7 min leitura

Para John Stuart [1]

Aberdeen, 1637

Infortúnios comerciais

A graça, a misericórdia e a paz estejam contigo.

Desejo muito ter notícias tuas, estando agora afastado de meu rebanho e sendo o prisioneiro de Cristo em Aberdeen. Eu não te faria pensar que é estranho que tua viagem à Nova Inglaterra tenha sido tal tropeço. Ela, de fato, fez meu coração pesado; porém eu sei que a Providência não é muda, mas fala, e pela qual nosso Senhor fala de Sua mente à tua, embora, para o presente, tu não compreendas bem o que Ele diz.

Seja como for, Aquele que se assenta sobre o dilúvio [Sl 29.10] te mostrou a Sua maravilhosa bondade em grandes profundidades. Eu sei que tuas perdas foram grandes, e tua esperança muito se afastou de ti. Mas eu te suplico, senhor: compreende corretamente todos os obstáculos que nosso Senhor está colocando no caminho. Eu me convenço de que teu coração anseia pelos passos do rebanho para comeres ao lado da tenda do pastor, e habitar ao lado Daquele a quem tua alma ama; e que é teu desejo permanecer no deserto onde a Mulher está protegida do Dragão (Ap 12.14). E, sendo esse o teu desejo, lembra-te de que um pobre prisioneiro de Cristo te disse que essa viagem sem sucesso está prenhe com misericórdia e consolação, e trará um belo nascimento assistido pelo Senhor. Espera nisso: “Aquele que crer, não se apresse” (Is 28.16).

Espero que estejas perguntando o que o Senhor quer dizer, e qual seria a Sua vontade com respeito à tua volta.

Meu querido irmão, deixa Deus fazer contigo o que Ele quiser; Ele terminará tudo em consolação, e transformará em glória os teus sofrimentos; e irias tu querer obra melhor?

Essa água estava em teu caminho para o céu, e estava escrito no livro de teu Senhor: era-te necessário atravessá-la e, portanto, beijar a Sua sábia e inerrante Providência. Não deixes que as censuras dos homens, que só vêem o exterior das coisas, e o vêem mui imperfeitamente, abatam tua coragem e tua alegria no Senhor. Apesar de tua fé ver apenas o lado escuro da Providência, ela tem um lado melhor, e Deus te levará a vê-lo.

Aprende a crer que Cristo é melhor que os golpes que Ele desfere, que Ele mesmo e Suas promessas são melhores que as tristezas que provê. Reveses e decepções não são Escritos canônicos. A luta pela Terra Prometida parecia gritar para a promessa de Deus: “Tu mentiste!” Se nosso Senhor cavalgar sobre a palha, Seu cavalo não tropeçará nem cairá. “Porque sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8.28). Portanto, naufrágios, perdas, etc. contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus. Assim, eu deduzo que as perdas, as decepções, as más línguas, a perda de amigos, casas ou do país estão a serviço de Deus, trabalhando para produzir em ti o bem de tudo o que acontece contigo. Não deixe que o agir do Senhor te pareça severo, brutal, ou não próprio de um pai, só porque é desagradável. Quando a bendita vontade do Senhor soprar contra os teus desejos, o melhor é, em humildade, içar as velas em direção a Ele, e estar pronto a ser conduzido por qualquer caminho que ao Senhor aprouver. É uma questão de negar-te a ti mesmo, ser como se não tivesses uma vontade, mas que a tivesses livremente entregue à disposição de Deus. E, usar a Sua vontade para ti mesmo é ao mesmo tempo santidade verdadeira, teu descanso e paz. Tu não sabes o que o Senhor obterá de tudo isso, mas tu o saberás em breve.

E o que escrevo a ti, escrevo a tua esposa. Sofro com o caso dela, mas lhe suplico que não tema nem desfaleça. Essa viagem é parte do seu deserto para o céu e para a Terra Prometida, e há poucas milhas agora a serem percorridas. Está mais próxima a aurora do dia para ela, do que quando ela saiu da Escócia. Vou me alegrar em saber que tu e ela tendes consolo e coragem no Senhor.

A bênção das provações

Agora, quanto a mim: eu fiquei ali por três dias perante a Alta Corte, acusado de traição contra o nosso Rei. (Um ministro que foi testemunha chegou bem perto de jurar isso.) Deus me salvou de sua maldade.

Primeiramente, eles me privaram de meu ministério; em segundo lugar, eles me silenciaram para que eu não tomasse parte em nenhuma função ministerial dentro deste reino, sob pena de rebelião; em terceiro lugar, confinaram minha pessoa dentro da cidade de Aberdeen, onde encontro ministros trabalhando por meu confinamento em Caithness ou em Orkney, longe deles, porque há algumas pessoas aqui (querendo ser edificadas) que recorrem a mim.

Em minha primeira entrada, eu tive pesados desafios dentro de mim, e uma corte me cercou (mas, espero, não em nome de Cristo) na qual foi afirmado que meu Senhor não queria mais meu serviço e que estava cansado de mim. E, como um tolo, eu acusei Cristo também de crueldade. Minha alma desfaleceu, e eu recusei o consolo, e disse: “Em que Cristo se afligiu por mim? Pois eu desejei ser fiel em Sua casa.” Assim, em meus devaneios e erros, meu Senhor Jesus derramou misericórdia sobre mim, que sou menos que o menor de todos os santos. Eu me deitei no pó e comprei uma acusação de Satanás contra Cristo, e ele ficou feliz em ma vender. Mas depois Cristo se mostrou amigo a mim, e em misericórdia me perdoou, e esqueceu minha parte nisso, apenas reclamando que esse julgamento deveria ser em Seu território e com Sua permissão. Agora passo de meu comparecimento ao tribunal; e, como se Cristo tivesse cometido os erros, Ele próprio os reparou e retornou à minha alma. E é assim que agora Seu pobre prisioneiro se nutre nas festas de amor.

Meus adversários não sabem que cortesão eu sou agora com meu Nobre Rei por cuja coroa eu sofro. É apenas nossa carne fraca e preguiçosa que traça um relato distorcido da cruz de Cristo.

Oh, como é doce, doce o Seu jugo. As cadeias de Cristo são de ouro puro; os sofrimentos por Ele são perfumados. Eu não trocaria o meu choro pelas risadas de todos os catorze bispos. Eu não trocaria minha tristeza pela alegria do mundo. Oh, amável, amável Jesus; quão doces devem ser Teus beijos, uma vez que Tua cruz tem aroma tão doce! Oh, se todos os três reinos participassem da minha festa de amor e do consolo de um prisioneiro privilegiado!

Caro irmão, eu te encarrego de louvar por mim, e de buscar ajuda de nosso conhecido lá para me ajudar a louvar. Por que eu deveria sufocar a honestidade de Cristo para comigo? Meu coração está empenhado em que meu silêncio e meus sofrimentos preguem. Eu te rogo, pelas entranhas de Cristo, que me ajudes a louvar. Lembra-te do meu amor por tua esposa, pelo sr. Blair, pelo sr. Livingstone e pelo sr. Cunningham. Dá-me notícias, pois estou ansioso pelo que fazer. Se eu visse um chamamento para a Nova Inglaterra, eu o seguiria. Que a graça esteja contigo.


[1] John Stuart, prefeito [ou preboste] de Ayr, Escócia. “Um cristão piedoso e zeloso de muito tempo, desde os seus tenros anos.” Ele usou seus bens deste mundo para aliviar os oprimidos. Ele estava entre aqueles que inutilmente se esforçaram em imigrar para a Nova Inglaterra.

 

(Para ler todos os artigos dessa série, clique aqui.)

Traduzido por Luiz Alcântara de The letters of Samuel Rutherford (1600–1661), p. 12. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.