
Antes eu era escravo, mas agora sou Seu filho querido.
Antes eu estava espiritualmente morto, mas agora estou espiritualmente vivo.
Antes eu estava na escuridão, mas agora ando na luz.
Antes eu era filho da ira e herdeiro do inferno, mas agora sou herdeiro do céu.
Antes eu era escravo de Satanás, mas agora sou um homem livre em Deus.
Antes eu estava sob o espírito de escravidão, mas agora recebi o Espírito de adoção, pelo qual clamo: “Aba, Pai!”

(Thomas Brooks)

A aflição não surge do pó ou chega até nós por acaso. É o Senhor quem envia aflição, e devemos reconhecer e reverenciar Sua mão nela. Que o povo de Deus se conforte o tempo todo pela doutrina da soberania divina. No que quer que lhes aconteça, os filhos de Deus devem descansar em silêncio e submissamente no seio de Deus, considerando que tudo o que lhes acontece passa pelo decreto de Seu gracioso Amigo e Pai reconciliado, que sabe o que é melhor para eles, e fará com que todas as coisas cooperam juntas para o bem deles.
Oh, que vida doce e aprazível você teria sob as mais pesadas pressões da aflição e que serenidade e tranqüilidade celestial de mente você desfrutaria se alegremente concordasse com a boa vontade e o prazer de Deus, e abraçasse cada decreto divino, por mais agudo que possa ser, porque é determinado e designado para você pelo eterno conselho de Sua vontade!
Veja aqui o mal de murmurar e de reclamar de nossa sorte no mundo. Ao fazer isso, você está brigando com Deus, como se Ele estivesse errado em Seus tratos com você, e não de acordo com os desejos e vontades que você tem!

(Thomas Boston)

Devemos compreender que a vontade precisa ser persuadida pela verdade, e que é assim que Deus age. Ele nunca força nossa vontade, mas, antes, apresenta-nos a verdade de tal maneira que nós a queiramos. A verdade vem até nós, e, quando vemos a verdade, queremos ser libertados do pecado e pertencer a Deus.

(Martin Lloyd-Jones)

Traduzido por Francisco Nunes. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.