“Faze dele primeiro para mim um bolo pequeno” (1Rs 17.13).

A época era sombria. Por causa dos pecados de Acabe, rei de Israel, a fome assolava o país. O profeta de Deus permanecia escondido, assim como outros cem profetas. Além disso havia entre o povo sete mil homens conhecidos somente por Deus que não haviam dobrado os joelhos diante de Baal, o falso deus (19.18).

Os recursos faltavam por todo lado; no entanto, em uma família fora dos limites do país, não o alimento diário para toda a casa. Durante todo um ano, “da panela a farinha não se acabou e da botija o azeite não faltou, conforme a palavra do Senhor, que Ele falara pelo ministério de Elias” (v. 16). De onde provinha essa abundância? Era claramente uma bênção material; no entanto, segundo os ensinamentos da Palavra de Deus, podemos tomá-la em seu aspecto espiritual: a farinha nos lembra das perfeições do Senhor Jesus; o azeite é figura do Espírito Santo.

Por que justamente nessa casa, ao contrário de tantas outras, havia alimento e sustento? Um dia, o homem de Deus havia encontrado essa viúva e lhe havia pedido um pouco de água e um pedaço de pão. A água escasseava, mas ela estava disposta a dá-la; no entanto, o pão faltava totalmente. Ela não tinha mais que um punhado de farinha e um pouco de azeite. Assim, a morte os esperava, a ela e a seu filho. O profeta lhe disse: “Faze dele primeiro para mim um bolo pequeno e traze-mo aqui” (v. 13). Como? Desse pouco que lhe sobrava, de seus últimos recursos, devia preparar algo para o profeta, sem deixar nada para ela e seu filho? Sim, e era necessária a fé, a fé na palavra de Deus pronunciada por Seu servo. “Ela foi e fez conforme a palavra de Elias” (v. 15). Esse foi o segredo da bênção.

“Faze dele primeiro para mim um bolo pequeno”. O Senhor não nos tem feito freqüentemente este pedido? “Ao começar o dia, reserva primeiramente um momento para estar a Meus pés e ouvir Minha voz; para fazer silêncio e dizer como outrora disse o jovem Samuel: ‘Fala, porque o Teu servo ouve’ (1Sm 3.10)”. E no transcorrer de nossas ocupações comuns, provavelmente temos ouvido com freqüência uma voz nos dizer: “Você pensa primeiramente no Senhor?” Pode tratar-se de um assunto relativo à retidão, de realizar um trabalho com esmero, de prestar um serviço a favor de alguém, de pronunciar uma palavra ou, antes, de calar. Busquemos primeiramente a vontade do Senhor quando estamos diante de uma escolha, seja para o trabalho profissional ou com relação a reunir-se ao redor do Senhor, fazer um gasto supérfluo ou dedicar esse dinheiro para o Senhor e Sua obra ou a favor de algum necessitado…

“Faze dele primeiro para mim um bolo pequeno”. Parece pouca coisa; no entanto, um punhado de farinha e um pouco de azeite era muito para a viúva, pois era todo o sustento que tinha (comp. Lc 21.4). Quanto o profeta apreciou isso, e muito mais o próprio Deus! “Quem é fiel no mínimo, também é fiel no muito; quem é injusto no mínimo, também é injusto no muito” (16.10). Pode ser um escrito, uma palavra, uma oração que primeiramente tivemos o desejo de apresentar a Ele. E, se não tomamos o cuidado de fazê-lo, que perda!

A entrega de si mesmo nada mais é do que o simples fato de pôr à disposição constante de Deus aquilo que Lhe pertence.

Faze dele primeiro para mim um bolo pequeno”. “Eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras” (Tg 2.18). É bom, sem dúvida, expressar sua confiança em Deus, cantar hinos que celebrem Sua bondade e Sua fidelidade, mas a fé não consiste somente em palavras: ela se traduz em atos. Por exemplo: um jovem, em meio a seus estudos na época de provas, consagrará o domingo, dia do Senhor, ao Senhor ou aos estudos? Se ele dá provas de sua fé entregando primeiramente a Deus o lugar que Lhe pertence e deixando seu próprio trabalho para os dias da semana, certamente ele será recompensado. À primeira vista, é uma perda, como parecia acontecer com a farinha e o azeite da viúva. Mas Deus pode resolver uma prova ou um trabalho igual ou melhor se, por a Ele, Lhe é reservado o tempo que Ele pede, mesmo que essas horas tenham sido “perdidas” no que diz respeito ao estudo.

“Faze dele primeiro para mim um bolo pequeno”. Pela voz do profeta ouvimos a voz do Senhor e Seu desejo de que façamos primeiramente para Ele. As Escrituras relatam que os macedônios “se deram primeiramente ao Senhor” (2Co 8.5). Este é o ponto importante do assunto: “Dá-me, filho meu, o teu coração” (Pv 23.26). O punhado de farinha e o azeite no fundo de uma vasilha representavam todos os recursos da viúva. Dando-os primeiramente ao profeta, a viúva não tinha nada além da morte diante dela… ou a salvação de Deus. De fato, colocando-nos verdadeira e inteiramente à disposição do Senhor Jesus, conscientes de que fomos “comprados por preço” (1Co 6.20), parece que perdemos a vida ao entregá-la ao Senhor, mas “qualquer que quiser salvar a sua vida perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará” (Mc 8.35). E essa entrega de si mesmo (que nada mais é do que o simples fato de pôr à disposição constante de Deus aquilo que Lhe pertence) se traduzirá, não por explosões de entusiasmo ou por sonhos de missões em terras distantes, mas pelo primeiro lugar que corajosamente Lhe daremos nos detalhes de nossa vida. Talvez seja um “bolo pequeno”, mas é o segredo da bênção que nos acompanhará dia após dia até que, tendo passado a “fome”, entraremos na casa do Pai.

G. A.

Para que em tudo [Jesus Cristo] tenha a preeminência” (Cl 1.18).

Quando Deus nos pede que façamos qualquer coisa (como, neste caso, a de alimentar o profeta Elias), ao mesmo tempo nos dá tudo o que é necessário para cumprir. Mas deve-se estar disposto a fazer primeiramente e sem discutir o que Deus pede. É o que nos ensina esse pequeno bolo, prova da fé daquela mulher e “primícias” de uma abundância divina em sua casa.

J. Kn.

Traduzido por Francisco Nunes de Un mensaje bíblico para todos, 07/2014, publicado por Ediciones Bíblicas Para Todos (Suíça). Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.