Orvalho do céu para os que buscam o Senhor!

As estrelas podem ser vistas do fundo de um poço escuro, quando não podem ser discernidas do topo de um monte. Assim também, muitas coisas são aprendidas na adversidade, com as quais o homem próspero nem sonha.

O trabalho mais simples para Jesus tem mais valor do que a dignidade de um imperador.

A convicção da ignorância é a porta de entrada do templo da sabedoria.

O refinador nunca fica muito longe da boca da fornalha quando seu ouro está no fogo.

Os pequenos barcos ficam na costa. Se Deus fez de você um grande barco, cheio de preciosas mercadorias, saiba que terá de enfrentar grandes ondas e tempestades.

Sejam puros de coração, de lábios e de vida. Nunca cedam a uma imaginação má, nem falem sobre coisas impuras. […] Uma olhadela lasciva, uma palavra de duplo sentido ou um ato questionável deve ser evitado com tenacidade. Toda e qualquer coisa que beire a libertinagem deve ser rejeitada.

Há algumas virtudes suas que jamais seriam descobertas se não fossem as provações pelas quais você passa.

Que espécie de homem deve ser um ministro de Deus? Deve trovejar na pregação e brilhar nas conversas. Deve ser flamejante na oração, resplandecente na vida e fervoroso no espírito.

Devemos começar a orar antes de nos ajoelhar e não devemos cessar quando nos levantamos.

Não pode haver união alguma no trono se não houver primeiro união na cruz.

Os cristãos devem ter uma vida tão abundante de modo que na pobreza sejam ricos, na doença tenham saúde espiritual, no desprezo estejam cheios de triunfo e na morte, cheios de glória.

Nossa ansiedade não esvazia o sofrimento do amanhã, mas apenas esvazia a força do hoje.

O amor que o povo de Deus tem pela oração revela seu desejo pelas coisas celestes.

Se pensamos que podemos fazer qualquer coisa por nós mesmos, tudo o que receberemos de Deus será a oportunidade de tentar.


Charles Haddon Spurgeon, mais comumente conhecido por C. H. Spurgeon, nasceu em 19 de junho de 1834. Converteu-se ao Senhor em 6 de janeiro de 1850. Com dezesseis anos, pregou seu primeiro sermão; no ano seguinte, tornou-se pastor de uma igreja batista em Waterbeach, Condado de Cambridgeshire (Inglaterra). Em 1854, Spurgeon, então com vinte anos, foi chamado para ser pastor na capela da rua New Park, Londres, que mais tarde viria a se chamar Tabernáculo Metropolitano, transferindo-se para novo prédio.

Em janeiro de 1850, tendo como objetivo ir a uma reunião matutina em uma igreja congregacional em Colchester, para buscar paz em sua perturbada alma, se deteve numa capela de metodistas primitivos em Artilley Stree, mais em conseqüência da forte nevasca que por vontade própria. Nessa capela, o jovem juntou-se à pequena congregação quando, sem pregador para ministrar a Palavra, um simples membro da igreja subiu ao púlpito, mesmo sem grande habilidade de orador, e repetiu nervosa e constantemente o texto de Isaías 45.22a: “Olhai para Mim e sereis salvos, vós todos os termos da terra”. Depois de certo tempo, apelou aos presentes que olhassem para Jesus Cristo. Spurgeon olhou para Jesus com fé e arrependimento, crendo Nele como seu Salvador e Substituto, e foi salvo.

A Capela Batista da rua New Park, em Southwak, fora uma das maiores igrejas da Inglaterra. No entanto, naquele momento, o edifício, com 1.200 lugares, contava com uma congregação de 232 pessoas. “No início, eu pregava somente a um punhado de ouvintes. Contudo, não me esqueço da insistência de suas orações. Às vezes, parecia que eles rogavam até verem a presença de Jesus ali para abençoá-los. Assim desceu a bênção, a casa começou a se encher de ouvintes e foram salvas dezenas de almas”, lembrou Spurgeon alguns anos depois.

Até o último dia de pastorado, Spurgeon batizou 14.692 pessoas. Nesse meio tempo, teve sua saúde grandemente debilitada. Ele desenvolveu, por volta dos 25 anos, gota e reumatismo, e tinha grandes ataques de depressão, principalmente depois de 1857, quando um culto realizado em Surrey Garden foi organizado para cerca de 10.000 pessoas, e, devido a um tumulto provocado por um falso alarme de incêndio, seis pessoas morreram. Quanto mais a idade avançava, mais essas enfermidades o debilitavam. Ele teve uma melhora da gota, mas, mesmo dessa forma, nunca teve pleno vigor novamente. Sua mulher também tinha graves problemas de saúde, e isso agravava mais ainda a situação. Por diversas vezes, Spurgeon teve de se ausentar do púlpito por recomendação médica. Chegou a passar um período de férias em 1864 (quando viajou até a Itália), e depois, muitas vezes, sempre no fim do ano, se hospedava em Menton, sul da França, pelo clima mais quente que o da Inglaterra, e também por recomendação médica. Depois de 1887, foram cada vez mais constantes essas viagens, chegando a passar meses em retiro.

Morreu em 31 de janeiro de 1892, quando, depois de alguns dias de melhora, houve uma grande deterioração de sua saúde, levando ao óbito nessa data, aos 57 anos. O corpo de Spurgeon foi trasladado da França para a Inglaterra. Na ocasião de seu funeral – 11 de fevereiro de 1892 –, muitos cortejos e cultos foram organizados em Londres, e seis mil pessoas leram diante de seu caixão o texto de sua conversão, Isaías 45.22a: “Olhai para Mim e sereis salvos, vós todos os termos da terra”. Spurgeon está sepultado no cemitério de Norwood, com um placa que diz: Aqui jaz o corpo de CHARLES HADDON SPURGEON, esperando o aparecimento de seu Senhor e Salvador, JESUS CRISTO.

Fonte: Biografia: Wikipedia e Escola Charles Spurgeon .
  Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.