3 min leitura

Ramo

Há duas coisas notáveis a respeito da videira. Não existe uma planta cujo fruto contenha tanto álcool e da qual o álcool possa ser destilado tão abundantemente, como a videira. Mas também não existe outra planta que possa tão rapidamente tornar-se selvagem, prejudicando sua frutificação; necessitando assim ser podada impiedosamente.

Eu olho de minha janela e vejo grandes vinhas; o principal trabalho do vinhateiro é a poda. Pode haver uma vinha enraizada tão profundamente em terra boa que não necessite ser escavada, adubada ou aguada, mas a poda não pode ser dispensada, para que ela dê bons frutos. Algumas árvores precisam de poda ocasional, outras produzem fruto perfeito sem nenhuma poda, mas a vinha precisa ser podada. Assim, nosso Senhor nos diz logo no inicio da parábola, que o ramo que dá o fruto o Pai “limpa para que produza mais fruto ainda”.

Considere por um momento o que é essa poda ou limpeza. Não é a remoção de ervas daninhas ou espinhos, ou de qualquer coisa de fora que possa impedir o crescimento. Não; é o próprio corte dos longos brotos do ano anterior, a remoção de algo que vem de dentro, que foi produzido pela vida da própria videira. É a remoção de algo que é a prova do vigor de sua vida; quanto mais vigoroso foi o crescimento, maior a necessidade de poda.

É a madeira genuína e sadia que precisa ser cortada. E por quê? Porque ela consumiria demasiada seiva ao encher todos os longos renovos que cresceram no ano anterior; a seiva deve ser poupada e usada apenas para o fruto. Os ramos com 2,5 ou 3 metros de comprimento são cortados bem perto da raiz, e nada é deixado a não ser galhos de 2,5 a 5 centímetros, suficientes para sustentar as uvas. Somente quando tudo o que não é necessário para a produção dos frutos é cortado impiedosamente, e apenas os ramos suficientes para a frutificação são deixados, é que se pode esperar uma boa colheita.

Que lição preciosa e solene! A limpeza do Vinhateiro não se refere apenas ao pecado neste ponto. É nossa própria atividade religiosa, pois ela se desenvolve no próprio ato de dar fruto. É isso que deve ser cortado e limpo. Temos de usar nossos dons de sabedoria, eloqüência, influência ou zelo para Deus. E esses dons estão sempre em perigo de serem indevidamente desenvolvidos e de virmos a confiar neles.

E assim, após cada estação de trabalho, Deus tem de nos levar ao fim de nossas próprias forças, à consciência da inutilidade e perigo de tudo aquilo que é do homem a fim de sentirmos, então, que não somos nada. Tudo o que é deixado de nós é apenas o bastante pra receber o poder da seiva vivificante do Espírito Santo. Aquilo que é do homem deve ser reduzido a seu nível mais baixo. Tudo aquilo que é inconsistente com a mais completa devoção ao serviço de Cristo deve ser removido. Quanto mais completa a limpeza e poda de tudo o que é do “eu”, quanto menor a superfície que o Espírito Santo precisa cobrir, tanto maior será a concentração de todo o nosso ser, a fim de nos colocarmos inteiramente à disposição do Espírito. Essa é a verdadeira circuncisão de Cristo. Essa é a real crucificação com Cristo, trazendo sempre no corpo, o morrer de Jesus.

Bendita limpeza! Bendita poda! A purificação do próprio Deus! Quanto devemos nos regozijar na certeza de que vamos produzir mais fruto.

“Ó nosso Santo Lavrador, limpa e corta tudo o que há em nós e que poderia tornar-se objeto de exibição ou poderia transformar-se em fonte de auto-confiança e jactância. Senhor, mantém-nos humildes, para que nenhuma carne se glorie em Tua presença. Confiamos em Ti para fazer Tua obra.”

Salvar

Traduzido por null de livro The True Vine (A videira verdadeira). Tradução de D. O. M.. Publicado na extinta revista À Maturidade, nº 2 – Outono de 1978.. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.