3 min leitura

Não é a singularidade do “cristianismo” como um sistema que defendemos, mas a singularidade de Cristo. […] Porque em nenhuma outra pessoa, exceto em Jesus de Nazaré, Deus primeiro se tornou humano (em Seu nascimento), depois levou nossos pecados (em Sua morte), depois venceu a morte (em Sua ressurreição) e depois entrou em Seu povo (por meio de Seu Espírito), Ele é exclusivamente capaz de salvar pecadores. Ninguém mais tem Suas qualificações.

(John R. W. Stott)

A graça salvadora faz um homem tão desejoso de abandonar suas concupiscências quanto um escravo está desejoso de abandonar sua galera, ou um prisioneiro está desejoso de abandonar sua masmorra, ou um ladrão está desejoso de abandonar suas correntes ou um mendigo está desejoso de abandonar seus trapos!

(Thomas Brooks)

Orgulho é uma pessoa ter uma opinião muito elevada de si mesma. O orgulho é a pior víbora do coração humano! O orgulho é o maior perturbador da paz da alma e da doce comunhão com Cristo. O orgulho só é erradicado com extrema dificuldade. O orgulho é a mais oculta, secreta e enganosa de todas as concupiscências! O orgulho é um pecado secreto e sutil, e aparece sob muitas formas que não são detectadas nem delas se suspeita. O orgulho geralmente se insinua no meio da religião ― até, por vezes, sob o disfarce da própria humildade! O orgulho foi o primeiro pecado que entrou no universo, e será o último pecado a ser erradicado. O orgulho é o pior pecado. O orgulho é o mais secreto de todos os pecados. Não há outro assunto em que o coração seja mais enganoso e insondável. Ai de nós, pois quanto orgulho mesmo os melhores têm no coração! O orgulho é o mais teimoso inimigo de Deus! Não há pecado tão parecido com o diabo quanto o orgulho!
“A soberba e a arrogância […] eu odeio!” (Pv 8.13).

(Jonathan Edwards)

Ó Deus,
ouve a minha oração,
inclina os Teus ouvidos às palavras da minha boca. […]
Eis que Deus é o meu ajudador,
o Senhor está com aqueles que sustêm a minha alma. […]
Eu Te oferecerei voluntariamente sacrifícios;
louvarei o Teu nome, ó Senhor,
porque é bom,
pois me tem livrado de toda a angústia. […]
Vive o Senhor,
que remiu a minha alma de toda a angústia.

(Sl 54.2,4,6,7a; 2Sm 4.9b)

Deus costuma usar aquilo que o mundo considera insignificante ou desagradável. Em todo o mundo, o reino de Deus é espalhado por meio de pessoas comuns que, provavelmente, nunca serão famosas ou lembradas nos livros de história dos homens. No entanto, aqueles que conhecem a Cristo são lembrados por Deus e são as pessoas mais importantes entre todas a Seus olhos, os únicos olhos que realmente importam. Cada um de nós, famoso ou não, pode ser usado pelo Senhor de maneiras poderosas.

(R. C. Sproul)

O que o homem crê importa, sim; o que o homem crê em detalhe realmente conta. […] O que o homem crê vai, por fim, determinar sua vida. O homem leviano na doutrina com o tempo se torna leviano também em sua vida e em sua conduta.

(Martin Lloyd-Jones)

Sem a ajuda do Espírito, não é possível que o coração, de maneira sincera, consciente e afetuosa, se derrame diante de Deus com aqueles suspiros e gemidos que devem sair de uma alma que ora de verdade.

(John Bunyan)

Traduzido por Francisco Nunes. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.