16 min leitura

Uma singela semente

Uma missionária quase abandonada em uma aldeia solitária é maravilhosamente usada por Deus para instruir uma geração de jovens obreiros na China

Margaret E. Barber é um nome pouco conhecido, não só no mundo, mas também entre os cristãos.

Ela foi missionária, mas muito diferente de David Livingstone e de Hudson Taylor, que realizaram grandes coisas para o Senhor. A área de sua obra foi restrita a apenas uma pequena vila na China. Ela escreveu, mas não foi como Isaac Watts e Charles Wesley, cujos hinos aparecem em quase todos os hinários. Ela amava o Senhor, mas, apesar de ter alcançado grande maturidade espiritual, não era como Madame Guyon, Andrew Murray ou F. B. Meyer, que deixaram muitas publicações edificantes para as gerações futuras. Assemelhava-se a uma passageira solitária, que veio a este mundo silenciosamente em 1869, em Peasenhall, Suffolk (Inglaterra), e, 61 anos depois, também partiu silenciosamente. Durante a vida, ela respondeu ao chamado do Senhor duas vezes para deixar a família, sua terra natal e viajar para a China, um país bastante desconhecido e atrasado naquela época. Ela silenciosamente entregou o melhor período de sua vida ao Senhor e foi fiel até a morte.

Não foi em vão

Quando a Margaret Barber foi sepultada, um irmão citou a história de Maria de Betânia (Jo 12.1-8), dizendo que ela tinha feito tudo o que podia. Mais tarde, o irmão Watchman Nee, que não estava presente no funeral, mas fora muito influenciado por ela em sua vida espiritual, fez a seguinte observação: “Ela realmente se desperdiçou para o Senhor”.

Alguns jovens irmãos da China, que foram muito ajudados por ela, preocupavam-se com o procedimento dela e se admiravam porque ela não saía a realizar reuniões e trabalhar ativamente em outros lugares. Pelo contrário, ela vivia naquela pequena aldeia onde nada acontecia. Aquilo realmente parecia um desperdício.

Até mesmo o irmão Nee, que mais tarde se “desperdiçou” por cerca de vinte anos em uma prisão, naquela época a visitava e quase gritava para ela: “Ninguém conhece tanto o Senhor como você, e seu conhecimento da Bíblia também é profundo e vivo. Você não vê as necessidades ao seu redor? Por que você não faz alguma coisa? Você parece viver aqui sentada de braços cruzados; você está gastando seu tempo, sua energia, seu dinheiro, tudo em vão.” Hoje, muitos anos depois, podemos entender a atitude dela. Deus estava plantando uma semente de vida na China, uma semente solitária, humilde e oculta. O Senhor fez com que brotasse e frutificasse abundantemente. Porém, a coisa mais maravilhosa é que Deus fez com que desse fruto mais tarde, quando ela não poderia saber.

A vida cristã normal

Luz forte

Aqueles que conhecem o livro A vida cristã normal, de Watchman Nee, sabem que ele muitas vezes se refere a uma irmã mais velha que exerceu a maior influência sobre sua vida. É precisamente a irmã Margaret E. Barber. Quando ele soube que o Senhor a tinha tomado, ele disse: “Ela era uma pessoa muito profunda no Senhor. Sua comunhão com o Senhor e sua fidelidade a Ele, em minha opinião, são muito difíceis de encontrar no mundo.” Mais tarde, em suas mensagens, em comunhão e em conversas privadas, muitas vezes ele a mencionava. Ele a descreveu como “uma cristã brilhante. Qualquer pessoa que entrava em seu quarto sentia a presença de Deus.”

Em 1933, quando o irmão Nee visitou a Inglaterra e os Estados Unidos, encontrou muitos cristãos famosos. No entanto, mais tarde ele disse: “É difícil encontrar uma pessoa como irmã Margaret.” Em 1936, quando conversava com um colega sobre o serviço e a obra de Deus, ele suspirou e disse: “Se a irmã Margaret ainda estivesse aqui, nossa situação seria muito diferente.”

Quando o irmão Nee começou a servir ao Senhor, ele decidiu que de alguma forma tinha de obedecer à vontade de Deus. Ele pensou que o estivesse fazendo; no entanto, sempre que ele estava com a irmã Margaret e conversavam um pouco, ou lia um pouco a Bíblia com ela, descobria que estava muito longe do alvo. Quando Barber estava morando em Pai Tan Yan, ela sempre falava com o Senhor, mas o Senhor não falava apenas por meio das palavras dela, mas também por meio de sua pessoa. O irmão Nee uma vez deu o seguinte testemunho: “Eu tinha ouvido muitas vezes as pessoas falarem sobre a santidade; então, decidi saber mais sobre essa doutrina. Eu peguei um Novo Testamento e encontrei uns 200 versos sobre o assunto. Eu os escrevi e os classifiquei sem, todavia, conseguir saber o que era santidade. Eu me sentia vazio. Mas, um dia, eu encontrei uma irmã mais velha que era uma pessoa santa. A partir desse dia, meus olhos se abriram e eu vi o que era a santidade. Aquela luz era realmente forte. Aquela luz me fez sofrer, e eu não pude deixar de ver o que era a santidade.”

“Nada para mim”

Em 1922, a irmã Margaret tinha 53 anos (não é possível saber com precisão), e o irmão Nee era muito jovem, convertido fazia apenas dois anos. Ele tinha em seu coração muitos planos que esperava que Deus aprovasse. Pensou como seria maravilhoso se eles se realizassem, um por um. Quando ele levava esses planos à irmã Margaret, tentava convencê-la de que deviam ser realizados. Mas, depois ele testemunhou: “Antes de eu abrir a boca para explicar meus planos, ela falava um pouco, e tudo parecia muito para mim. A luz que se irradiava dela me fazia sentir vergonha. Descobri que minha maneira de fazer as coisas estava cheia de elementos naturais do homem, e era muito carnal. Quando a luz chegava, algo acontecia, e eu era levado a uma posição onde tinha a dizer a Deus: ‘Senhor, minha vida está concentrada em atividades carnais, mas aqui está uma pessoa que não vive assim. Ela só tem um motivo e um desejo: viver para Ti’.”

A srta. Barber anotou estas palavras em uma página: “Eu não quero nada para mim mesma; eu quero tudo para meu Senhor”. Realmente, toda a sua vida esteve de acordo com sua oração.

Margaret Barber

Dificuldades e injustiças

Margaret Barber foi enviada à China em 1899, e ensinou durante sete anos em uma escola anglicana para meninas, enquanto trabalhava para o Senhor. Mas os colegas tinham ciúmes dela e falsamente a acusaram perante os líderes da missão. Durante essa experiência, ela aprendeu a lição de viver silenciosamente na sombra da cruz. Ela preferiu sofrer a ofensa e não se defendeu até que o chefe da missão a chamou de volta para a Inglaterra e lhe disse: “Eu ordeno que você não esconda nada”. Somente então ela contou toda a verdade.

Ela admitiu ter sido ajudada espiritualmente por David Morrieson Panton, um irmão famoso por seu conhecimento sobre as profecias, que muito a influenciou, a ponto de levá-la a anelar pela vinda do Senhor. Nessa ocasião, ela esperou três anos na Inglaterra, até que o Senhor abriu um novo caminho para retornar à China. Ela passou por dificuldades econômicas. Ela disse que até para conseguir um pedaço de sabão necessitava exercitar sua fé no Senhor.

Com 42 anos regressou à China, dessa vez sem uma missão que a sustentasse. Ela aprendeu, como Abraão, a esperar que Deus se responsabilizasse por ela. Por causa do Senhor, ela foi para o interior da China. Quase chegou ao desespero por causa das pressões, mas o Senhor esteve a seu lado fortalecendo-a.

D. M. Panton

Certa vez, na maior dificuldade financeira, a srta. Barber tinha a bolsa vazia e precisava pagar muitas contas. Então, alguém lhe ofereceu certa quantia para ajudá-la, porém, quando lhe entregou a oferta, aconselhou-a a que não fosse fanática.

Embora realmente precisasse muito do dinheiro naquele momento de angústia, ela o recusou. Ela sentiu a responsabilidade de ser fiel a Deus, e Deus tinha de assumir a responsabilidade por ela. No dia seguinte, uma coisa maravilhosa aconteceu. O irmão Panton enviou-lhe, da Inglaterra, uma oferta urgente por telegrama. Barber entrou em contato com ele, perguntando porque ele havia enviado um telegrama com aquele valor. Ele respondeu que não sabia, mas, durante a oração, sentira que precisava enviar aquele valor e devia ser por telegrama.

Lições para jovens obreiros

Margaret Barber era realmente uma pessoa de oração, que sabia buscar o Senhor não só para suas necessidades diárias, mas orava também para que Ele abrisse as portas para sua obra. O Senhor lhe enviou uma companheira de trabalho e de oração, vinte anos mais jovem que ela, M. L. S. Ballord, sua sobrinha. Humanamente falando, eram duas mulheres fracas que não tinham o forte apoio de uma missão. O que elas poderiam fazer para o Senhor? Felizmente, do ponto de vista espiritual, elas não eram de forma alguma fracas.

Embora, naquela época, parecesse muito difícil ganhar a vasta China para Cristo, as duas missionárias sabiam que, para alcançar esse objetivo, era necessário que Deus levantasse muitos irmãos jovens. Então, elas começaram a orar especificamente por isso durante dez anos, e o Senhor de fato enviou um grande reavivamento a um lugar próximo de onde elas viviam e levantou alguns jovens irmãos que amavam a Deus. Um deles foi Watchman Nee.

Watchman Nee

Durante um ano e meio, possivelmente em 1922, quase todos os sábados, o irmão Nee, em companhia de outros jovens, visitavam a srta. Barber para serem orientados por ela. Mas alguns foram desistindo, pois ela exercia a disciplina de modo tão severo que não podiam suportar sua repreensão. O irmão Nee disse: “Ela repreende fortemente e sem razão. Mas, depois de ser repreendido por ela, a pessoa fica mais aliviada.” Cada vez que ele ia vê-la, preparava-se para receber uma repreensão.

Houve uma época em que sete jovens se encontravam todas as sextas-feiras. Na reunião, o irmão Nee e outro jovem responsável discutiam ardentemente. O outro era cinco anos mais velho que Nee. Cada um deles pensava que sua idéia era a melhor e criticava o ponto de vista do outro. Às vezes, o irmão Nee estava com raiva e não confessava seu erro. Então, ele foi ver a irmã Margaret no dia seguinte e contou a ela o que aconteceu, esperando que ela fosse resolver o problema corrigindo o irmão. Ela, no entanto, inesperadamente repreendeu o irmão Nee, com base no que a Bíblia diz sobre o irmão mais novo ter de respeitar o mais velho. Ao ouvir isso, o irmão Nee se defendeu, dizendo: “Eu não posso fazer isso. O cristão deve fazer todas as coisas por uma razão”. Então, a srta. Barber lhe disse que a questão não era a razão, mas o que a Bíblia ensina. “O mais jovem deve obedecer ao mais velho.” Às vezes, depois de uma acalorada discussão, o irmão Nee não conseguia dormir e chorava a noite toda. No sábado, recorria a srta. Barber para contar-lhe o motivo de sua tristeza, na esperança de que ela fosse agir com justiça. Mas, depois de ouvi-la, ele voltava para casa e chorava novamente. Estava triste e com raiva por não ter nascido antes, pois assim não teria de obedecer ao irmão, e o irmão teria de obedecer-lhe.

Uma vez, durante uma discussão, o irmão Nee concluiu acertadamente que tinha muita razão e tentou convencer a srta. Barber que seu companheiro estava errado. Dessa vez, ele pensou que iria vencer. Mas, depois de ouvi-lo, Barber disse: “Se o outro irmão está certo ou errado, é outra questão. Você acha que você se parece com uma pessoa que está carregando a cruz, acusando seu irmão diante de mim? Você se parece com um cordeiro fazendo isso?” O irmão Nee disse mais tarde: “Essas poucas palavras me envergonharam muito e eu nunca as esqueci.” Ele cria que, durante aquele ano e meio, recebera a lição mais preciosa de sua vida. Era assim que Margaret Barber orientava os jovens.

“Você deve aceitar ser quebrado”

Mais tarde, quando o irmão Nee decidiu trabalhar para o Senhor, ele visitou a irmã Barber. Ela perguntou: “Você quer trabalhar para o Senhor, mas o que o Senhor quer que você faça?” Ele respondeu: “Eu quero trabalhar para ele.” Mas a irmã Barber disse: “Se Deus não quiser que você trabalhe, o que você fará?” Ele respondeu: “Sei que o Senhor quer que eu trabalhe para Ele.”

Então, ela leu Mateus 15, sobre a multiplicação dos pães. E lhe perguntou: “O que você pensa sobre isso?” Ele respondeu: “Naquele tempo, cinco pães e dois peixes foram colocados nas mãos do Senhor, mas, depois da bênção, aquele alimento satisfez mais de quatro mil pessoas.” Então, a irmã Barber lhe disse: “Todos os pães nas mãos do Senhor foram partidos e distribuídos, e, aqueles que não foram partidos, não puderam suprir vida para os outros. Irmão, lembre-se que frequentemente somos como um pão, falando ao Senhor: ‘Senhor, eu me entrego a Ti.’ Porém, temos um desejo oculto no coração, como se estivéssemos dizendo: ‘Ó Senhor, entregar é entregar, oferecer é oferecer, porém, não me quebres.’ Nós sempre esperamos que o pão seja colocado de lado, intocado, sem ser movido, e isso é muito agradável aos olhos. Mas todo pão nas mãos do Senhor está destinado a ser quebrado. E, se você não quer ser quebrado, então, não se coloque nas mãos do Senhor.”

Para ser útil ao Senhor

Um dia, ela estava orando com o irmão Nee em uma montanha, e depois de ler Ezequiel 44, disse: “Irmão, vinte anos atrás eu li este capítulo; depois fechei a Bíblia, ajoelhei-me em oração a Deus e disse: ‘Senhor, não me deixe servir à casa, mas a Ti.” A razão que a levou a orar dessa maneira é porque houve uma classe de levitas, conforme Ezequiel 44, que serviam ativamente no templo, porém não serviam ao Senhor.

Esses conselhos da irmã Barber, dados a muitos irmãos, foram mais eficazes do que milhares de conferências e mensagens.

Deixou que Deus trabalhasse nela

Não podemos deixar de perguntar: por que Deus usou essa irmã? Qual foi o segredo de seu ministério? Por que tantas pessoas receberam ajuda dela?

Obviamente, seu ministério estava baseado em sua vida espiritual. Provavelmente, os seguintes lemas do irmão Nee podem oferecer-nos uma explicação melhor: “O que Deus enfatiza é o que somos, mais do que o que fazemos.” “A verdadeira obra emana da vida.” “O serviço que tem valor é sempre a manifestação da vida de Cristo.” “Consagrar-se a Deus não é trabalhar para Deus, mas ser trabalhado por Deus.” “Aqueles que não permitem que Deus trabalhe neles, nunca poderão trabalhar para Deus.”

A razão pela qual ela podia trabalhar para o Senhor foi porque deixou que o Senhor trabalhasse nela e realizasse nela Sua obra educativa. O coração dela era como o de Maria Madalena, completamente voltado para o Senhor.

Poucos meses depois que senhorita Barber partiu para estar com o Senhor, alguém enviou um pacote que pertencia a ela para o irmão Nee. Dentro, havia um papel com estas palavras: “Ó Deus, eu Te agradeço porque há um mandamento que diz: ‘Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, com toda tua alma e com toda tua mente’ (Mt 22.37)”.

Ocasionalmente, ela enfrentava situações difíceis, e o preço requerido exigia tudo o que possuía, quase a própria vida. Então, ela levantava o rosto banhado em lágrimas e dizia ao Senhor: “Senhor, para que eu possa conhecer todo o Teu coração, quero que meu próprio coração seja quebrantado.” Uma vez, o irmão Nee lhe perguntou: “Qual é a sua experiência na obediência à vontade de Deus?” Ela respondeu: “Toda vez que Deus demora em mostrar Sua vontade, imediatamente concluo que dentro de mim ainda tenho um coração que não quer obedecer a ela. Eu ainda tenho um desejo errado dentro de mim. Isso pode ser comprovado por muitas experiências.” Ela perguntava muitas vezes ao irmão Nee: “Você ama a vontade de Deus?” Não perguntava se ele obedecia à vontade de Deus.

Certa vez, ela discutiu com Deus sobre determinado assunto. Ela sabia o que Deus queria e, no coração, queria a mesma coisa, mas aquilo lhe era muito difícil. O irmão Nee a ouviu orar pelo assunto do seguinte modo: “Senhor, eu confesso que eu não gosto, mas, por favor, não Te rendas a mim. Espere um pouco, e certamente eu me renderei a Ti”. Não queria que Deus se rendesse a ela, diminuindo Sua exigência. Nada era importante para ela, a não ser alegrar seu Mestre.

Com toda a razão, ela disse: “O segredo para entender a vontade de Deus é: 95% querer obedecer a Deus, e 5% entender”. Isso revela que ela compreendia profundamente a vontade de Deus.

Amor a Cristo

A casa está cheia de seu perfume

Sem dúvida, a irmã Barber foi desperdiçada para o Senhor, como o óleo precioso mencionado em João 12.3. Qual foi o resultado? “A casa se encheu com o cheiro do perfume”. Você também pode sentir a fragrância desse perfume e ser atraído pelo mesmo Senhor a quem ela buscou e amou de todo o coração, com toda a alma e com todo o entendimento.

Traduzido por M. Luca de revista À Maturidade, n⁰. 1, 1977. Condensado por Águas Vivas. Revisado por Francisco Nunes. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria e de tradução e seja exclusivamente para uso gratuito. Preferencialmente, não o copie em seu sítio ou blog, mas coloque lá um link que aponte para o artigo. Ao compartilhar nossos artigos e/ou imagens, por favor, não os altere.
Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.