1 min leitura

“… que andam passeando dentro do fogo” (Dn 3.25)

As chamas não impediram os movimentos deles; andavam no meio do fogo. Ele foi uma das avenidas pelas quais seguiram em direção ao ponto final. O conforto da revelação de Cristo não é que ela nos ensine a nos emanciparmos do sofrimento, mas a nos emancipar por meio do sofrimento.
Ó Deus, ensina-me a ver que, quando as sombras descem, estou apenas num túnel. Basta-me saber que um dia tudo estará bem.
Eu sei que um dia chegarei à glória da ressurreição. Mas eu quero mais, ó Pai: quero que seja o Calvário que me leve até lá. Quero ver nas sombras deste mundo as sombras de uma estrada – a estrada para a casa de meu Pai. Diga-me que eu tenho somente que subir esta avenida, pois a Tua casa fica lá no alto! Eu não sofrerei dano algum do sofrimento, se andar no meio do fogo.
(George Matheson)

Ó Pai, eu estremeço ao ser provado!
Sei que sairei como ouro refinado,
Mas enquanto no fogo,
Quero ver-Te a meu lado.
Quero ver-Te, Senhor!

(Extraído de Manancias no Deserto, dia 8 de maio, de Lettie Cowman, Editora Betânia)

Campos de Boaz: colheita do que Cristo, o Boaz celestial, espalhou em Seus campos é um projeto cristão voluntário sob responsabilidade de Francisco Nunes.
Licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.