Há um duplo contraste aqui:

Primeiro, entre um pai terreno e Deus.

Segundo, entre o caráter moral deles.

Se um pai terreno não permite que seus pequeninos fiquem famintos, mas, em vez disso, atende livremente às necessidades deles, então, Deus certamente responderá aos clamores de Seus próprios filhos.

Aqueles foram apenas os progenitores de nosso corpo, Deus é o criador de nossa alma.

Os recursos deles são muito limitados, os Dele são infinitos!

Que evidência abundante que Deus deu ao cristão de que Ele é seu amável Pai celestial!

O envio de Seu Filho,

o dom de Seu Espírito,

a concessão da vida eterna,

Sua exaltação no trono da graça,

as inumeráveis promessas que Ele fez –

Tudo exclui a idéia de que Ele irá ignorar as petições de Seus filhos.

Mas há mais: nossos pais eram “maus”, considerando que Deus é essencialmente bom. A principal ênfase está nisso. Se aqueles que, por natureza, são corruptos e cheios de egoísmo podiam encontrar no coração o conceder as coisas necessárias a sua descendência, então, quão seguramente pode ser invocado Aquele que não tem nada em Si a reprimir Sua benignidade e impedir Sua generosidade. Ele é um oceano de todas as bem-aventuranças, o qual está sempre buscando um meio de comunicar-se com aqueles que Ele ama, escolheu e fez Seus filhos e filhas!


(Traduzido por Jacilara Conceição. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria, tradução, revisão e fonte e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo.)