Se Jesus tivesse pregado a mesma mensagem que os ministros de hoje pregam, Ele nunca teria sido crucificado.

Como você pode derrubar as fortalezas de Satanás se não tem força nem para desligar a TV?

Sabe o que me deixa perplexo? Os discípulos nunca disseram a Jesus: “Senhor, ensina-nos a pregar”.  Eles ouviram o maior sermão já pregado, pelo maior Homem que já viveu, o Sermão do Monte; mesmo assim nenhum deles disse: “Senhor, ensina-nos a pregar.” Eles nunca disseram: “Senhor, ensina-nos a operar milagres.” Eles disseram:“Senhor, ensina-nos a orar!”

Por que tarda o avivamento? A resposta é muito simples. Tarda porque muitos pregadores e evangelistas estão mais preocupados com dinheiro, fama e aceitação pessoal do que em levar os perdidos ao arrependimento.

Quantos de nós conhecemos alguém que está consciente da eternidade? O que a América precisa é alguém que passe por todas as igrejas e pregue por uma semana sobre a eternidade. Que pregue um dia sobre “o Tribunal de Cristo”; um dia sobre “o julgamento dos crentes” e um dia sobre “as bodas do Cordeiro”. Mais uma vez, eu já lhes disse antes: eu não quero só ir para o céu. Quero ir para as Bodas do Cordeiro. Eu não quero apenas ir para as bodas. Quero fazer parte da Noiva!

Eu certamente acredito em meu coração que não somos conscientes da eternidade. Vivemos para o cotidiano. Devemos viver com os valores da eternidade em vista.

Você acha que uma pessoa que está pronta para a eternidade perderia uma reunião de oração?

Vejo que Jesus está vindo para governar a terra. Não para morrer, não para ser empurrado, mas está vindo para governar a terra. A Palavra de Deus diz que pelo menos alguns irão reinar com Ele. Quem vai reinar com Ele? Os vencedores! Vencendo a tentação, vencendo o mundo, vencendo seus próprios desejos, sendo completamente controlados por Deus.

Durante anos eu encerrei todas as noites de oração do mesmo modo. Eu dizia: “Ó Senhor, não me diga naquele grande dia: ‘Ravenhill, eu tinha muitas coisas para lhe dizer, mas você não poderia suportá-las.’ Você não conta os segredos de família a seus filhos pequenos. Você quer falar com alguém que entenda.

Estou convencido, do fundo do coração, que o entretenimento é o substituto diabólico para a verdadeira alegria.


Nascido em Leeds, Yorkshire (Inglaterra), Ravenhill foi educado na Cliff College, aos pés do ministério de Samuel Chadwick. Suas reuniões durante a Segunda Guerra atraíram grandes multidões, produzindo ministros e missionários.

Era um escritor prolífico e amigo próximo de A. W. Tozer. Por meio de seu ensino e de seus livros, Ravenhill apontou as disparidades que percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do reavivamento bíblico. Tozer disse de Ravenhill: “Para homens como este, a Igreja tem uma dívida muito pesada para pagar. O curioso é que ela raramente tenta pagá-la enquanto ele vive. Pelo contrário, a próxima geração constrói seu sepulcro e escreve sua biografia – como se instintivamente cumprisse a obrigação que a geração anterior, em grande medida, tinha ignorado”.

Faleceu em 27 de novembro de 1994 e foi enterrado no mesmo espaço do cantor Keith Green, seu aluno na fé.

Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob direção de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.